UOL Notícias Internacional
 

25/04/2007

Toyota passa GM como maior vendedora mundial de automóveis

The New York Times
Micheline Maynard

Em Detroit
Há um quarto de século, as pessoas nesta cidade não apenas atacavam com palavras as fabricantes de automóveis japonesas em ascensão, como também davam vazão à sua frustração dando marretadas em carros japoneses, uma forma de levantar dinheiro para caridades (três marretadas por US$ 1 em um evento).

Mas nesta terça-feira (24/4), quando a Toyota Motor Company do Japão tomou oficialmente da General Motors os direitos de se gabar como sendo a maior fabricante de automóveis do mundo, as marretadas foram substituídas por apontar de dedos -para a própria Detroit assim como ao Japão.

A perspectiva da Toyota poder superar a GM neste ano em vendas globais pairava há algum tempo, apesar de que ainda parecia estar no espelho retrovisor de Detroit.

Afinal, a GM domina a cidade - do seu logo no alto de seus escritórios no imponente Renaissance Center no centro, até as lojas de presentes que vendem camisetas que dizem "Sede Mundial da GM" e cintos feitos do mesmo material dos cintos de segurança com o logo da GM na fivela.

Então os números foram divulgados na terça-feira. No mais recente trimestre, a Toyota vendeu 2,35 milhões de carros e caminhões, cerca de 109 mil a mais que a GM. Exceto em dois períodos em que a produção da GM sofreu problemas devido a greves nos anos 70 e 80, a fabricante se mantinha no topo desde 1931.

À medida que a realidade da mudança histórica se estabeleceu, um senso de resignação foi misturado com retórica sobre as políticas comerciais do Japão em jornais e murais de Internet, nas fábricas e nas rádios locais. O efeito foi uma prolongada reunião na prefeitura sobre o que saiu errado e o que a GM deve fazer para reconquistar a liderança global (apesar de continuar sendo a maior vendedora no mercado americano).

"Eu acho que ninguém pode permanecer no topo para sempre", disse Walt Novak, 52 anos, que trabalha para a GM há 31 anos. "Eu me sinto afortunado por fazer parte dela há algum tempo", ele acrescentou, enquanto permanecia do lado de fora da fábrica de motores da GM em Romulus, Michigan.

Mas isto não alivia a dor. "Há algo errado neste país", ele disse. "Isto é um bocado desmoralizante, porque a gente vem todo dia e trabalha arduamente."

Tal tipo de reação "diz o quanto as coisas mudaram", disse Kevin Boyle, natural de Detroit e professor de história na Universidade Estadual de Ohio, que escreveu sobre a indústria. "Mesmo os mais fanáticos em Detroit não podem mais se agarrar à idéia" de que suas companhias reinam supremas.

Cortes profundos pela GM, Ford Motor Company e pelo Chrysler Group significam que os moradores de Detroit "literalmente não estão mais revestidos na indústria como no passado", acrescentou Boyle.

Representantes da GM pareciam ter posições ambíguas sobre a importância de perder o título de "maior do mundo".

"Nós estamos concentrados em fornecer os melhores carros e caminhões para nossos clientes em todo o mundo", disse John M. McDonald, um porta-voz da GM em Detroit, na terça-feira. "Nós não estamos concentrados em uma corrida."

Mas em janeiro, o executivo-chefe da companhia, Rick Wagoner, disse que ficaria desapontado caso a GM perdesse sua posição de liderança. "Eu gosto de ser o Nº 1", disse Wagoner. "E acho que nosso pessoal se orgulha disso, de forma que não é algo diante do qual ficaremos sentados vendo outra pessoa nos ultrapassar."

De certa forma, foi o que a GM fez. Um motivo para a Toyota ter conseguido superar a GM é que a companhia de Detroit, assim como a Ford, está deliberadamente cortando suas grandes vendas sem lucro para as empresas de aluguel de carros, que ajudaram a derrubar os preços de seus veículos e prejudicaram seu valor de revenda.

Assim que a GM deixou claro que tomaria tal medida, "nós sabíamos que aconteceria", disse Paul W. Smith, apresentador de um programa popular na rádio "WJR-AM" em Detroit, sobre a ascensão da Toyota.

*Nick Bunkley, em Romulus, Michigan, e Keith Bradsher, em Hong Kong, contribuíram com reportagem para este artigo George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h30

    0,09
    3,268
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h38

    -0,62
    63.687,24
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host