UOL Notícias Internacional
 

11/01/2006

A revelação de JT Leroy: em público, ele é ela

The New York Times
Warren St. John

Em Nova York
Leia também:
  • Entrevista exclusiva de JT Leroy para o UOL Diversão e Arte

    Era um dos mistérios literários mais bizarros da recente memória: quem, exatamente, é o romancista JT Leroy? Uma resposta, finalmente, está surgindo. A história de Leroy era pungente em seus detalhes e enaltecedora em seu arco. Ele era um garoto de programa de parada de caminhões que escapou da rural Virgínia Ocidental para uma vida desoladora como viciado em drogas sem-teto em San Francisco.

    Luciana Cavalcanti/Folha Imagem - 5.jul.05 
    O escritor norte-americano JT Leroy na festa de encerramento da SP Fashion Week
    Salvo na adolescência por um casal chamado Laura Albert e Geoffrey Knoop e tratado por um psicólogo, ele foi capaz de transformar sua juventude terrível em uma carreira de sucesso como escritor. JT Leroy publicou três obras de ficção aclamadas pela crítica, notáveis por seu retrato cru da prostituição infantil e uso de drogas.

    Ao longo do caminho Leroy conquistou a amizade e a confiança de celebridades e escritores conhecidos, que apoiaram sua carreira financeiramente e lhe ofereceram o apoio emocional quando declarou ser portador do HIV.

    As vendas eram boas e seus livros foram publicados ao redor do mundo. Tímido e recluso, Leroy, atualmente com 25 anos, aparecia em público freqüentemente disfarçado sob uma peruca e óculos escuros.

    Mas o jovem de peruca e óculos escuros na verdade não era um homem. O papel público de JT Leroy é interpretado por Savannah Knoop, a meia-irmã de Geoffrey Knoop, que está na faixa dos 20 anos.

    Uma fotografia de Savannah Knoop na inauguração de uma loja de roupas em San Francisco, em 2003, foi descoberta online. A foto foi mostrada a cinco conhecidos de Leroy, incluindo seu agente literário, seu administrador de negócios e a produtora de um futuro filme baseado em um de seus livros, e eles identificaram Knoop como a pessoa que conheceram como JT Leroy.

    "Este é JT Leroy", disse Ira Silverberg, o agente literário de Leroy, ao ver a foto. Silverberg disse que se encontrou várias vezes com Leroy pessoalmente. Lilly Bright, a produtora de "The Heart Is Deceitful Above All Things", um filme de 2004 baseado na antologia de histórias de 2001 de Leroy, tinha a mesma certeza. "É JT Leroy", disse ela, acrescentando que trabalhou extensamente com Leroy na produção.

    Nyoka Lowery, uma designer de chapéus da Área da Baía que aparece na fotografia ao lado da pessoa em questão, também disse a conhecer bem.

    "Esta é Savannah", disse Lowery. Ela disse conhecer Knoop há anos. Lowery identificou Knoop em outra fotografia online, na página de eventos de um site para uma empresa de moda de San Francisco chamada Nisa (www.nisasf.com). Umay Mohammed, a proprietária da Nisa, disse em uma entrevista por telefone que Savannah Knoop era uma amiga e uma modelo do site de sua empresa.

    Contatada por telefone, Savannah Knoop disse: "Eu não preciso disto em minha vida no momento", antes de desligar. Ela não respondeu a várias mensagens de voz que pediam maiores comentários.

    Mas a descoberta da face pública de JT Leroy é apenas parte do mistério. Ainda não está resolvida a dúvida sobre quem escreve sob tal nome.

    Escritores como Dennis Cooper, Mary Gaitskill e Mary Karr estavam entre aqueles que ofereceram apoio à carreira literária de Leroy, assim como vários proeminentes editores de editoras de Manhattan, e várias celebridades da música e do cinema lhe ofereceram apoio emocional, incluindo Courtney Love, Tatum O'Neal, Billy Corgan, Shirley Manson e Carrie Fisher.

    E, é claro, há os jornalistas (incluindo, em novembro de 2004, este repórter), que escreveu perfis crédulos do jovem escritor de sucesso após entrevistá-lo, freqüentemente em pessoa. The New York Times até publicou um artigo em setembro passado, assinado por JT Leroy, no suplemento dominical "T: Travel". (Um subseqüente artigo de Leroy para o "T: Travel", sobre a série "Deadwood" da HBO, ou FX no Brasil, foi repassado pelos editores quando dúvidas sobre sua identidade começaram a aparecer.)

    O desmascaramento de Knoop se soma ao crescente argumento circunstancial de que Laura Albert é a pessoa que escreve sob o pseudônimo de JT Leroy. A pressão para admitir a farsa tem aumentado sobre Albert desde outubro, quando a revista "New York" publicou um artigo que apresentava a teoria de que ela era a autora dos livros de JT Leroy.

