UOL Notícias Internacional
 

19/09/2007

À sombra do horror, guardas da SS relaxam e brincam

The New York Times
Neil A. Lewis
Em Washington
Em dezembro do ano passado, Rebecca Erbelding, jovem arquivista do Museu Memorial do Holocausto dos EUA, recebeu uma carta de um ex-agente de inteligência do Exército americano, na qual dizia que queria doar fotografias de Auschwitz, encontradas por ele há mais de 60 anos na Alemanha.

Erbelding ficou intrigada: apesar de Auschwitz ser o mais famoso dos campos de morte nazistas, há apenas um pequeno número de fotos conhecidas do lugar antes de sua liberação, em 1945. No mês seguinte, o museu recebeu um pacote contendo 16 folhas de papelão com fotos coladas dos dois lados; seu significado rapidamente tornou-se aparente.

Holocaust Memorial Museum/The New York Times 
Oficial Karl Hoecker e funcionárias nazistas descansam em região próxima a Auschwitz

Enquanto Erbelding e outros arquivistas revisavam o material, entenderam que era uma espécie de álbum do dia-a-dia dos altos oficiais da SS em Auschwitz, que foi mantido por Karl Hocker, ajudante do comandante do campo. Em vez de mostrar os homens desempenhando suas tarefas no campo de concentração, as fotos retratavam, entre outras coisas, um grupo de homens da SS cantando alegremente, acompanhado de um acordeão; Hocker acendendo a árvore de Natal do campo, jovens mulheres da SS brincando alegremente e oficiais relaxando, alguns sem suas vestes, fumando um cigarro.

Ao todo, são 116 fotografias, a começar com uma foto de 21 junho de 1944, de Hocker e o comandante do campo, Richard Baer, ambos com o traje completo da SS. O álbum também contém oito fotos de Josef Mengele, médico do campo famoso por participar nas seleções de prisioneiros e por seus experimentos médicos bizarros e cruéis. Essas são as primeiras fotos autenticadas de Mengele em Auschwitz, disseram os membros do museu do Holocausto.

As fotos fornecem um contraponto impressionante do que até agora era a única grande fonte de fotos anteriores à liberação de Auschwitz, o chamado Álbum Auschwitz, uma compilação de fotografias tiradas por fotógrafos da SS na primavera de 1944 e descoberta por uma sobrevivente em outro campo. Essas fotos mostram a chegada ao campo de um transporte de judeus húngaros, que na época eram a última comunidade judia de tamanho razoável que restava na Europa. O Álbum Auschwitz, propriedade do museu do Holocausto de Israel, Yad Vashem, retrata o processo de seleção ao lado da linha de trem em Birkenau, onde os trens chegavam para o campo e os agentes da SS forçavam os novos prisioneiros a entrarem nas filas.

As comparações entre os álbuns são ao mesmo tempo tocantes e óbvias, pois justapõem a vida diária confortável dos guardas com a realidade tenebrosa dentro do campo, onde milhares estavam morrendo de fome e 1,1 milhão de pessoas morreram.

Por exemplo, uma das fotografias de Hocker, tirada no dia 22 de julho de 1944, mostra um grupo de jovens mulheres alegres, que trabalhavam como especialistas de comunicações da SS, comendo pratos de mirtilos frescos. Uma delas vira o prato e faz uma careta brincalhona, porque tinha terminado sua porção.

