UOL Notícias Internacional
 

01/12/2005

Schwarzenegger nomeia democrata e é criticado

The New York Times
John M. Broder

Em Los Angeles
Em uma mudança política abrupta após uma derrota nas urnas três semanas atrás, o governador Arnold Schwarzenegger nomeou na quarta-feira (30/11) uma integrante do Partido Democrata para o cargo de chefe do seu gabinete. A medida gerou reclamações dos republicanos conservadores, que afirmaram que a nomeação é uma traição ao partido que ajudou a elegê-lo para o governo do Estado há dois anos.

A nova assessora principal do governador republicano é Susan P. Kennedy, 45, que foi vice-chefe de governo e secretária de gabinete do ex-governador Gray Davis, o democrata vencido por Schwarzenegger nas eleições especiais de dois anos atrás. Kennedy, uma ativista favorável ao aborto e aos direitos dos homossexuais, é ex-diretora-executiva do Partido Democrata da Califórnia, e diretora de comunicação da senadora democrata Dianne Feinstein.

Como chefe de gabinete, ela dirigirá a equipe do governador e ficará responsável pela execução da sua agenda.

Schwarzenegger disse que Kennedy sabe como funcionam as alavancas do poder na capital, e que está mais interessada em realizações do que em diatribes partidárias. "Ela está disposta a colocar de lado a sua filosofia democrata e fazer o trabalho para concretizar a minha visão de governo", disse ele em uma entrevista coletiva à imprensa em Sacramento, capital da Califórnia, na tarde desta quarta-feira.

Kennedy substitui Pat Clarey, uma republicana que atuou na administração do ex-governador Pete Wilson. Desde a derrota eleitoral de três semanas atrás, acreditava-se que Schwarzenegger iria sacudir o seu círculo interno de poder, a começar por Clarey. Ela permanecerá no governo até a transição, em janeiro, informou o governador. Kennedy, que estava junto ao governador na entrevista coletiva, disse que espera romper a acrimônia partidária que há alguns anos paralisa Sacramento.

"Estou cansada de jogos partidários", afirmou Kennedy. "Se o governador deseja arriscar o seu legado ao apostar em mim, eu desejo arriscar a minha carreira política ao fazer aquilo que é correto".

Os republicanos conservadores ficaram embasbacados com a escolha, classificando-a de uma traição à plataforma com a qual Schwarzenegger se elegeu, e chamando-a de um abandono da sua base mais leal.

Dave Gilliard, parlamentar conservador e um dos líderes do movimento para depor Davis, disse ter ficado abismado.

"Isso é inaceitável e indefensável", reclamou Gilliard. "Ela fez parte da administração que foi deposta, e que Schwarzenegger substituiu. Ela era parte do problema. Isso é uma admissão, por parte do governador, de que ele não sabe o que está fazendo".

Gilliard disse que Schwarzenegger abandonou os eleitores republicanos, e que estes provavelmente darão uma resposta ao governador no ano que vem.

"Schwarzenegger não deu aos republicanos nenhum motivo para votarem nele", acusou Gilliard. "Até certo ponto, é mais saudável para o partido ser aquela oposição leal aos democratas do que se sentar e ver tudo aquilo pelo qual lutou ser jogado fora. Isso não quer dizer que estejamos ressentidos com algo".

Um outro conservador proeminente da Califórnia, John Fleischman, disse que a princípio foi incapaz de acreditar no noticiário. "Fiquei chocado", afirmou Fleischman, ex-diretor-executivo do Partido Republicano da Califórnia. "Como é que um republicano leal pode olhar para o currículo dela e não reagir com apreensão, raiva e desconfiança? Não porque ela seja uma má pessoa, mas pelo fato de estar ideologicamente comprometida com idéias que são contrárias àquelas do Partido Republicano".

A nomeação de Kennedy representa um deslocamento notável para a esquerda por parte de Schwarzenegger, que viu todas as quatro medidas que defendia, e que foram submetidas à votação popular, serem derrotadas nas urnas em novembro.

As medidas, no sentido de tornar mais rígidas as regras para que os professores adquiram estabilidade, de restringir a atividade política dos sindicatos, de estabelecer um limite para os gastos do Estado e de modificar a forma como são delineados os distritos legislativos, foram elaboradas para limitar o poder dos democratas e dos sindicatos de funcionários públicos em Sacramento. Kennedy disse que apoiou as quatro medidas, sendo uma das poucas lideranças democratas do Estado a defendê-las.

Mas a dispendiosa campanha pela aprovação das medidas foi um tiro pela culatra para o governador, que agora parece estar se distanciando dos republicanos que as patrocinaram e apoiaram, e se aproximando do campo mais liberal do espectro político californiano.

A escolha de Kennedy também parece se constituir em uma vitória para a mulher de Schwarzenegger, Maria Shriver, que é democrata e aparentada da família Kennedy, e que se opôs à chamada campanha de reformas do governador neste ano. Shriver, que não possui relacionamento com a nova chefe de gabinete do seu marido, recentemente recrutou um outro veterano democrata do governo Davis, Daniel Zingale, para chefiar a sua equipe política.

Kennedy foi nomeada para a Comissão de Serviços Públicos Estaduais por Davis pouco antes de este deixar o cargo. Ela mora no condado de Marin, ao norte de São Francisco, com o seu parceiro, Vicki Marti, um psicoterapeuta e democrata que foi nomeado por Davis para a Comissão de Assistência Médica da Califórnia, o departamento estadual que fiscaliza os pagamentos do Medicaid aos hospitais.

Steven Maviglio, ex-secretário de imprensa de Davis, e atualmente um assessor dos democratas na Assembléia Legislativa, elogiou Kennedy, afirmando que ela possui muito talento tático, mas expressou certa surpresa com a mudança de curso feita por Schwarzenegger.

"Se há alguém que pode inverter o rumo das coisas, essa pessoa é ela", disse Maviglio. "Mas isso demonstra que ele não possui valores básicos, nenhuma idéia sobre o que defende, e nenhuma noção de para onde está indo".

Jim Brulte, que deixou a Assembléia Legislativa no ano passado, após ter sido o líder republicano no Senado estadual, também elogiou Kennedy, e sugeriu que alguns dos seus colegas republicanos mais exaltados esfriem a cabeça. Ele disse que, ao contrário dos republicanos de extrema direita que estão criticando o governador, Schwarzenegger reflete bastante as preferências políticas da maioria dos californianos.

"Arnold é a Califórnia", disse Brulte. "Ele é conservador sob o ponto de vista fiscal, socialmente moderado, e ecologicamente progressista. Ele reflete melhor do que qualquer político no Congresso aquilo que a maioria dos californianos sente. No fim das contas, Susan Kennedy terá que implementar os planos e os programas do governador Schwarzenegger para a Califórnia, e não o contrário". Republicano, o governador da Califórnia enfurece correligionários ao escolher uma política democrata como chefe de seu gabinete Danilo Fonseca

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    09h49

    0,13
    3,171
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,87
    65.667,62
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host