UOL Notícias Internacional
 

19/08/2007

Motivos pelos quais este não será um século chinês

The New York Times

De Lester Thurow*
A China alega que sua economia está crescendo de 10% a 11% ao ano, e analistas oficiais chineses dizem que seu país alcançará os Estados Unidos antes da chegada do século 22. Não acredite.

Primeiro, vamos lidar com a implausibilidade das estatísticas oficiais chinesas. Matematicamente, se a economia geral estiver crescendo 10% ao ano, e 70% da economia baseada nas áreas rurais não estiver crescendo (como declarado pelo governo chinês), o crescimento da economia nas cidades chinesas teria que ser de 33% ao ano. A economia urbana está crescendo rapidamente, mas não em um ritmo de 33%.

Além disso, as estatísticas chinesas entram em conflito com as de Hong Kong, o território semi-autônomo que serve como capital financeira de grande parte do sul da China. Em 2001, Hong Kong passou por uma recessão, o que significa que informou uma queda de seu PIB (produto interno bruto). Guangdong, a província chinesa adjacente, tem uma população de cerca de 200 milhões. Em 2001, ela informou que seu PIB cresceu 10%. Quais são as chances de ambos os números estarem corretos? Muito poucas.

O indicador 'eletricidade'
As taxas de crescimento econômico podem ser deduzidas a partir do consumo de eletricidade. Em todo país do mundo, o uso da eletricidade geralmente cresce mais rápido que o PIB. A eletricidade é necessária para quase todas as atividades produtivas e, devido a ineficiências, o consumo de eletricidade geralmente ultrapassa o crescimento econômico. Os crescentes custos de energia resultaram em um uso mais eficiente da eletricidade, mas especialmente nos países em desenvolvimento, o crescimento econômico ainda costuma ficar atrás do crescimento do consumo de eletricidade.

Mas se acreditarmos nos números oficiais da China, há províncias onde o PIB cresceu mais rapidamente que o uso de energia. Isto é improvável, dado que as estatísticas do governo central também dizem que o uso de energia por unidade do PIB está crescendo - não caindo, como alegam as estatísticas provinciais do PIB.

Entre as 12 economias que cresceram mais rapidamente no mundo nos últimos 10 anos, o PIB cresceu apenas 45% do crescimento do consumo de eletricidade. No início dos anos 70, o Japão fechou sua indústria de alumínio de alto consumo de eletricidade. Durante este período, o PIB cresceu o equivalente a 60% do crescimento do consumo da eletricidade, o nível mais alto registrado entre os países industrializados.

Usando tais números como guia, considerando o atual uso de eletricidade pela China, que é relativamente fácil de medir, e um pouco de matemática, nós chegamos a esta estimativa: o PIB na China está crescendo entre 4,5% (usando a média para um país que está crescendo rapidamente) a 6% ao ano (usando a taxa mais alta do Japão), não os 10% alegados pelas estatísticas oficiais.

A estatística oficial da taxa de crescimento geral da China é considerada como uma taxa de crescimento aproximada da economia em suas cidades.

Uma questão histórica... e econômica
A China também alega oficialmente que alcançará os Estados Unidos e se tornará a maior economia do mundo bem antes da chegada do século 22.

Há um motivo igualmente simples para a improbabilidade destas previsões se concretizarem. Simplesmente leva mais de 100 anos para um país grande, menos economicamente desenvolvido, alcançar o líder mundial em renda per capita.

Basta apenas olhar para a história dos Estados Unidos, que tinha uma taxa de crescimento muito maior que a do Reino Unido no século 19, mas só o alcançou na Primeira Guerra Mundial. Ou considere o Japão e os Estados Unidos. Cerca de 150 anos depois que o Japão começou a se modernizar durante a reforma Meiji, o PIB per capita do país ainda equivale a apenas 80% do PIB americano em termos de paridade de poder de compra - apesar de, em termos nominais, ter alcançado.

Os Estados Unidos não está estagnados. Na verdade, sua renda per capita cresceu mais rapidamente que a de quase todos os outros grandes países de 1990 a 2007. A renda per capita da Europa caiu de 88% da renda americana em 1990 para 66% em 2007, segundo estatísticas do Fundo Monetário Internacional.

Então vamos dizer que a taxa de crescimento corrigida pela inflação da China seja de 4% ao ano. Isto é uma previsão otimista, porque a China certamente terá alguns anos ruins no próximo século. Todo país tem - lembre da Grande Depressão nos Estados Unidos. Uma taxa de 4% é maior do que qualquer grande país cresceu por 100 anos. Mas vamos presumir que a China consiga. Também vamos presumir que os Estados Unidos cresçam a uma taxa de 3% ao ano, que foi sua média nos últimos 15 anos.

Agora vamos projetar as duas taxas de crescimento à frente: o PIB per capita corrigido pela inflação da China seria de menos de US$ 40 mil em 2100, contra quase US$ 650 mil nos Estados Unidos. Isto porque a China começa com US$ 1.000 per capita e os Estados Unidos em US$ 43 mil. Se, em 2100, a China tiver quatro vezes mais pessoas que os Estados Unidos, como tem agora, a China ainda assim não teria um PIB igual ao dos Estados Unidos.

Mas é improvável que tenha quatro vezes mais habitantes. É sempre um erro projetar taxas de crescimento populacional por um século, mas vamos fazê-lo assim mesmo - com a política de um só filho e uma relação entre gêneros que favorece os meninos (muitos homens não encontram esposas) - a China deve experimentar um declínio da população no século 21. Mas vamos presumir por um momento que a população da China permaneça constante, em 1,3 bilhão. Se a imigração para os Estados Unidos continuar na taxa atual, a população dos Estados Unidos aumentará. Se a população crescer 1% ao ano, como vem ocorrendo recentemente, ela terá mais que dobrado em 2100, reduzindo a enorme diferença populacional entre os dois países. Estas projeções provavelmente se realizarão? Quem é que sabe? O que está claro é que a China dificilmente superará os Estados Unidos em PIB seja em termos absolutos ou relativos tão cedo.

Poderá haver um século chinês, mas será o século 22 - não o 21.

*Lester Thurow é professor de administração e economia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Ele também faz parte do conselho diretor da Taiwan Semiconductor, que realiza negócios na China. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host