UOL Notícias Internacional
 

17/02/2008

Homens são homens, mulheres são caça

The New York Times
De Alex Williams*
Um vídeo que mostra o ator Heath Ledger numa festa embalada por drogas, dois anos antes de sua morte, normalmente seria um material obrigatório para um programa de TV em estilo tablóide.

Mas quando o vídeo chegou às mãos dos produtores do "Entertainment Tonight", o programa se recusou a exibi-lo, disse uma assessora de imprensa, "em respeito à família de Heath Ledger". O ator de 28 anos morreu em 22 de janeiro vítima do que os médicos chamaram de uma overdose acidental de remédios.

NAS CAPAS DOS TABLÓIDES
Grosby Group
Britney Spears grita com fotógrafos, após passar noite em claro; no dia seguinte, ela internaria em um hospital
Grosby Group
A cantora Amy Winehouse é levada pelo pai para clínica de reabilitação em Londres, após divulgação de vídeo polêmico
AP
A socialite Paris Hilton e seu pai Rick deixam a Corte Municipal de Los Angeles (EUA) após Hilton receber sentença de 45 dias de prisão por violar a liberdade condicional e dirigir embriagada
AP
O ator norte-americano Kiefer Sutherland, mundialmente famoso pelo papel do agente Jack Bauer na TV, foi condenado pela Justiça de Los Angeles a 48 dias de prisão por dirigir embriagado
AP
O ator e diretor Mel Gibson lançou insultos anti-semitas ao ser preso por dirigir alcoolizado, em 28 de julho de 2006, em Malibu, Califórnia, mas escapou de
maiores conseqüências penais
AP
Morte do ator australiano Heath Ledger, por overdose de medicamentos, chocou fãs e colegas de Hollywood e levantou discussões sobre comportamento das astros e da midia
SAIBA MAIS EM UOL CELEBRIDADES
Amy Winehouse não mereceu a mesma discrição. Imagens de um vídeo que mostrava a cantora fumando o que o tablóide inglês "The Sun" descreveu como "um cachimbo de crack", e também usando cocaína e admitindo ter tomado "uns seis" Valium, foram vastamente disseminadas na mídia na mesma época.

Quando Owen Wilson foi hospitalizado em agosto depois de uma aparente tentativa de suicídio, seu caso foi o principal assunto de capa da "US Weekly". Mas não fez tanto alarde quanto Britney Spears, recentemente confinada em um hospital psiquiátrico, que já inspirou seis histórias de capa da revista durante o mesmo período.

Quando Kiefer Sutherland foi solto da prisão em Glendale, Califórnia, depois de cumprir uma sentença de 48 dias por dirigir bêbado, o evento mereceu um pouco mais do que algumas notas escondidas na imprensa.

Em contraste, está a história de Paris Hilton, que voltou à prisão no ano passado, depois de ter sido solta por alguns dias, para cumprir o resto de sua sentença de 45 dias depois de violar a condicional por dirigir bêbada. O evento atraiu tanta atenção que lembrou o julgamento de O.J.Simpson. Hordas de câmeras circularam a limosine que levou a herdeira chorosa à cadeia.

Sim, as mulheres são quase que os únicos alvos de escrutínio das notícias de fofoca —basta perguntar a Mel Gibson. Meses de incidentes paralelos como esse parecem demonstrar os padrões díspares da cobertura jornalística. Os homens com problemas pessoais são tratados com gravidade e distanciamento, enquanto mulheres nas mesmas condições são objeto de ridículo, piadas e humor negro.

Algumas celebridades e seus assessores estão dizendo às claras que a mídia de notícias tem dois pesos e duas medidas.

"Sem dúvida, as mulheres recebem um tratamento mais agressivo, menos sensível, mais ultrajante", disse Ken Sunshine, relações públicas cujos clientes incluem Ben Affleck e Barbra Streisand. "Represento alguns homens bem bonitos, e sempre reclamo sobre a forma com que eles são tratatos e cobertos pela mídia. Mas é muito mais difícil para as mulheres que eu represento."

Liz Rosenberg, relações públicas da Warner Bros./Reprise Records, que representa Madonna entre outros, também acha que há sexismo. "Você por acaso vê a mídia seguindo Owen Wilson de manhã, de tarde e de noite?", questiona.

Alguns editores confirmaram tratar as celebridades femininas diferentemente. Mas a razão, dizem, não está enraizada no sexismo, mas nos números demográficos de sua audiência.

Os leitores da "US Weekly", por exemplo, são 70% mulheres; da "People", mais de 90%, de acordo com os editores das revistas.

"Quase nenhuma revista feminina coloca um homem sozinho na capa", diz Janice Min, editora-chefe da "US Weekly". "Você simplesmente não faz isso. É a morte da capa. As mulheres não querem ler sobre homens a menos que eles estejam associados a uma mulher: um casamento, um bebê, o término de um relacionamento."

