UOL Notícias Internacional
 

04/07/2007

Com o marido ao seu lado, Hillary Clinton busca ressuscitar a candidatura em Iowa

The New York Times
Patrick Healy e Adam Nagourney

Em Des Moines, Iowa
Na segunda-feira, 2 de julho, o ex-presidente Bill Clinton esteve pela primeira vez ao lado de sua esposa em sua campanha em Iowa, assumindo um novo papel político: o de companheiro buscando melhorar a posição da senadora Hillary Rodham Clinton em um Estado politicamente importante, onde sua candidatura presidencial parece estar em dificuldades.

Ruth Fremson/The New York Times 

Em uma nova e delicada estratégia para a pré-candidatura de Hillary, o ex-presidente, talvez o líder mais popular no Partido Democrata, foi enviado para ajudá-la nas votações em Iowa de janeiro sem ofuscá-la, enquanto ela busca estabelecer seu próprio espaço de liderança.

Nas pesquisas em Iowa, Hillary está atrás do ex-senador John Edwards, e às vezes aparece em terceiro lugar, também atrás do senador Barack Obama. O esforço para superar o começo vagaroso ganhou impulso na noite de segunda-feira quando, em pé sobre fardos de feno e cercados por milhares de pessoas na Feira Estadual de Iowa, ela e seu marido deram as mãos enquanto acenavam sorridentes.

"Hillary e Bill Clinton", como foram anunciados para o público, estavam uma hora atrasados mas obtiveram uma acolhida calorosa. Bill Clinton então apresentou sua esposa, como deverá fazer em outros cinco eventos pelo Estado de Iowa até a noite de quarta-feira, e disse estar orgulhoso por ser membro dos "Maridos por Hillary". Às vezes ele colocava suas mãos sobre os ombros dela e em suas costas enquanto escutavam Ruth Harkin, esposa do senador Tom Harkin de Iowa, endossar a candidatura dela.

Obama e vários outros candidatos democratas e republicanos também estão percorrendo Iowa nesta semana, mas analistas políticos observarão o casal Clinton mais atentamente para avaliar os efeitos de sua atuação recíproca.

Em seis minutos de comentários na noite de segunda-feira, Bill Clinton elogiou calorosamente não apenas sua esposa, mas também vários adversários dela pela indicação democrata, dizendo que ele gosta de ouvir Edwards e Obama e que admira os serviços públicos de vários outros pré-candidatos. "Se vocês quiserem ouvir algo ruim", ele acrescentou, "procurem outro lugar. Eu gosto deles".

Dito isto, ele deixou sua preferência clara. "Quem vocês acham que será o melhor presidente?", ele disse, respondendo sua própria pergunta declarando que mesmo se ele e Hillary não fossem casados, "eu estaria aqui nesta noite".

Hillary lhe deu um grande abraço e então disse para o público: "Sabem de uma coisa, se eu fosse tão inteligente quanto Bill parece sugerir que sou, eu não diria nada".

Bill Clinton então se sentou em um banco, olhando para ela e ocasionalmente apertando o queixo com sua mão esquerda enquanto ela fazia seu discurso de campanha de 26 minutos, que ela revigorou com alguns novos comentários. Ela criticou fortemente o presidente Bush, por exemplo, por ter comutado a pena de prisão de I. Lewis Libby Jr., dizendo que Bush estava "colocando o coleguismo acima da regra da lei".

A campanha de Hillary, uma operação que até o momento não tem pisado em falso, parecia menos segura de sua estratégia em Iowa: em um memorando interno que vazou para a imprensa em maio, o vice-gerente de campanha, Mike Henry, propôs abandonar totalmente a eleição no Estado, devido ao alto custo e desafios organizacionais. Tal conselho foi rejeitado.

Logo após tal memorando ter vindo à tona, a operação em Iowa foi reformada e entregue a uma das agentes políticas mais respeitadas do Estado, Teresa Vilmain, uma assessora do ex-governador Tom Vilsack. A campanha também dedicou recursos para a contratação de mais organizadores de campo e pessoal, segundo os assessores de Hillary Clinton.

Vilsack, que apóia Hillary, disse que apesar da sagacidade política dos Clintons tê-los ajudado a vencer duas eleições presidenciais antes, eles tinha pouca experiência real com a política de Iowa e estavam um pouco atrasados em uma curva de aprendizado que Edwards dominou em 2003 e 2004.

"Não se esqueça", disse Vilsack, "que Bill Clinton praticamente desistiu da disputa em Iowa em 1992, quando o senador Harkin concorreu à presidência, de forma que este é um território novo para eles. Edwards já concorreu e Barack Obama é um ex-organizador comunitário. Os Clintons simplesmente não estavam cientes do que era necessário na disputa - os relacionamentos pessoais, as redes de condado-a-condado".

Os conselheiros de Hillary Clinton disseram que o papel do ex-presidente ao longo dos próximos três dias será apresentar sua esposa à população de Iowa em comentários de aquecimento, antes dela fazer seu discurso de campanha, e falar sobre ela em eventos privados como um churrasco do qual participaram em Des Moines, no fim da tarde de segunda-feira. Os conselheiros disseram que não esperam que os dois realizem juntos encontros em prefeituras ou outras sessões de perguntas e respostas, tanto com eleitores ou com a imprensa, preferindo o esquema controlado da apresentação dele e o discurso dela. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host