UOL Notícias Internacional
 

07/10/2006

Sonda em Marte tira fotos de jipe-robô na borda de cratera

The New York Times
Warren E. Leary

em Washington
O jipe-robô Opportunity da Nasa em Marte passou 22 meses percorrendo quase 10 quilômetros até uma grande cratera cientificamente promissora. Como um turista que pede a um transeunte que tire uma foto como prova de que esteve em um lugar famoso, o jipe-robô fez outra espaçonave obter uma imagem dele situado na borda.

Jim Wilson/The New York Times 
Foto da NASA que mostra, conforme indicação da seta,o jipe-robô Opportunity em Marte

Os cientistas disseram na sexta-feira que a sonda Mars Reconnaissance Orbiter, uma exploradora poderosa que se posicionou em sua órbita científica ideal, usou sua câmera de alta resolução nesta semana para avistar o jipe-robô, do tamanho de um carro de golfe, ao lado da cratera Vitória.

A imagem notavelmente detalhada, obtida na quarta-feira de 299 quilômetros acima da superfície de Marte, mostra o Opportunity e a haste de sua câmera de 1,5 de altura na beirada da grande cratera de impacto, assim como a trilha deixada pelas seis rodas do jipe-robô para chegar até ela.

"Este é um tremendo exemplo de como nossas missões em Marte em órbita e na superfície foram projetadas para reforçar umas às outras e expandir nossa capacidade de explorar e descobrir", disse Douglas McCuistion, diretor do Programa de Exploração de Marte da Nasa, em uma coletiva de imprensa televisionada.

Alfred S. McEwen, da Universidade do Arizona, principal investigador da câmera de alta resolução da nova sonda orbital, disse que a foto da cratera Vitória e de seu pequeno visitante foi uma das primeiras imagens de teste tiradas pelo instrumento e uma promessa de grandes coisas adiante. McEwen disse que a imagem detalhada da cratera, com suas formações rochosas dentadas, ocorreu na primeira tentativa de tirar uma foto de um ângulo diferente da direção de viagem da espaçonave. "Funcionou fabulosamente bem", disse.

A sonda orbital, a espaçonave mais avançada já enviada a Marte, chegou em março e desde então tem corrigido sua órbita e testado um conjunto de instrumentos. Os seis instrumentos foram projetados para estudar Marte por anos, durante uma missão de US$ 720 milhões que deverá revolucionar o conhecimento sobre o planeta vermelho. Entre eles estão a mais poderosa câmera telescópica já enviada a outro planeta, um mapeador avançado de minerais para identificar áreas relacionadas a água, radar para sondar abaixo da superfície em busca de água ou gelo enterrados e uma câmera meteorológica para monitorar todo o planeta diariamente.

Mesmo após três anos na superfície e enquanto uma nova nave chega para estudar Marte, os jipes-robôs gêmeos duráveis da Nasa, o Opportunity e Spirit, continuam realizando grandes descobertas. Steven Squyres, da Universidade de Cornell, o principal investigador para os jipes-robôs, disse que vistas aéreas detalhadas ampliarão as operações em solo, particularmente a exploração da cratera Vitória.

"Se você fosse um geólogo dirigindo seu jipe até a borda de uma cratera, a primeira coisa que você faria seria pegar a foto aérea que trouxe e usá-la para entender o que está vendo do nível do solo", ele disse. "Isto é exatamente o que estamos fazendo aqui."

Ambos os jipes-robôs duraram mais de 10 vezes seu tempo de vida projetado de 90 dias, disse Squyres, e os cientistas decidiram enviar o Opportunity em uma viagem arriscada até a Vitória após ter passado meses explorando as crateras Eagle e Endurance. A cratera Vitória, com mais de 800 metros de diâmetro e dezenas de metros de profundidade, é cinco vezes maior do que qualquer outra cratera marciana explorada e pode conter evidência de um período mais longo da história do planeta, ele disse.

Os pesquisadores do jipe-robô estão formulando um plano para a forma como a Opportunity abordará a grande cratera. A nave rolará para a borda de diferentes promontórios e realizará imagens em estéreo dos rochedos e matacões que pontuam a depressão, disse Squyres.

Então o robô realizará uma circunavegação parcial da cratera, auxiliado pelas imagens da sonda orbital, para encontrar o melhor caminho para descer até a depressão e retornar sem ficar preso nas dunas de areia ao redor, disse.

"Eu não estou interessado em realizar um mergulho suicida nesta cratera", disse Squyres. "É um terreno perigoso e queremos um caminho de entrada e saída seguro."

Ele disse que ninguém sabe por quanto tempo durarão o Opportunity ou o Spirit, que está localizado na cratera Gusev, no lado oposto do planeta, de forma que os cientistas querem agir com rapidez, mas com cuidado, em suas explorações. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h49

    1,37
    3,195
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h51

    0,03
    65.166,84
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host