    O artigo da "New York", escrito por Stephen Beachy, retratava Albert, 40 anos, e Geoffrey Knoop, 39 anos, como músicos de rock não realizados que conceberam o personagem de JT Leroy para ganhar acesso primeiro aos círculos literários e, posteriormente, às celebridades. O esquema teve início, escreveu Beachy, com fax, mensagens de e-mail e telefonemas de Albert, falando com sotaque da Virgínia Ocidental, como JT Leroy.

    O artigo também descreveu um conhecido de Albert que disse que ela lhe pediu para datilografar e passar por fax manuscritos que tinham uma forte semelhança temática com o trabalho posteriormente publicado por JT Leroy. Quando o nome se tornou famoso, teorizou Beachy, um ator passou a ser necessário para interpretar JT Leroy em pessoa: ele não sabia, ele escreveu, quem era tal ator.

    Beachy descobriu que o pagamento adiantado pelo primeiro romance de Leroy, "Sarah", publicado em 2000, foi pago para a irmã de Laura Albert, JoAnna Albert, e que os pagamentos posteriores a JT Leroy foram feitos a uma empresa de Nevada, a Underdogs Inc.

    A presidente de tal empresa, segundo registros públicos, é Carolyn F. Albert, a mãe de Laura Albert, que mora em Brooklyn Heights. Contatada por telefone, ela se recusou a comentar. O pagamento pelo artigo de Leroy no NYT também foi feito para a Underdogs.

    Após a publicação do artigo de Beachy, o NYT começou a investigar as circunstâncias do artigo para o "T: Travel" escrito por Leroy, sobre uma viagem para a Disneylândia Paris. Uma análise dos documentos que acompanharam o artigo encomendado revelaram uma discrepância: o artigo descreveu quatro pessoas na viagem. Mas os recibos de despesas apresentados para a "T: Travel" por Leroy incluíam apenas um itinerário da Air France para três pessoas.

    Os funcionários da Disneylândia Paris e de dois hotéis de Paris identificaram Laura Albert por fotografias como a pessoa que se apresentou como JT Leroy. Os funcionários disseram que ninguém que lembrasse as fotografias de JT Leroy estava viajando com Albert, que lhes disse estar acompanhada por seu marido e filho. Albert e Geoffrey Knoop são pais de um menino pequeno.

    Quando funcionários do hotel disseram a Albert que tinham a impressão de que JT Leroy era um homem, eles disseram, ela lhes disse que ela se submeteu a uma operação de mudança de sexo três anos antes e agora era uma mulher.

    Albert não respondeu às várias mensagens de voz pedindo comentários. Contatado por telefone, Geoffrey Knoop se recusou a comentar.

    Peter Cane, um advogado de Manhattan, atendeu o telefone e respondeu às mensagens de e-mail fornecidos por JT Leroy como telefone e endereço de e-mail para seus editores no NYT.

    Quando o NYT pediu a Cane que fornecesse o passaporte de seu cliente para confirmar sua identidade e a viagem dele à Europa, Cane recusou. Posteriormente, ele deu a este repórter uma declaração por e-mail de JT Leroy em resposta às perguntas sobre Savannah Knoop: "Como um humano transexual, sujeito a ataques", dizia a declaração, "eu uso dublês para proteger minha identidade". No passado, JT Leroy invocou a transexualidade para explicar a confusão em torno de sua identidade.

    Não se sabe que efeito a revelação de Savannah Knoop terá sobre os leitores de JT Leroy, que agora estão diante da dúvida sobre se responderam aos livros publicados sob tal nome ou à história por trás deles.

    A identificação de Knoop também poderá ter repercussão no mundo editorial; JT Leroy está sob contrato com a Viking para um novo romance, e Silverberg, seu agente, disse que seus livros estão sendo vendidos em até 20 países diferentes. Carolyn Coleburb, a diretora de publicidade da Viking, disse simplesmente: "Nós apoiamos nossos autores".

    Mas talvez os mais afetados pela revelação de que Knoop estava interpretando JT Leroy em público sejam aqueles que não mediram esforços para ajudar alguém que consideraram um jovem com problemas.

    "Apresentar-se como uma pessoa que está morrendo de Aids em uma cultura que perdeu tantos escritores e vozes de grande importância, tirar proveito de tal compaixão e empatia, é a parte mais infeliz de tudo isto", disse Silverberg. "Muitas pessoas acreditavam estar apoiando não apenas uma voz boa, inovadora e intrépida, mas também apoiando uma pessoa." O jovem de peruca e óculos escuros na verdade não era homem. O papel público de JT Leroy é interpretado por Savannah Knoop George El Khouri Andolfato
  • Siga UOL Notícias

    Tempo

    No Brasil
    No exterior

    Trânsito

    Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    -0,22
    3,175
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    1,12
    65.403,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host