UOL Notícias Internacional
 

04/05/2007

Painel de mudança climática chega a consenso sobre necessidade de reduzir emissões

The New York Times
Andrew C. Revkin
O mundo precisa se desviar substancialmente das principais fontes de energia atuais em poucas décadas para limitar séculos de aumento das temperaturas e elevação dos mares, provocados pelo acúmulo no ar de gases responsáveis pelo efeito estufa, concluiu a principal entidade que estuda a mudança climática.

Em uma sessão que durou toda a noite, concluindo quatro dias de conversações em Bancoc, Tailândia, economistas, cientistas e representantes de governos de mais de 100 países concordaram na madrugada desta sexta-feira nas últimas seções de um relatório que expõe formas de limitar tais emissões, lideradas pelo dióxido de carbono, um subproduto inevitável da queima de carvão e petróleo.

O relatório final, do Painel Intergovernamental de Mudança Climática, disse que a pronta redução das emissões poderia preparar um cenário mais adiante no século para a estabilização da concentração de dióxido de carbono, que, atualmente em 380 partes por milhão, aumentou mais de um terço desde o início da revolução industrial e poderá facilmente obrar em comparação ao nível pré-industrial em décadas.

O relatório, que aguarda apenas a adoção formal na tarde de sexta-feira, concluiu que um progresso significativo em relação a tal meta poderia ser obtido nos próximos 25 anos com as tecnologias conhecidas e mudanças nas políticas, mas ainda assim necessitaria ser seguido por uma transição de um século para novas fontes de energia que não causem impacto ao clima.

Vários autores, apesar de se recusarem a discutir os resultados específicos antes de o relatório ser formalmente adotado, disseram que sua mensagem é clara. "Nós não podemos mais apresentar a desculpa de que precisamos esperar por mais ciência, ou a desculpa de que precisamos esperar por mais tecnologias e conhecimento de políticas", disse Adil Najam, autor de um capítulo e um professor associado de negociação internacional da Escola Fletcher da Universidade Tufts. "Para mim, a grande mensagem é que dispomos de ambos e não precisamos esperar mais."

O relatório também deixou claro os riscos do adiamento, notando que as emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa aumentaram 70% desde 1970 e poderão aumentar mais 90% até 2030 caso nada seja feito.

O dióxido de carbono é particularmente importante não apenas porque muito é produzido a cada ano - cerca de 25 bilhões de toneladas - mas porque grande parte dele persiste na atmosfera, acumulando como uma dívida de cartão de crédito não paga.

Para impedir o aumento, disseram os autores do relatório, os países precisam expandir a adoção das políticas existentes que podem reduzir as emissões - como um imposto sobre combustíveis ou as limitações estabelecidas pelo Protocolo de Kyoto - e ao mesmo tempo aumentar as pesquisas em busca de novas opções de energia. Este trabalho incluirá um pedido por avanços na energia solar e nuclear. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host