UOL Notícias Internacional
 

06/07/2005

Armstrong chega à liderança da Volta da França

The New York Times
Samuela Abt

Em Blois, França
Lance Armstrong conquistou a camisa amarela de líder da Volta da França de maneira dramática nesta terça-feira (5/7). O americano rival que a vestia acidentou-se minutos antes do final de uma longa prova de tempo de equipe e terminou quase um minuto e meio depois de seus colegas.

Deborah Cannon/Cox News Service 
Equipe Discovery, do ciclista americano Lance Armstrong termina a quarta etapa da Volta da França em 1º lugar
Dave Zabriskie liderava a prova quando inexplicavelmente tombou para o lado esquerdo e escorregou com sua bicicleta em uma barreira lateral.

Assim, sua equipe, a CSC, perdeu momentaneamente a concentração e a possível vitória, perdendo sua margem de dois segundos à frente do Discovery Channel de Armstrong e terminando atrás em dois segundos.

"A prova de equipe é tão difícil no final que todo mundo está no limite", disse Armstrong, depois de uma corrida de 67,5 km contra o relógio. Ele observou que Zabriskie caiu em uma altura do percurso que tem grandes multidões, curvas e ventos.

Zabriskie, 26, conquistara a camisa amarela no sábado, na abertura da competição. Os médicos do evento disseram que o ciclista, que terminou a corrida, não teve sérias contusões, apenas cortes e machucados do lado esquerdo; seus shorts e camisa ficaram rasgados e ele ficou sujo de óleo.

Jens Voigt, colega de Zabriskie, disse à Reuters, entretanto, que havia preocupações dentro da equipe que Zabriskie poderia ter fraturado várias costelas. Um porta-voz do time disse que o ciclista faria raios-X do cotovelo e do pulso esquerdo.

"Se os raios-X não mostrarem ossos quebrados, vou começar amanhã", disse Zabriskie à Reuters.

Quanto à competição, a Discovery Channel terminou com 1h10m39s o circuito de Tours a Blis, o quarto de 21 estágios diários. A CSC, que esteve na frente da corrida até o final, ficou dois segundos atrás, e a T-Mobile ficou em terceiro lugar, com 35s a mais. O quarto lugar ficou com a Liberty Seguros, com 53 segundos a mais e Phonak ficou em quinto, com 1m31s a mais.

Sob as regras do evento, essas margens de derrota traduziram-se em perdas de tempo de 20, 30, 40 e 50 segundos para os concorrentes da Discovery Channel.

Sua velocidade média foi de 57,3 km por hora ultrapassou com facilidade o recorde da prova de 54,9 km/h, de Geweiss, em 1995, apesar das comparações serem questionáveis porque os percursos são diferentes e as bicicletas e estradas melhoraram.

Armstrong começou o dia em segundo lugar, dois segundos atrás de Zabriskie. George Hincapie, colega americano de Armstrong, está agora em segundo lugar, 55 segundos atrás do líder; Voigt, alemão, está em terceiro, com 1h04 a mais; Bobby Julich, outro americano da CSC, está em quarto lugar, com 1m07 a mais; Zabriskie, enquanto isso, caiu para nono lugar, com 1m26 a mais.

Apesar de ser membro da CSC, Zabriskie perdeu mais de 20 segundos para Armstrong porque, sob as regras da prova de equipe, sua queda e atraso deixaram-no de fora dos tempos destinados para a maioria dos ciclistas.

Mais significativo, a vitória de terça-feira permitiu que Armstrong ganhasse mais distância de seus três maiores rivais -Jan Ullrich, alemão da T-Mobile, Alexandre Vinokourov, cazaque da T-Mobile; e Ivan Basso, italiano da CSC. Armstrong agora está 1m21s na frente de Vinokourov; 1m26 na frente de Basso e 1m36 de Ullrich.

Mas recuperar 20 ou 30 segundos sobre importantes rivais em uma prova de tempo em equipe, apesar de ajudar, provavelmente não vai ser um fator determinante na disputa de três semanas. Muito mais tempo do que isso pode estar em jogo quando a corrida encontrar os Alpes, na semana que vem, e os Pirineus depois disso.

Mesmo assim, a vantagem psicológica não deve ser subestimada. A Discovery Channel mostrou aos seus rivais na terça-feira que está em ótima forma, enquanto Armstrong tenta vencer seu sétimo Tour sucessivo, antes de se aposentar.

"Sempre é bom vencer este evento e mostrar que a equipe está forte e equilibrada", disse Armstrong. Esta foi a terceira vitória sucessiva de sua equipe na Volta, as duas últimas quando Armstrong e muitos de seus colegas competiam pelo U.S. Postal Service.

Armstrong não sabe se sua equipe vai tentar segurar a camisa amarela, se vai tentar, tão cedo na disputa, acompanhar os que disparam na frente e controlar o resultado em várias etapas.

"Vamos pensar a respeito", disse ele, observando que a Volta chegará às primeiras montanhas no dia 12 e que ele não queria que a equipe estivesse cansada antes disso.

O diretor da equipe, Johan Bruyneel, ofereceu outra opção. "A vantagem de vencer a prova de equipe é que temos muitos homens bem colocados", disse ele. "Podemos tentar manter a camisa, mas ela pode não ficar com Lance".

Como todos os nove competidores da Discovery Channel acabaram ao mesmo tempo na terça-feira, cinco estão entre os oito primeiros colocados dos 189 competidores.

Pedalando diante de grandes multidões no Vale do Loire, as equipes partiram na terça-feira com cinco minutos de diferença, em um percurso plano e reto pelos primeiros 45 km. Os ciclistas se alternaram à frente de cada formação, fazendo um rodízio que variava com as forças de cada um.

Somente na última parte, quando os competidores estavam se cansando com a alta velocidade, surgiram pequenos aclives. Não eram longos nem íngremes, mas foram difíceis o suficiente para forçar alguns corredores a deixar suas equipes.

A maior parte dos competidores, porém, com a ajuda do vento e passando por castelos maravilhosos, conseguiu se segurar. Zabriskie foi o único a se acidentar.

"É um evento apaixonante, muito difícil", disse Armstrong. "É legal vencê-lo novamente." Estranho acidente com rival beneficiou o ciclista nesta terça-feira Deborah Weinberg

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h59

    -0,13
    3,132
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h03

    -0,44
    75.655,58
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host