UOL Mídia GlobalUOL Mídia Global
UOL BUSCA

RECEBA O BOLETIM
UOL MÍDIA GLOBAL


29/07/2007
Como deixar Jane Austen sexy

De Caryn James

Pobre sr. Knightley, considerado ruim de cama -apesar da escassez de evidência. "Onde está a paixão entre Emma e o sr. Knightley?", pergunta a jovem mulher no novo filme 'The Jane Austen Book Club' e ela não é a primeira a imaginar o que a heroína de 'Emma' poderia esperar de um casamento com um homem mais velho, apesar de digno. A narradora do romance 'The Waterfall' (1969), de Margaret Drabble, foi mais eloqüente e incisiva: 'Como seria na cama com o sr. Knightley? O pesar aguardava aquela mulher".

Tal narradora também estava à frente de seu tempo. Devolver a paixão, se não sexo de fato, a Jane Austen e suas heroínas define a atual onda na crescente 'indústria de Austen'.

Divulgação
A versão de 2005 de 'Orgulho e Preconceito", com Keira Knightley (à frente), enfatizou a atração física
Divulgação
'O Diário de Bridget Jones', de Helen Fielding, atualizou 'Orgulho e Preconceito' e acentuando o quanto a popularidade de Jane Austen estava ligada aos filmes
Divulgação
Vários colocam palavras de Jane Austen nas bocas de outros personagens -seja nos filmes de 'Harry Potter' ou na série de televisão 'The Gilmore Girls' (acima)
'The Jane Austen Book Club', sobre seis pessoas que se reúnem para discutir a vida e sua autora favorita, estreará nos cinemas americanos em 21 de setembro, logo depois de 'Becoming Jane' (3 de agosto), que dá à própria Austen (Anne Hathaway) um grande romance altamente fictício. Austen tem inspirado novos livros, blogs e -definindo sua imagem como escritora para solteironas empertigadas- dezenas de 'mash-ups' engraçados no YouTube. E, em janeiro, o programa 'Masterpiece Theater' do canal PBS iniciará uma temporada extravagante chamada 'The Complete Jane Austen', com adaptações de seus seis romances (quatro dos filmes serão novos) assim como 'Miss Austen Regrets', um drama biográfico sobre seus amores perdidos.

Uma rainha dos nossos dias vinda do século retrasado
Como esta romancista do início do século 19 se tornou a atual rainha do filme light para mulheres? Não é apenas por ser uma escritora duradoura. Herman Melville também é, mas adesivos de pára-choque e camisetas dizem 'O que Jane faria?' e não 'O que Herman faria?'.

Poucas outras escritoras atingiram tal grau de celebridade pop: Virginia Woolf e Sylvia Plath pelo drama de seus suicídios, as Brontes pelo romance gótico de suas novelas e o contraste com suas vidas tranqüilas. Mas nenhuma inspirou tanto fanatismo e ardor -ou mercantilismo- quanto Austen.

Ela entrou na cultura popular mais amplamente que outros escritores por ser assustadoramente contemporânea. Seu retrato irônico da sociedade é apresentado por uma voz confortadora, de irmã, como se fosse parte Jon Stewart, parte Oprah Winfrey. Sob os detalhes de época, a heroína típica de Austen oferece algo para que quase toda mulher se identifique: ela não tem medo de ser a pessoa mais inteligente na sala, mas após uma série de mal-entendidos fica com o homem de seus sonhos. Não é preciso ser um gênio de marketing para avistar um público potencial de cinema para a fantasia do conseguir tudo.

E apesar da era de Austen -com seu código rígido de regras sociais- poder ser repressiva para quem vivesse nela, parece positivamente pacífica e estável, quando belamente retratada na tela. Um descanso do atual mundo frágil e não confiável de relações breves, divórcio e terapia familiar.

Tudo o que falta a Austen é o sexo, e muitas novas adaptações estão acrescentando o que ela era elegante demais para mencionar.

Preenchendo a 'lacuna'
A ênfase na atração física começou com a minissérie 'Orgulho e Preconceito' da BBC, de 1995, que transformou Colin Firth em ídolo romântico como um Darcy cheio de sex appeal. No ano seguinte Helen Fielding atualizou 'Orgulho e Preconceito' em 'O Diário de Bridget Jones', batizando seu herói de Mark Darcy e acentuando o quanto a popularidade de Austen estava intricadamente ligada aos filmes.

Bridget, na verdade, não é louca pelo Darcy de Austen, mas em Colin Firth como Darcy nas telas; na seqüência do romance, 'Bridget Jones -No Limite da Razão', ela fica obcecada pela cena dele emergindo de um mergulho em um lago com a camisa molhada. (Firth até mesmo foi astuto em interpretar Mark Darcy nos filmes 'Bridget Jones'.)

