UOL Notícias Internacional
 

05/09/2005

William Rehnquist, presidente da Suprema Corte dos EUA, morre aos 80 anos

The New York Times
Linda Greenhouse
O presidente da Suprema Corte dos Estados Unidos, William H. Rehnquist, morreu na noite do último sábado de um câncer da tireóide, contra o qual lutou durante quase um ano, abrindo uma segunda vaga na Suprema Corte apenas alguns dias antes de terem início no Senado as audiências para a confirmação do preenchimento da cadeira deixada vaga pela juíza Sandra Day O'Connor.
Stephen Crowley/The New York Times 
O juiz William H. Rehnquist

Kathleen Arburg, a chefe de informação pública da Suprema Corte, disse que o juiz Rehnquist, 80, morreu em sua casa em Arlington, Virgínia, rodeado por seus três filhos. Arburg disse que o juiz vinha trabalhando na Suprema Corte durante o recesso de verão, mas que a sua saúde sofreu um "declínio súbito" nos últimos dias.

Embora se soubesse que o presidente da Suprema Corte estivesse seriamente enfermo, sofrendo de câncer na tireóide, que foi diagnosticado em outubro do ano passado, a sua morte neste momento foi uma surpresa. Seis semanas atrás, com a disseminação de boatos de que ele em breve se aposentaria, Rehnquist divulgou uma declaração inusual afirmando: "Continuarei atuando como presidente da Suprema Corte enquanto a minha saúde permitir".

A sua morte na véspera da audiência para a confirmação do juiz John G.
Roberts Jr., que deve ter início na terça-feira, fez aumentar a
possibilidade de que o presidente Bush cancele a nomeação do juiz Roberts, fazendo dele, em vez disso, candidato a presidente da Suprema Corte. O juiz Roberts foi assistente de Rehnquist, que à época era juiz da Suprema Corte, na década de 80.

O secretário de Imprensa da Casa Branca, Scott McClellan, disse que o
presidente Bush foi informado da morte do presidente da Suprema Corte pouco antes das 23h.

Na manhã de domingo, o presidente Bush afirmou que Rehnquist era "um homem de caráter e dedicação".

A morte do presidente da Suprema Corte também fez com que surgissem
especulações quanto à possibilidade de a juíza O'Connor, que anunciou em 1º de julho que a sua aposentadoria estaria em vigor assim que o seu sucessor fosse confirmado, concordar em permanecer na corte por enquanto. Não há perspectiva de que duas vagas na Suprema Corte sejam preenchidas antes do fim do recesso da instituição, em 3 de outubro.

A última vez que a Suprema Corte teve duas cadeiras vagas foi em 1971,
quando os juízes Hugo Black e John Marshall Harlan se aposentaram devido a doenças terminais. O presidente Richard M. Nixon nomeou então William H. Rehnquist, que era um procurador-geral assistente, para uma das vagas, e Lewis F. Powell Jr. para a outra. O juiz Rehnquist assumiu o cargo em 7 de janeiro de 1972. O presidente Ronald Reagan o escolheu em 1986 para ser o 16º presidente da Suprema Corte dos Estados Unidos.

O presidente da Suprema Corte deixou três filhos, Janet Rehnquist, James
Rehnquist e Nancy Spears; uma irmã, Jean Laurin: e nove netos. A sua mulher, Natalie Cornell Rehnquist, morreu em 1991.

O senador Charles E. Schumer, de Nova York, o principal democrata na
Comissão do Judiciário, disse: "O presidente da Suprema Corte serviu ao seu país com honra, dignidade e distinção por mais de 30 anos. Ele era fiel às suas crenças e foi um defensor intransigente de um judiciário independente".

William H. Rehnquist começou a sua longa carreira na Suprema Corte na
extrema direita do espectro ideológico. Mas as nomeações subseqüentes por parte de presidentes republicanos acabaram por lhe conferir uma maioria funcional que permitiu que alcançasse várias das suas metas, incluindo aquelas que eram reflexos da sua preocupação com os direitos dos Estados e com o papel da religião na vida pública. Ele também liderou a corte na tarefa de anular alguns dos precedentes liberais da corte de Warren que favoreciam os direitos de réus criminosos.

Mas quanto a corte teve uma oportunidade, vários anos atrás, de recusar a famosa determinação Miranda, que o presidente da Suprema corte criticou por muito tempo, ele redigiu a opinião da maioria reafirmando o precedente, dizendo que ele se incorporara à vida norte-americana.

"A marca do seu martelo foi profunda", disse em uma declaração o senador
Bill Frist, líder da maioria no Senado. "O seu impacto foi profundo. Agora, ele está aglutinado para sempre à nossa história. O legado que ele deixa para trás é aquele de um dos mais influentes presidentes da Suprema Corte na história da nossa nação".

Embora tenha elogiado o juiz Rehnquist pela sua contribuição, Frist,
republicano do Tennessee, disse que os parlamentares se reunirão para
decidir o que fazer, tendo em vista o começo problemático da audiência do juiz Roberts.

"Enquanto absorvemos esta grande perda, vou conversar com o presidente
Specter sobre como dar andamento a questões pendentes da Comissão do
Judiciário", disse Frist em uma declaração, referindo-se ao senador Arlen Specter, republicano da Pensilvânia e presidente da Comissão do Judiciário.

O juiz Rehnquist foi submetido a quimioterapia no outono passado. Mas ele não revelou o tipo específico do tratamento nem a sua duração. Neste verão, ele foi levado duas vezes ao hospital para o tratamento de febres.

Ele morreu sem ter revelado o tipo de câncer de tireóide que o acometeu, e que percebeu pela primeira vez quando a sua voz começou a ficar rouca no outono de 2004.

O fato de ele ter necessitado inicialmente de uma traqueotomia - a abertura de um buraco na traquéia para ajudar o paciente a respirar - foi algo de extraordinário em se tratando de formas comuns de câncer da tireóide. Vários especialistas na doença que não estavam ligados ao caso disseram suspeitar fortemente que Rehnquist padecesse da forma mais agressiva da enfermidade, conhecida como câncer anaplástico da tireóide. Esta doença geralmente mata em menos de um ano, e geralmente em meses. O juiz Rehnquist parecia estar contrariando tais previsões.

Em abril, ele escreveu uma nota de agradecimento a pesquisadores de câncer da tireóide pelos seus esforços, que, segundo o juiz, permitiram que retomasse o trabalho no seu gabinete e em casa. Danilo Fonseca

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host