Assim, a cobertura da morte de Ledger deu vez a histórias sobre Michelle Williams, a ex-namorada do ator e mãe de sua filha; a "US Weekly", por exemplo, saíu com os títulos "A dor de uma mãe" e "Meu coração está partido" no topo de uma matéria de quatro páginas. Mary-Kate Olsen, que recebeu vários telefonemas da pessoa que descobriu o corpo de Ledger, também virou assunto: "O que Mary-Kate sabe" foi anunciado pela "Touch Weekly".

De fato, enquanto uma das edições mais bem vendidas da "People" no ano passado foi a história de capa com a tentativa de suicídio de Wilson, uma capa seguinte falando sobre sua recuperação foi uma das que menos vendeu, disse Larry Hackett, editor administrativo.

Por outro lado, diz ele, a história de Spears continua a render exatamente por que as mulheres são fascinadas pelos desafios que uma jovem mãe enfrenta.

"Se Britney não fosse mãe, essa história não conseguiria um décimo da atenção que recebe", diz Hackett. "O fato de que a custódia de seus filhos está em jogo é o motor dessa narrativa. Se ela fosse uma mãe solteira, fazendo sucesso e dirigindo seu carro seguida por paparazzi, não seria a mesma coisa."

Outros, como Roger Friedman, repórter de entretenimento da "FoxNews.com", dizem que celebridades femininas tendem a render histórias que chamam mais a atenção porque as mulheres "são mais emotivas e mais abertas" em relação a seus problemas. Os homens, disse ele, tendem a ser "circunspectos".

Rebecca Roy, uma psicoterapeuta de Beverly Hills, Califórnia, que tem vários clientes na indústria de entretenimento, diz que os homens conseguem com freqüência se esquivar dos problemas com a indiferença elegante típica dos "bad-boy". Por outro lado, segundo ela, o duplo tratamento da imprensa pode reforçar o comportamento destrutivo das celebridades femininas, empurrando-as ainda mais fundo no abuso de drogas e comportamento instável.

Roy diz que celebridas masculinas problemáticas como Robert Downey Jr. são encorajadas a superar seus problemas e seguirem adiante para um segundo ato em suas carreiras, enquanto as batalhas pessoais de mulheres como Lindsay Lohan ou da já falecida Anna Nicole Smith são freqüentemente exploradas ao máximo do ponto de vista do entretenimento.

"Com os homens, existe uma ênfase na atitude 'ele teve o problema, mas está superando'", disse Roy. "Mas com as mulheres, a atitude é 'elas continuam mal, continuam mal'. É quase como arrancar as asas de uma mosca."

Min reconhece que sua revista não foi dura em relação à cobertura de Wilson e Ledger. Em parte, diz ela, porque as leitoras tendem a ser simpáticas em relação aos homens em crise.

"Com Heath Ledger, as pessoas estavam andando sobre ovos para tentar encontrar o tom adequado", disse Min, acrescentando que "o sentimento do público em relação a Heath Ledger contou muito em nossa cobertura".

Edna Herrmann, uma psicóloga clínica de Los Angeles, diz que, apesar de o sadismo ser o preço do trabalho dos famosos, as mulheres, especialmente, respondem às celebridades femininas como verdadeiros demônios. "O sofrimento gosta de companhia", disse Herrmann.

Mas alguns acreditam que o poder de um agente de relações públicas tem mais influência na cobertura da imprensa do que o gênero da celebridade. "Entertainment Tonight" desistiu de seus planos de mostrar o vídeo de Ledger depois de receber protestos de estrelas como Natalie Portman e Josh Brolin, organizdos pela agência ID, que representava Ledger e ainda representa Williams (a namorada do ator).

Em alguns casos, as celebridades podem se tornar vítimas de seu própria apetite pela atenção da mídia.

"Na minha opinião, ninguém que peça por privacidade, que espere ter sua privacidade respeitada desde o começo, tem essa privacidade negada", disse Stan Rosenfield, relações públicas que representa George Clooney.

E Harvey Levin, editor administrativo do web site de fofocas TMZ.com, diz que oferece todas as oportunidades para que as celebridades femininas passem por cima dos seus erros, desde que melhorem seu comportamento.

"Nicole Richie, que já esteve em baixa por viver criando confusão, deu uma virada, e agora todos estão torcendo por ela", disse Levin sobre a antiga amiga de Hilton e figurinha de tablóide, hoje mãe de uma menina de um mês.

Mesmo que a cobertura noticiosa da mídia esteja a seu favor, as celebridades masculinas não se sentem exatamente imunes à bisbilhotagem agressiva.

"Com certeza há argumentos para mostrar que a mídia é incrivelmente sexista, a atenção dada às mulheres e toda a caça às celebridadas femininas", disse o ator Colin Farrel em uma festa recente para o lançamento de seu novo filme, "In Bruges".

Farrell, que também já teve sua dose de perseguição por parte da imprensa, disse que essa tendência sexista não faz com que ele deixe de ser alvo de notícias. "Se eles me pegam por aí", diz ele, "não têm dúvida do que fazer".

Farrell não bebericou nem uma cerveja enquanto falava numa sala cheia de jornalistas e fotógrafos.

*Paula Schwartz colaborou com a reportagem Eloise De Vylder

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host