Tal onda de Austen nos anos 90 incluiu pelo menos seis adaptações para as telas, com três versões de 'Emma': a de Gwyneth Paltrow, a de Kate Beckinsale e 'As Patricinhas de Beverly Hills', que atualizou sagazmente a personagem em uma estudante colegial mimada de Beverly Hills.

Trazer à tona a paixão em 'Orgulho e Preconceito" foi deliberado, disse Andrew Davies, que escreveu a minissérie (parte da temporada do 'Masterpiece Theater'). Um roteirista proeminente de adaptações literárias, ele foi responsável por quatro dos Austens de 'Masterpiece Theater', incluindo a nova minissérie de quatro horas de 'Razão e Sensibilidade'.

"Sexo é o motor da trama em 'Orgulho e Preconceito'", disse Davies em uma entrevista. "Darcy se vê sexualmente atraído por Elizabeth antes mesmo de conhecê-la. Quando finalmente a conhece, ele não gosta dela, mas ainda assim não consegue se afastar dela."

Para o novo 'Razão e Sensibilidade', a história da sensata Elinor e sua irmã mais jovem impulsiva Marianne (Emma Thompson e Kate Winslet no glorioso filme de 1995), Davies levou ainda mais longe a alusão de Austen ao sexo. No romance nós apenas ouvimos que o homem que Marianne ama, Willoughby, teve um filho com uma mulher jovem. Como Davies a descreve, Willoughby seduz "esta menina de 15 anos, então parte, a deixando grávida e a esquecendo completamente". Tal sedução agora é mostrada na cena inicial da minissérie.

A versão cinematográfica de 2005 de 'Orgulho e Preconceito", com Keira Knightley e Matthew Macfadyen, enfatizou tanto a atração física entre eles que Darcy quase se tornou Heathcliff, um herói bronteano taciturno que declara ferozmente seu amor parado em meio uma tempestade de chuva e vento. Isto muda radicalmente Austen. Se Darcy não é uma pessoa antiquada, quem ele é? Mas isto ajuda a tornar o romance mais atraente para um público contemporâneo;

Atração sexual é o mínimo que as pessoas esperam em um casamento hoje em dia. Na época de Austen, quando casamentos arranjados e casamentos de conveniência eram comuns, suas heroínas extraordinárias insistiam no amor, outro motivo para falarem tão diretamente aos leitores modernos.

Marsha Huff, a presidente da Sociedade Jane Austen da América do Norte (como muitas fãs de Jane, ela não é uma acadêmica; é uma advogada tributária) aponta para a cena em 'Orgulho e Preconceito' na qual lady Catherine (Judi Dench no filme de 2005) tenta pressionar Elizabeth a desistir de Darcy por ser socialmente inferior a ele. "Elizabeth reage exatamente como reagiríamos: ela se sente insultada, fica indignada pela forma como este dinossauro de outra era tenta dizer a esta mulher jovem, bela e inteligente o que fazer", disse Huff em uma entrevista.

E por mais que a sociedade tenha mudado, as heroínas de Austen -diferente das heroínas das Brontes- lidam com obstáculos críveis e atemporais de classe, dinheiro e mal-entendidos, que tornam suas obras adaptáveis a qualquer era. Como disse Huff: "Todas acham que são Elizabeth Bennet; nem todas acham que são Jane Eyre. Todo mundo conhece uma mulher jovem tentando decidir se o sujeito pelo qual está atraída é a pessoa certa. Nem todas conhecem o homem certa que tem uma esposa louca no sótão".

Vida de Jane Austen foi tranqüila; ela nunca se casou
A própria Austen viveu uma vida tranqüila como filha de ministro religioso e nunca se casou. Mas em uma era de celebridades, é surpreendente que filmes sobre ela, como 'Becoming Jane"', tenham demorado tanto para serem feitos. E quem não gostaria que ela tivesse tido um romance ardoroso como o que deu às suas heroínas? O filme atende tal desejo nas telas, adotando uma abordagem histórica, convencional, ao período, ao mesmo tempo em que dá a Austen uma aventura que -como reconhecem os cineastas- ela provavelmente nunca teve.

A escassez de fatos. As cartas de Austen revelam que quando tinha 20 anos ela se apaixonou por um jovem irlandês chamado Tom Lefroy, que estava visitando seu tio e tia, vizinhos dos Austens, no Natal de 1795. Nem Jane e nem Tom tinham dinheiro, um obstáculo intransponível para o casamento. Tom partiu após esta visita para as Festas e provavelmente ela nunca mais o viu. (Alguns argumentam que eles se encontraram mais uma vez em um período posterior.) Suas cartas deixam claro que ela ficou dolorosamente decepcionada, mas não há evidência de que o flerte tenha ido além disto.

