UOL Notícias Internacional
 

18/06/2005

Tremores de terra abalam os ânimos na Califórnia

The New York Times
Dean E. Murphy e Nick Madigan

Em Menlo Park, Califórnia
Como as pessoas vão ao médico quando uma doença crônica entra em crise, os californianos, abalados com os terremotos, voltaram-se para os sismólogos em busca de respostas e conforto. Mesmo para um Estado acostumado a tremores crônicos, a dose dos últimos dias foi insuportável, com quatro terremotos consideráveis desde domingo (12/06).

"Ai meu Deus, foi uma semana daquelas", disse Susan Garcia, que organizava as entrevistas com os sismologistas do Departamento de Pesquisa Geológica dos EUA para os jornais em inglês, espanhol e mandarim.

Em uma tela grande de plasma, os cientistas monitoravam milhares de informes enviados por moradores ansiosos ao site da Web da agência. Mesmo sem saber sobre a tectônica por trás dos tremores, os californianos descreviam a experiência com determinação.

O site interativo, que inclui um mapa colorido informando as probabilidades de outros terremotos ocorrerem em breve (que se agravaram para várias regiões do Estado depois dos quatro terremotos) faz parte de um esforço do Departamento de Pesquisa Geológica para desmistificar os terremotos.

Mas assim como os médicos às vezes discordam nos diagnósticos, a sismologia nem sempre é tão precisa quanto as pessoas atemorizadas gostariam. Não há um sistema de aviso confiável para a chegada de um terremoto e, até depois, os especialistas podem discordar sobre o que aconteceu.

Steve Walter, sismólogo, e Rufus Catchings, geofísico, estudaram um dos terremotos desta semana, de 4,9 na escala Richter na quinta-feira em Yucaipa. Eles chegaram a conclusões opostas sobre o que poderia significar para a Falha de San Andréas, a mais notória e temida no Estado.

Walter disse que era um bom sinal que o tremor de Yucaipa parecia ter ocorrido perto de outra falha, Banning, indicando que San Andréas, que está mais ou menos presa desde meados do século 19, continuava inativa. "Isso é bom", disse Walter. "Quando ela se soltar, não vai ser de forma gentil".

Mas Catchings abanou a cabeça, preocupado, quando examinou o mapa da falha. Ele sugeriu que teria sido melhor se o tremor de Yucaipa tivesse ocorrido mais perto de San Andréas, permitindo a liberação de parte de sua tensão.

"Isso significa que a tensão está aumentando sem parar", disse Catchings. "E já passou da hora de acontecer um realmente grande". A diferença de opinião provavelmente será resolvida com o tempo, quando outros dados se tornarem disponíveis ou o "verdadeiramente grande" aconteça e prove que um dos dois estava certo.

Não faz muito tempo, os cientistas tinham que esperar dias para terem informações básicas sobre um terremoto, e mais ainda para discordarem de sua interpretação. Agora, as notícias chegam rápido até para o público em geral, acalmando alguns (os que se sentem fortalecidos por estarem informados) e alimentando os temores de outros (o grupo que preferia viver na calma da ignorância).

Os quatro terremotos desde domingo, dois deles na costa norte e dois no deserto do sul, causaram poucos danos e nenhuma morte. Os cientistas em geral concordaram que não houve relação entre os tremores do norte e os do sul, uma das maiores preocupações.

Mesmo assim, com tantos tremores em tão pouco tempo em um trecho tão extenso do Estado, alguns moradores se sentiam um pouco inseguros na sexta-feira. "Espere! Acho que senti alguma coisa", disse Ashley Wetmore, garçonete do Beach Chalet Brewery and Restaurant, em San Francisco, durante uma entrevista telefônica.

Wetmore gritou para um colega --"Foi mais um?" "Não!" responderam-- e ela voltou ao telefone. "Não foi nada", disse ela. "Desculpe-me. É uma loucura, todos esses terremotos acontecendo. Não estou acostumada com isso."

Wetmore sobreviveu ao grande terremoto de San Francisco em 1989 e não pensou mais no assunto desde então. Isso mudou na terça-feira à noite, quando um terremoto de 7,2 graus de magnitude com epicentro a 136 km da costa de Crescent City, perto da fronteira do Oregon, motivou uma advertência de tsunami ao longo de toda a Costa Oeste.

O terremoto de 6,7 graus ocorrido na noite de quinta-feira na mesma área do Oceano Pacífico foi classificado como tremor secundário.

Wetmore disse que foi instruída na terça-feira a evacuar o restaurante
porque uma tsunami "ia chegar em 23 minutos".

"Foi um pouco assustador", conta. "As pessoas se apavoraram." A advertência foi retirada, mas a ansiedade não.

Em Crescent City, o proprietário do Hampton Inn & Suites disse que o desconforto do público era fácil de explicar. "Todo mundo tem medo de morrer", disse Xiao Jin Yuan, que batia freneticamente nas portas do hotel de três andares na noite de terça-feira para alertar os hóspedes do perigo.

"Algumas vezes temos que ser um pouco filosóficos sobre a vida", disse Yuan. "Você faz de tudo para se preparar. Temos um ótimo plano de evacuação."Algumas pessoas se acostumam.

Tendo morado em Los Angeles por décadas, Joe Malkin disse que considera os terremotos parte da vida, como respirar. Ele sentiu o terremoto de Yucaipa na quinta-feira à tarde, mas somente por alguns segundos.

"Eu não conseguia entender por que tanta confusão", disse Malkin, 83, programador aposentado. Ele se lembrou de um terremoto no início dos anos 50, que o pegou no cinema em Wilshire Boulevard.

"As pessoas saíram, mas eu não", disse Malkin. "Fiquei esperando mais, mas nada aconteceu, então fiquei contente. Não gosto deles, estaria melhor sem eles."

Para alguns turistas na Califórnia, essa calma é inimaginável.

Ari Dayan, 7, seu irmão, Ian, 4, e seus pais, Steve e Laura, estavam visitando Santa Bárbara nesta semana, vindos de Chappaqua, Nova York. Eles estavam assistindo um jogo de beisebol na televisão em um hotel na praia, quando surgiu na tela um aviso de tsunami, na terça-feira à noite.

"Minha mãe ficou doida", disse Ari. "Ela falava: 'Temos que sair daqui!'" Estado sofreu quatro terremotos em uma semana e teme catástrofe Deborah Weinberg

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host