UOL Mídia GlobalUOL Mídia Global
UOL BUSCA

RECEBA O BOLETIM
UOL MÍDIA GLOBAL


03/03/2007
Canção de banda israelense contra a guerra pressiona botões de concurso pop

Steven Erlanger
em Jerusalém


O Concurso Musical Eurovision, evento anual que prova que a cultura popular européia pode se levar tão a sério quanto a variedade americana, criou um mini-escândalo próprio. Na quinta-feira (1/3) houve a sugestão que os organizadores talvez proíbam a concorrente israelense deste ano, "Push the Button", pelo que chamaram de mensagem política inadequada.

A mensagem da música tal como é parece ser um apelo banal e perfeitamente compreensível de não ser incinerado por uma bomba nuclear nas mãos de um lunático.

Mas quando grupo israelense punk chamado Teapacks a interpreta, acrescenta um grau de ironia à banalidade, com letra indubitavelmente imortal como:

"Não quero morrer; quero ver as flores desabrocharem
Não quero explodir, e não quero chorar
Quero me divertir muito, sentado ao sol
Mas ainda assim -ele vai apertar o botão."

"Ele" não é especificado, mas alguns dos organizadores do concurso deste ano aparentemente temem que a banda possa estar se referindo ao presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad.

"Está absolutamente claro que esse tipo de mensagem não é apropriado para a competição", disse Kjell Ekholm, organizador do concurso e representante da rede transmissora YLE, da Finlândia. "Teremos todos os líderes de delegações aqui em Helsinque na semana que vem, e tenho certeza que falaremos desse caso". Ekholm disse à Reuters que a rede recebeu "muitas mensagens eletrônicas reclamando" da música.

Os israelenses estão cada vez mais obcecados com os esforços do Irã em enriquecer o urânio, cuja intenção poucos duvidam ser de fabricar uma arma nuclear. E Ahmadinejad deixou claras muitas de suas opiniões sobre Israel.

Ainda assim, a banda nega ter o Irã especificamente em mente, apontando para um verso mais generalizado que poderia ser aplicado para todo o "eixo do mal":

"Há alguns líderes loucos que se escondem e tentam nos enganar
Com um desejo demoníaco, tecnológico de fazer mal
Eles vão pressionar o botão
Pressionar o botão, pressionar o bo, pressionar o botão."

Certamente ninguém jamais acusou Ahmadinejad, famoso por negar o Holocausto e desejar que Israel seja tirado do mapa, de tentar esconder-se ou enganar alguém.

Kobi Oz, vocalista do grupo, disse ao jornal israelense Maariv: "A canção tem uma frase que fala de 'alguns líderes loucos', mas não mencionamos nomes. O Estado de Israel já passou por tanta coisa que pode rir do terrorismo. Os israelenses escolheram a música porque essa é a melhor forma: não ter medo, rir na cara deles."

Oz canta em hebraico, inglês e francês com sotaque israelense. Sob as regras do concurso, "Push the Button" foi escolhida pelos telespectadores israelenses como a concorrente israelense, depois de uma apresentação ao vivo na televisão. Os outros membros do Sindicato Europeu de Transmissoras, que inclui quase todas da Europa, Rússia, Ucrânia, Turquia, Egito, Marrocos, Jordânia e Israel - escolheram igualmente seus representantes por voto nacional, e a final muito anunciada deste ano será em Helsinque, no dia 12 de maio (o site oficial tem uma contagem regressiva do concurso).

O vencedor é determinado por um sistema complicado, sob o qual cada nação participante conduz sua própria votação por telefone, mas os ouvintes não podem votar na música de seu próprio país.

As músicas devem ser originais e seguir certos critérios. Há um Grupo de Referência Eurovision, que inclui o produtor do programa do ano, produtores anteriores e um membro do Sindicato Europeu de Transmissoras, para resolver controvérsias e decidir questões de originalidade.

O concurso foi iniciado em 1956 com a intenção de unir o continente no auge da Guerra Fria e foi a fonte de muitas músicas execráveis, assim como de algumas revelações, como o sueco Abba e Celine Dion, que concorreu pela Suíça. Apesar de o programa ser transmitido em muitas nações e ter servido de modelo para programas como "American Idol", gerou pouco interesse nos EUA.

Ainda assim, é considerado um dos eventos não esportivos mais assistidos do mundo e também é transmitido pela Internet.

Os irlandeses venceram o concurso mais freqüentemente do que qualquer outra nação - sete vezes - e foram seguidos dos franceses, que venceram cinco vezes. Israel venceu três vezes - em 1978, 1979 e 1998 - a última vez com um desempenho de um transexual que se chama Dana International.

O Irã, entretanto, não é membro do Sindicato Europeu de Transmissoras e, portanto, não terá uma chance de cantar ou votar.

Tradução: Deborah Weinberg

ÍNDICE DE NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA





Shopping UOL

Gravadores Externosde DVD a partir
de R$ 255,00
Câmera Sony6MP a partir
de R$ 498,00
TVs 29 polegadas:Encontre modelos
a partir de R$ 699