UOL Notícias Internacional
 

07/03/2008

Latinos buscam cidadania a tempo de votar para presidente dos EUA

The New York Times
Julia Preston
Do The New York Times
Um processo impetrado por imigrantes latinos em um tribunal federal em Nova York, na quinta-feira, busca forçar as autoridades de imigração a concluírem centenas de milhares de pedidos de naturalização atrasados, a tempo dos novos cidadãos votarem em novembro.

A ação coletiva foi impetrada pelo Fundo de Defesa Legal e Educação Porto-Riquenho em prol dos imigrantes latinos legais na área da cidade de Nova York, que estão ávidos para votar e que esperam há anos que a agência federal de Serviços de Imigração e Cidadania conclua seus pedidos. O processo exige que a agência cumpra um prazo nacional de 22 de setembro para conclusão de qualquer pedido de naturalização feito até 26 de março.

Os grupos latinos esperam empregar a força dos tribunais federais para pressionar o governo Bush a reduzir o atraso na tramitação dos pedidos de cidadania, que cresceram no ano passado. Segundo o Instituto de Política de Imigração, um grupo de pesquisa não-partidário em Washington, mais de 1 milhão de pedidos de cidadania estavam pendentes até o final de dezembro, a maioria de imigrantes latinos.

Apesar dos protestos de legisladores, grupos latinos e imigrantes com a demora, a agência de imigração atualmente está projetando tempos de espera de 16 a 18 meses para o processamento dos pedidos.

"A realidade é que um grande número de latinos não poderá votar nas eleições devido a estes atrasos", disse Cesar A. Perales, presidente do fundo de defesa. "Agora o mundo saberá que a comunidade latina espera que o governo Bush resolva isto a tempo."

Christopher S. Bentley, um porta-voz dos Serviços de Imigração e Cidadania, disse que não podia comentar o processo pendente.

"Nosso compromisso é processar os pedidos de naturalização o mais rapidamente possível sem comprometer a segurança e a integridade do processo", disse Bentley.

A ação, impetrada no Distrito Sul de Nova York, afirma que a agência violou os direitos de devido processo dos imigrantes ao fracassar rotineiramente em concluir a tramitação dos pedidos no prazo de 180 dias, que o Congresso determinou como padrão. Ela também afirma que o governo Bush não seguiu os procedimentos regulatórios em novembro de 2002, quando ordenou ao FBI que aprofundasse a checagem dos antecedentes dos requerentes de cidadania.

Um advogado do fundo de defesa, Foster Maer, disse que em breve impetrará uma moção pedindo à Justiça que ordene a agência a atender imediatamente o prazo de setembro, que visa permitir que os novos cidadãos tenham tempo para se registrarem para votar.

Manuel Martinez, 35 anos, um imigrante legal do México que é querelante no processo, fez o requerimento em janeiro de 2006. Segundo ele, o atraso se deve ao FBI não ter concluído a checagem necessária de seus antecedentes. Ele disse suspeitar que o problema seja o fato de ter um nome latino comum.

"Eu quero ser um cidadão ontem, não amanhã", disse Martinez, que mora nos Estados Unidos desde 1990. "Eu estou realmente preocupado com a economia, e o déficit é grande demais. Eu preciso votar."

Um aumento da taxa, que elevou o custo de naturalização em 80%, para US$ 595, entrou em vigor em 30 julho. Os imigrantes legais também foram estimulados a pedir cidadania devido à preocupação com o debate em torno da imigração e pelas campanhas de cidadania de grupos latinos.

"É impressionante o fato do governo ser tão indiferente em relação a imigrantes que deram com tanto entusiasmo todos os passos para se tornarem americanos", disse Janet Murguia, presidente do Conselho Nacional de La Raza, um grupo latino que apóia a ação legal. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,22
    3,148
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h22

    0,64
    65.099,56
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host