Naquele dia, 150 novos prisioneiros chegaram a Birkenau, disse Judith Cohen, historiadora do museu do Holocausto em Washington. Do grupo, 21 homens e 12 mulheres foram selecionados para o trabalho, o resto foi imediatamente enviado para as câmaras de gás.
IMAGENS DE NAZISTAS
Holocaust Memorial Museum/The New York Times
Nazistas em Auschwitz: a partir da dir., Josef Kramer, Josef Mengele (de braços cruzados), Richard Baer, Karl Hoecker e um oficial não identificado
Holocaust Memorial Museum/The New York Times
Oficiais nazistas e ajudantes femininas correm em ponte de madeira em Solahutte
Holocaust Memorial Museum/The New York Times
Um oficial da SS segura a pata de seu cão, Favorit, próximo ao campo de concentração de Aushwitz
Holocaust Memorial Museum/The New York Times
Oficiais nazistas reunidos em mesa proximo a Aushwitz
Holocaust Memorial Museum/The New York Times
Mulheres que trabalhavam para a SS chegam de ônibus em Solahutte
Holocaust Memorial Museum/The New York Times
Trabalhadoras da SS viram seus pratos vazios após comerem blueberries
Holocaust Memorial Museum/The New York Times
Grupo de oficiais alemães cantam em Solahutte


Essas matanças faziam parte dos esforços frenéticos finais dos nazistas para eliminar os judeus da Europa e outros considerados indesejáveis na medida em que a guerra se aproximava do fim. Naquele verão, os crematórios quebraram por excesso de uso, e alguns corpos tiveram que ser queimados em valas abertas. Um grupo separado, porém pequeno, de fotos anteriores à liberação registrou clandestinamente essas cremações.

Auschwitz foi abandonado e evacuado no dia 18 de janeiro de 1945 e liberado pelas forças soviéticas no dia 27 de janeiro. Muitas das fotos de Hocker foram tiradas em Solahutte, um albergue de recreação de estilo alpino que a SS usava, nos limites do complexo do campo, ao longo do rio Sola.

Apesar de ainda não terem planos de exibir o álbum de Hocker, os curadores do Museu Memorial do Holocausto criaram uma apresentação on-line delas em seu site da Web (ushmm.org) que estará disponível nesta semana. Em muitos casos, eles contrastaram as imagens de Hocker com as do Álbum Auschwitz. Em uma, mulheres da SS descem de um ônibus em Solahutte para um dia de recreação; enquanto isso, em uma fotografia do Álbum Auschwitz tirada na mesma época, mulheres maltrapilhas e cansadas de viajar saem com seus filhos de um vagão de gado para o campo de concentração.

Curadores do museu evitaram descrever o álbum como "o lazer dos monstros" ou "assassinos se divertindo". Cohen disse que as fotos eram instrutivas, pois mostravam que os matadores eram, de alguma forma, pessoas que se comportavam como seres humanos comuns. "Em sua auto-imagem, eram bons homens, bons camaradas, até civilizados", disse ela.

Sarah J. Bloomfield, diretora do museu, acredita que existem outras fotografias ou documentos relativos ao Holocausto não descobertos, perdidos em sótãos, que logo desaparecerão para a história.

O doador, que pediu para permanecer anônimo, tinha mais de 90 anos quando contatou o museu e morreu neste verão. Ele disse aos curadores do museu que encontrou o álbum em um apartamento em Frankfurt, onde morou em 1946.

As fotos do Álbum Auschwitz foram descobertas por Lili Jacob, judia húngara que foi deportada em maio de 1944 para Auschwitz, perto de Cracóvia, na Polônia. Ela foi transferida para outro campo, Dora-Mittelbau, na Alemanha, onde descobriu as fotografias em uma mesa de cabeceira em um alojamento abandonado da SS.

Ela ficou chocada ao reconhecer retratos dela mesma, do rabino e de seus irmãos de 9 e 11 anos. Mais tarde descobriu que ambos tinham sido imediatamente enviados à câmara de gás ao chegarem.

Hocker fugiu de Auschwitz antes da liberação do campo. Quando foi capturado pelos britânicos, carregava documentos falsos que o identificavam como soldado de combate. Depois do julgamento de 1961 de Adolf Eichman, em Israel, autoridades da Alemanha Ocidental encontraram Hocker em Engershausen, sua cidade natal, onde estava trabalhando em um banco.

Ele foi condenado por crimes de guerra e ficou preso sete anos; foi liberado em 1970, quando foi recontratado pelo banco. Hocker morreu em 2000, com 89 anos. Deborah Weinberg

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h39

    0,24
    3,148
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h45

    0,56
    65.049,51
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host