UOL Notícias Internacional
 

29/09/2005

Líder de Bush no Congresso dos EUA é acusado conspiração criminosa no Texas

The New York Times
David Stout

Em Washington
O deputado pelo Texas, Tom DeLay, o poderoso líder da maioria republicana na Câmara dos Deputados, foi denunciado nesta quarta-feira (28/09) por um tribunal do Texas por praticar conspiração criminosa em um esquema de arrecadação de verbas de campanha eleitoral.

DeLay foi acusado de violar as leis eleitorais do Estado em setembro de 2002. Dois dos seus associados políticos, John D. Colyandro e James W. Ellis, foram denunciados juntamente com DeLay.

Fred R. Conrad/The New York Times 
Tom Delay, líder do Partido Republicano, é acompanhado por policiais nos corredores da Câmara dos Estados Unidos
A denúncia de DeLay, embora não fosse totalmente inesperada, reverberou no Congresso. As regras da bancada republicana exigem que um membro da liderança deixe o cargo, pelo menos temporariamente, quando denunciado. O deputado David Dreier, da Califórnia, deverá substituí-lo.

Caso for considerado culpado, Delay, 58, poderá pegar até dois anos de prisão. O parlamentar afirma sistematicamente que é inocente e, na quarta-feira, mais uma vez garantiu que o juiz distrital do condado de Travis, Ronnie Earle, um democrata, o vem perseguindo por razões políticas em uma "investigação puramente política".

"Essas acusações não possuem base em fatos ou na lei", afirmou DeLay em uma declaração divulgada pelo seu gabinete no Congresso. "Este é mais um exemplo de como Ronnie Earle faz um mau uso do seu cargo para levar a cabo vendetas partidárias".

Na Casa Branca, o principal porta-voz do presidente, Scott McClellan, manifestou apoio a DeLay, dizendo aos jornalistas: "DeLay é um bom aliado e um líder com o qual trabalhamos bem próximos pelo bem do povo norte-americano".

"A posição do presidente é deixar que o processo legal transcorra", disse McClellan. "Existe um processo legal e vamos deixar que ele funcione".

Os democratas não perderam tempo em tirar proveito dos apuros de DeLay. "A denúncia criminal do líder da maioria Tom DeLay é o último exemplo de que a bancada republicana no Congresso está repleta de uma cultura de corrupção que traz prejuízos ao povo norte-americano", afirmou em uma declaração a líder da minoria na Câmara, Nancy Pelosi, democrata da Califórnia.

DeLay só tem menos importância na Câmara que o presidente da casa, J. Dennis Hastert, de Illinois, e a ele é atribuída a apresentação de grande parte dos programas legislativos do seu partido no Congresso. Ele também é visto como figura-chave para a ampliação da maioria republicana na Câmara. Atualmente há 231 deputados republicanos contra 202 democratas, além de um parlamentar independente e uma vaga não ocupada.

Hastert recomendou que Dreier assuma as tarefas de DeLay como líder da bancada republicana, e que o deputado Roy Blount, de Missouri, o atual porta-voz da maioria, assuma algumas das funções. Os republicanos se reuniram na tarde de quarta-feira para implementar as recomendações do presidente da bancada.

A denúncia indica que Colyandro e Ellis participaram de um esquema segundo o qual as corporações contribuíram com grandes quantias (US$ 50 mil em um caso, e US$ 25 mil em outros três) que foram destinadas ao Comitê Nacional Republicano. A denúncia inclui a cópia de um cheque de US$ 190 mil em nome do Comitê Nacional Republicano para as Eleições Estaduais, um componente do comitê nacional do partido. Esse dinheiro deveria ser distribuído entre vários candidatos texanos.

A denúncia foi feita três semanas depois que uma organização política formada por DeLay, a Texanos Por Uma Maioria Republicana, foi acusada de receber dinheiro ilegal de empresas quando DeLay ajudava os republicanos a ganhar o controle sobre a legislatura do Texas, assim como a fortalecer o controle do partido sobre o Congresso.

A organização de DeLay foi acusada de aceitar uma contribuição de US$ 100 mil da Aliança para Tratamento Médico de Qualidade no Lar e um outro de US$ 20 mil da AT&T. Um grupo empresarial do Estado, a Associação de Negócios do Texas, também foi acusado de participação no esquema.

As leis estaduais proíbem o uso de contribuições empresariais para a defesa da eleição ou da derrota de candidatos estaduais, e os promotores acusam a organização de DeLay de ter-se engajado em um esquema complexo para burlar o sistema legal.

DeLay, que também foi alvo do Comitê de Ética da Câmara em três ocasiões nos últimos meses, não deixará o seu posto como congressista pelo 22º Distrito do Texas, próximo a Houston, como resultado da denúncia. Mas, ao renunciar à liderança do partido na Câmara, o seu poder ficou muito diminuído, pelo menos por ora

DeLay ganhou um respeito mal-humorado dos democratas pela sua eficiência, não só por ter conseguido a aprovação de projetos de lei na casa, mas também por ter fortalecido a maioria republicana. No Texas, ele ajudou a elaborar um plano de reformulação distrital que fez com que a bancada texana no atual Congresso obtivesse uma maioria de 21 componentes republicanos, contra 11 democratas.

Os problemas de DeLay tiveram início em um momento difícil para os republicanos, quando o presidente Bush se vê em uma posição desconfortável nas pesquisas públicas de opinião, e o líder da maioria no Senado, Bill Frist, republicano pelo Tennessee, tem se defendido de questionamentos quanto à ocasião da venda de ações em uma empresa da sua família.

Para aumentar o embaraço dos republicanos, DeLay é um amigo próximo de Jack Abramoff, o lobista republicano que tem estado sob o escrutínio do Departamento de Justiça por mais de um ano, e que foi denunciado por fraudes na Flórida.

Os democratas não sabem ao certo como tirar proveito dos problemas dos republicanos nas eleições congressuais do ano que vem, e provavelmente na campanha presidencial de 2008.

O deputado Tom Reynolds, de Nova York, presidente do Comitê Congressual Nacional Republicano, garantiu na quarta-feira que a motivação política por detrás da investigação de DeLay é óbvia. "O líder da maioria foi altamente eficiente", declarou Reynolds. "Os democratas se ressentem do fato de Tom DeLay derrotá-los com freqüência --tanto política quanto legislativamente".

"Até que o líder da maioria Tom DeLay deponha no tribunal, é muito importante que ele seja considerado inocente até prova em contrário, o que é um direito concedido a qualquer outro norte-americano", disse Reynolds.

Dreier, que assumirá o gabinete do líder da maioria, foi eleito pela primeira vez para o Congresso em 1980 e atualmente é o presidente do poderoso Comitê de Regras. No seu sítio na Internet ele descreve os seus "princípios centrais" como sendo: "trabalhar para promover a liberdade individual, a oportunidade econômica, uma forte liderança global dos Estados Unidos, e um governo reduzido, mas efetivo". Tom Delay teria recebido ilegalmente recursos para campanha Danilo Fonseca

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,38
    3,156
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h22

    0,41
    65.277,38
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host