UOL Notícias Internacional
 

24/11/2005

Minúsculo laptop Windows com um toque fashion

The New York Times
David Pogue

Colunista de tecnologia do NYT
Para toda parte que você olha, a indústria de eletrônicos parece estar fazendo sua própria variação da dança da cordinha.

Mas a pergunta não é "quão baixo você consegue chegar?"

Na Dell, é "quão barato você consegue ser?

Na Apple, é "quão cool você consegue ser?"

E na divisão Windows da Microsoft, é "quão devagar você consegue ser?"

Mas entre os fabricantes asiáticos de laptops Windows, o jogo há algum tempo tem sido "quão pequeno você consegue ser?"

Flybook/The New York Times 
O laptop Flybook é vendido por US$ 2.490
A resposta é "menor do que você gostaria". O fator limitador não é a tecnologia de miniaturização --são seus olhos e dedos. Por exemplo, no palmtop de bolso OQO, recém relançado com atualizações, você precisa digitar com os polegares, ao estilo BlackBerry. A questão é encontrar o ponto de equilíbrio entre dispositivo milagroso e de tortura.

Uma empresa de Taiwan chamada Dialogue colocou um novo ponto em tal curva com um microlaptop intrigante chamado Flybook. Ele é um computador Windows XP pleno, completo com tela de toque e stylus (caneta), que não é muito maior do que um caixa de disco de DVD (23,6 cm X 15,5 cm, 1,2 quilo). Apesar do tamanho, o Flybook contém mais características por centímetro quadrado que um pôster de "Onde Está Wally?"

Se você confundir o Flybook com o computador Fly pen, um brinquedo educativo para pré-adolescentes que também foi lançado no mês passado, você tomará um choque quando a conta chegar. A caneta Fly custa US$ 100; o laptop Flybook é vendido por US$ 2.490.

É um preço extremamente salgado para um laptop, e nem mesmo inclui o módulo externo de US$ 350 que você precisará para tocar ou gravar DVDs e CDs. Mas os fabricantes do Flybook adotaram uma estratégia de marketing ao estilo iPod, esperando vendar a coisa como uma jóia.

Por exemplo, este laptop é absolutamente lindo. Sua pintura brilhante, laqueada, lembra mais "carro esporte" do que "computador Windows". A analogia com carro continua com as opções de cor: prata, preto, azul escuro, vermelho escuro, amarelo, laranja ou branco. De forma semelhante, a primeira revenda autorizada é, entre todos os lugares, a Barneys New York, a loja de roupas de luxo. (Você também pode comprar o Flybook no endereço flybookstore.com.)

E o que todo este dinheiro lhe compra? Quase tudo. O organizado painel traseiro do laptop apresenta todas as entradas e saídas conhecidas pelo homem, às vezes em duplicata: é conexão de fax/modem, dois conectores USB 2.0, rede Ethernet, saída de vídeo, saída de TV, dois conectores FireWire para discos rígidos externos ou câmera de vídeo, entrada de fone de ouvido e microfone, slot para cartão PC e provavelmente uma perdiz em uma pereira.

Você pode se conectar à Internet ou à rede do escritório usando a antena Wi-Fi sem fio do laptop. Você também pode se conectar a palmtops, impressoras ou headsets sem fio usando o transmissor Bluetooth. E o mais estranho e mais maravilhoso de tudo, você pode inserir o pequeno cartão de segurança de um celular Cingular ou T-Mobile ou de um computador BlackBerry (isto é, o cartão SIM, que significa Módulo de Identidade do Assinante).

Esta característica engenhosa significa, acima de tudo, que seu laptop pode se conectar online em qualquer lugar onde haja um sinal de celular. Você não precisa mais procurar desesperadamente por um café que ofereça um "hot spot" sem fio.

E também significa que você pode de fato fazer chamadas de voz com o Flybook. Quando você clica um ícone na barra de tarefas, um pequeno e estranho celular bidimensional aparece na tela. Você pode clicar seus botões de números para discar e pronto: você está conversando no laptop transformado em viva voz.

Três aspectos deste ritual podem parecer um pouco desajeitados: a remoção do cartão SIM de seu celular, clicar os botões de números e fazer chamadas pelo viva voz para que todos ouçam.