"Imagine para si tudo de mais devasso e chocante na forma de dançar e sentar juntos", escreveu Austen para sua irmã, Cassandra, sobre seu encontro com Lefroy em um baile. (Tradução: eles dançaram juntos o suficiente para provocar comentários das pessoas.) É seguro presumir que a verdadeira Austen nunca disse, como a Jane das telas faz após dar um beijo passional em Tom (James McAvoy) sob o luar após um baile: "Eu fiz isto bem? Eu queria pela menos uma vez ter feito isto bem? Apesar de tais exageros, o filme não transforma Jane em uma meretriz.

Homenagens contemporâneas como 'The Jane Austen Book Club' não precisam ser tímidas sobre a heroína saltar para a cama com um Príncipe Encantado potencial. Mas enquanto o romance de Karen Joy Fowler parece contido -cinco mulheres e um homem possuem problemas românticos que a leitura de Austen convenientemente os ajuda a resolver- o filme de Robin Swicord vai mais diretamente à essência do atual apelo de Austen. Ele começa com uma barulhada de celulares e trânsito da hora do rush, o barulho e confusão mental da vida cotidiana dos quais Austen ajuda a escapar.

E se apóia na voz otimista, de irmã, que torna Austen tão confortadora. Bernadette (Kathy Baker), uma mulher mais velha e sábia que já se casou várias vezes, conhece Prudie (Emily Blunt), uma mulher jovem perturbada em um casamento problemático, em um festival de filmes de Jane Austen. Quando Bernadette sugere o grupo de leitura, ela assegura a Prudie: "É o antídoto perfeito".

Prudie pergunta: "Para o quê?"
"Para a vida", responde Bernadette.

Estas personagens não anseiam viver no século 19, mas estão tão ávidas em canalizar o bom senso de Austen que quando Prudie considera ter um caso, ela imagina um sinal de trânsito exibindo as palavras "O Que Jane Faria?"

Trocando livros 'datados' por vídeos na Web
Uma maior franqueza sobre o sexo poderia ajudar Austen a ter maior apelo junto a um público mais jovem. E como esta mais recente onda de Austen provavelmente será alimentada mais pela Internet do que a última, os filmes estão bem posicionados para atingir tal público. A Sociedade Jane Austen (jasna.org) acabou de acrescentar uma seção 'Austen em Filme' ao seu site. Entre outros sites, AustenBlog.com é uma fonte espirituosa de notícias e comentários, iniciada há poucos anos por Margaret Sullivan, que o baseou no popular site de Harry Potter Leaky Cauldron (the-leaky-cauldron.org). Sullivan (uma coordenadora de Internet para uma firma de advocacia da Filadélfia) também é autora do divertido e útil 'Jane Austen Handbook: A Sensible Yet Elegant Guide to Her World' (o manual de Jane Austen: um guia sensível mas elegante para o mundo dela, Quirk Books), que explica a diferença entre viajar de caleche e de cabriolé, assim como oferece dicas que as irmãs Bennet poderiam ter usado, como 'Como Fugir para Casar na Escócia'.

Mas os livros quase parecem datados diante dos vídeos no YouTube, muitos feitos por estudantes. Como os filmes de Austen, alguns se deleitam em escapar para um passado mais bonito, enquanto outros são hilariantemente irreverentes ao lançarem Austen no século 21. Vários colocam palavras do trailer de 'Orgulho e Preconceito' de 2005 nas bocas de outros personagens: dos filmes de 'Harry Potter', da série de televisão 'The Gilmore Girls' ou, em um vídeo chamado 'Lion Pride and Prejudice', em leões de fato.

Mas os melhores e mais oportunos são os vídeos musicais que refletem a atração primária, Adão e Eva, que Austen tão discretamente mascarava. Uma montagem esperta das heroínas dos filmes de Austen acompanha 'Maneater' de Nelly Furtado, e clipes de homens da era da Regência acompanham 'SexyBack' de Justin Timberlake.

Quando Davies escreveu a cena da minissérie na qual Darcy sai pingando do lago e encontra Elizabeth, a conexão sexual entre eles não era o ponto, ele disse. Visava simplesmente ser um momento engraçado no qual Darcy tenta manter a dignidade enquanto está inadequadamente vestido e encharcado. Ele mal podia imaginar que algum dia Colin Firth como Darcy estaria no YouTube, a personificação de promover o 'SexyBack' (devolver o sensual) a Austen.

Tradução: George El Khouri Andolfato

ÍNDICE DE NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA





Shopping UOL

Gravadores Externosde DVD a partir
de R$ 255,00
Câmera Sony6MP a partir
de R$ 498,00
TVs 29 polegadas:Encontre modelos
a partir de R$ 699