UOL Notícias Internacional
 

23/03/2006

TV aqui, lá, em toda parte

The New York Times
David Pogue
Antigamente os americanos se reuniam na frente de seus aparelhos de televisão, em suas salas de estar, para assistir determinados programas em determinados horários. Você tinha a opção de três canais e se perdesse o programa você se sentia um idiota no escritório no dia seguinte. Antiquado, não é?

Então veio o videocassete, que lhe poupou da exigência de estar lá no horário. Então a TV a cabo, que ampliou as opções de canal. Então o TiVo, que eliminou a necessidade de até mesmo saber quando ou onde um programa será exibido. O que virá a seguir, eliminar a própria TV?

Certamente. No ano passado, um aparelho de aparência estranha chamado Slingbox (US$ 250) começou a oferecer a possibilidade. Ele foi projetado para permitir que você, um viajante na estrada, assista o que está passando em sua TV em casa (ou o que foi gravado por um gravador de vídeo como um TiVo). As exigências: conexão de Internet de banda larga em ambas as pontas, uma rede doméstica e um computador com Windows -geralmente um laptop- para assistir. (Uma versão para Mac será lançada no meio do ano.)

Hoje representa outro marco na grande marcha da sociedade para assistir TV a qualquer hora, em qualquer lugar. A partir de hoje, os proprietários do Slingbox podem instalar um novo player em palmtops e celulares com Windows Mobile, portanto eliminando até mesmo a necessidade de um laptop.

Nos celulares com conexões de Internet de banda larga, a exigência de um hot spot de Internet sem fio também acaba. Agora você pode assistir sua TV de casa em qualquer lugar onde puder dar um telefonema -uma declaração que nunca foi escrita antes (pelo menos não precisamente).

Agora, se você não viaja muito, e mesmo se viajar, sua reação a esta declaração poderá ser: "E daí?"

Certamente o Slingbox sempre visou atender certos nichos. É para pessoas com um caro receptor de satélite na sala de estar, mas que querem assistir no quarto antes de dormir. É para o prisioneiro do quarto de hotel que deseja assistir um filme em um TiVo em casa, após perceber que é mais barato pagar US$ 10 por noite por Internet de banda larga do que US$ 13,95 por um filme no quarto. É para o viajante que deseja se manter atualizado com as notícias de sua cidade enquanto está fora.

E se você tem amigos que não podem assistir ao grande jogo por causa da não transmissão do jogo para a cidade deles -amigos muito amigos- você poderia até mesmo deixá-los fazer o download do programa Slingbox player para assistirem sua transmissão local. (Apesar do pessoal da Slingbox não endossar este último uso.) Agora que tudo isto está disponível para assistir no celular -sem taxa mensal- bem, a mente alucina.

O Slingbox em si é um aparelho de aspecto realmente excêntrico. Pense em três quadrados partidos de uma barra de chocolate Nestlé, prateadas e ampliadas 15 vezes o tamanho original -26,9 X 4 X 10,2 cm. ("Deveria ser um lingote", um porta-voz me corrigiu.)

Para a maioria das pessoas, instalá-lo é um procedimento de 15 minutos, segundo a empresa. Um cabo de Ethernet conecta o Slingbox ao roteador de sua rede doméstica. (Redes sem fio não são rápidas o bastante para lidar de forma confiável com o vídeo do Slingbox. Se não existir uma entrada de Ethernet, a Sling lhe venderá um adaptador Powerline de US$ 100, que você plugará na tomada elétrica; ele transforma a rede elétrica de sua casa em parte de sua rede.)

Outro cabo conecta uma saída disponível de gravador de vídeo ou TV no próprio Slingbox. (Ele tem entradas para cabos RCA e S-video; você pode alternar as fontes na estrada.) Um terceiro cabo visa controlar a mudança de canal e outras funções de seu gravador ou decodificador de cabo; ele termina com dois chamados canhões de infravermelho, que visam ser fixados diante dos "olhos" de infravermelho de seu equipamento de TV.

Mas suponha que você não seja a maioria das pessoas. Suponha que você seja um crítico de jornal com carma ruim e um roteador que o Slingbox não reconheça. Neste caso, instalar o Slingbox pode ser um exercício mais penoso e demorado. Qualquer um que estiver confuso com a frase "o roteador de sua rede doméstica" também poderá estar encrencado.