Felizmente, é possível contornar todos os três. Por exemplo, você pode discar diretamente de sua agenda de números (que, convenientemente, também fica armazenada no cartão SIM); você pode fazer chamadas usando um headset -o ideal é um sem fio com Bluetooth; e você pode assinar uma segunda conta de celular (e cartão SIM) apenas para o laptop. Adquirir uma segunda linha custa bem menos do que, digamos, pagar um plano de Internet rápida para laptop de US$ 60 por mês da Verizon. Mas você poderá se sentir um tanto estranho ao dizer ao vendedor da Cingular que o "parente" que você deseja adicionar à sua conta é na verdade seu laptop.

O Flybook oferece todas as utilidades tradicionais de um laptop Windows, mas sua tela widescreen de toque, brilhante (1.024 X 600 pixels), faz algo que seu laptop provavelmente não faz: ela roda e se dobra contra o teclado, de forma que você acaba com um "tablet". É ótimo para rabiscar anotações, marcar itens em um banco de dados ou acessar links em páginas de Internet. (A imagem pode ter uma rotação de 90 graus, como diz o manual mal traduzido, "no sentido horário ou anti-horário".)

Isto não quer dizer que o Flybook roda o sistema operacional Tablet PC da Microsoft; ele não roda (ainda, diz a empresa). Mas ele duplica a maioria das funções de um Tablet PC oficial da Microsoft, e no caso do reconhecimento de texto -impresso ou manuscrito- o supera em muito.

À primeira vista, o Flybook quase parece justificar seu preço de sangrar o nariz. É minúsculo e pode ser segurado com uma mão, cheio de características e altamente fashion. Raios, você poderá até colecionar as seis cores, para que sempre tenha uma que combine com a roupa.

E então a realidade se intromete.

O teclado encolhido do Flybook não é, de forma alguma, um teclado de polegar ao estilo BlackBerry. Ainda assim, digitar nele exige apertar os dedos e ficar de olho no que você está fazendo. Você certamente pode perdoar um certo encolhimento do teclado -ei, o que você esperaria de um computador do tamanho de uma bolsa de mão?- mas é pena que os designers tenham desperdiçado uma polegada inteira de largura deixando margens de ambos os lados. Por que não deixar o teclado se estender até as bordas do laptop?

O mouse também representa uma situação "é preciso se acostumar com ele". Em vez de um trackpad, você tem um botão de borracha ao estilo Thinkpad que aqui se projeta acima e à direita do teclado. Você tem um par de botões correspondentes aos botões direito e esquerdo do mouse ao lado do botão de borracha, e outro conjunto na borda esquerda do teclado. Na maioria dos casos, o posicionamento deles é terrivelmente desajeitado. Mas eles permitem um truque que é difícil na maioria dos laptops comuns: você pode apontar e clicar enquanto está em pé, segurando o Flybook com ambas as mãos.

Você também precisa saber que apesar de alguns detalhes do Flybook serem perfeitamente adequados (512 megabytes de memória, disco rígido de 40 ou 80 gigabytes), outros são de partir o coração. O processador é um lento Transmeta Crusoe 1-GHz, e a duração de duas a três horas da carga da bateria é, pelos padrões atuais de laptops, um pouco embaraçoso. Seu manual do usuário é tristemente incompleto -é possível fazer o download dele no site do Flybook se você quiser dar uma olhada- e nem ele e nem a ajuda online do Flybook mencionam a função de celular.

Quando se trata de miniaturização, concessão é o nome do jogo. Talvez, para você, o tamanho notável, a boa aparência e sacadas sem fio do Flybook sejam uma compensação adequada para o teclado minúsculo, o botão ponteiro desajeitado, o lento processamento e a vida curta da bateria.

Mas o Flybook não é o único microlaptop disponível. O Lifebook 1501D da Fujitsu, por exemplo, é quase do mesmo tamanho e também possui tela de toque com rotação -mas pesa ainda menos (1 quilo), tem um teclado maior, um disco rígido de 30 gigabytes e conta com botões de clicar direita e esquerda apropriados na parte inferior do teclado. Ele não tem Bluetooth, a função de celular bacana e nenhuma chance de ser vendido na Barneys -mas custa US$ 800 a menos.

Mas mesmo se você não comprar um Flybook, você deve sorrir com sua chegada. A adição de função celular ao laptop é uma idéia bem-vinda, assim como a noção inspirada na Apple de que beleza física pode acrescentar um tremendo prazer ao uso de uma máquina. Para o Flybook, a pergunta não é quão pequeno pode ser, mas quão pequeno e bonito. Apesar do tamanho, o Flybook contém mais características por centímetro quadrado do que um pôster de "Onde Está Wally?" George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h39

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h44

    -0,59
    63.708,87
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host