Mas assim que a instalação está completa e você instalou o programa necessário, as caixas de som do seu PC ganham vida -e lá, na tela de seu computador, estará passando o que estiver passando na TV no momento.
Clicando uma representação fotográfica na tela de seu controle remoto real, você pode mudar canais, ver o que está disponível no seu TiVo, avançar e recuar, e mesmo programar o TiVo a gravar algo. Tudo isto funciona igualmente bem em casa (pela rede) ou na estrada (pela Internet), apesar de seus componentes em casa demorarem alguns segundos para responder.

(A menos que você tenha comprado um splitter de cabo, mudar o que está na tela de TV na estrada também mudará em casa, o que poderá alarmar qualquer um que por acaso estiver assistindo a TV em casa no momento.)

O som é excelente -e em casa (assistindo pela rede doméstica), também o vídeo, de definição padrão. Assistido longe de casa, o vídeo é apenas OK. Há partes emboladas aqui e acolá, sem contar alguns congelamentos temporários periódicos; tudo dependerá da velocidade da conexão de Internet em ambos os lados. O vídeo lembra uma gravação de videocassete, que ainda é perfeitamente aceitável para programas de entrevista, reality shows, game shows e filmes onde o visual e os efeitos especiais não são a atração principal.

Assim que tudo está funcionando, você pode embarcar na próxima aventura:
sintonizar seu Slingbox pelo palmtop ou celular. Esta tarefa envolve o download e outra instalação do site slingmedia.com -gratuito para proprietários do Slingbox até 26 de abril e por um único pagamento de US$ 30 depois.

A esta altura, você pode usar minúsculos controle na tela para sintonizar sua TV em casa e o gravador de vídeo e controlar todas suas funções, como você faria com o laptop. (Mas o Slingbox só pode direcionar seu vídeo para um aparelho de cada vez; você não pode assistir no celular enquanto outra pessoa está assistindo pelo laptop.)

Novamente, tudo o que você precisa é de um acesso de Internet de alta velocidade. Para os palmtops PocketPC (como o HP iPAQ e Dell Axim), isto geralmente significa encontrar um hot spot Wi-Fi no hotel, aeroporto ou café. A vida fica ainda mais fácil se você tiver um celular com um plano de US$ 60 por mês como o da rede EV-DO da Verizon (Palm Treo 700w, Samsung i730 e assim por diante); neste caso, você pode sintonizar em qualquer lugar nas 100 principais cidades com cobertura. É possível assistir o que está passando no táxi, na casa de amigos e na fila do departamento de trânsito.

(O Slingbox player móvel também funciona com conexões Bluetooth ou USB para Internet, o que significa que você pode assistir em seu palmtop por um sinal de Internet fornecido por um laptop próximo. Mas isto é um tanto sem sentido -se você tem um laptop, por que não assistir sua TV nele e desfrutar de uma tela maior?)

Na tela pequena, o vídeo novamente tem uma qualidade de VHS perfeitamente adequada. Se a conexão de Internet for muito lenta -por exemplo, se seu celular estiver fora das 100 cidades com cobertura de EV-DO- você pode optar por "modo show de slide" (um frame de vídeo por segundo, acompanhado de áudio pleno).

No player de bolso, a Sling Media ainda precisa produzir réplicas fotográficas dos controles remotos de todos os 5 mil modelos diferentes de TV oferecidos pela versão laptop. Ainda assim, os botões mais importantes estão todos disponíveis como retângulos genéricos; eles aparecem quando você aperta a tecla da direita de seu palmtop ou celular. Atalhos de teclado também estão disponíveis para a maioria das funções: para controlar um TiVo a partir do teclado de polegar do Treo, por exemplo, você pode pressionar R para record (gravar), P para play, F para fast-forward (avançar).

O Slingbox não é a única opção de vídeo para viagem, é claro. TiVo to Go, a loja de TV iPod e os players de bolso Archos permitem que você assista filmes e programas de televisão em suas viagens -mas apenas se você pré-gravar material e transferi-lo antes da viagem. O Orb (orb.com) é gratuito e também funciona com alguns celulares, mas obtém seu vídeo a partir de um PC ou cartão sintonizador de TV, não da TV de fato ou do gravador de vídeo. E, é claro, sua operadora de celular ficará feliz em vender para você programas de TV curtos -uma seleção da escolha deles, não
sua- se você estiver disposto a pagar uma taxa mensal e assistir exclusivamente em seu telefone (não em seu laptop).

O Slingbox e seu novo player simples, satisfatório para celular/palmtop se junta a estas opções de vídeo pessoal portátil. Parece claro que juntamente com os horários de TV e canais de TV tradicionais, a próxima vítima do progresso tecnológico poderá ser a poltrona de TV tradicional. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,48
    3,144
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,53
    75.604,34
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host