UOL Notícias Internacional
 

12/03/2008

Obama vence primária no Mississippi e aumenta o apoio no Sul dos EUA

The New York Times
Jeff Zeleny
Do New York Times*
*Dados atualizados às 7h

O senador Barack Obama venceu a primária presidencial democrata no Mississippi, na terça-feira, aumentando sua vantagem em número de delegados sobre a senadora Hillary Rodham Clinton antes da disputa pela indicação seguir para a Pensilvânia, para um duelo de seis semanas.

A vitória de Obama foi construída por uma onda de apoio entre os negros, que representaram metade daqueles que compareceram para votar, segundo as pesquisas de boca-de-urna conduzidas pelas redes de televisão e pela agência de notícias "The Associated Press". As pesquisas apontaram que cerca de 90% dos eleitores negros apoiaram Obama, mas apenas um terço dos eleitores brancos o apoiou.

Com 99% dos distritos apurados do Mississipi, a vantagem de Obama sobre Clinton era de 61% a 37%.

"É apenas outra vitória em nossa coluna, e estamos recebendo mais delegados", disse Obama, de Illinois, ao declarar vitória em uma entrevista para a "CNN" em Chicago, onde chegou na noite de terça-feira após passar o dia no Mississipi e na Pensilvânia. "Eu sou grato ao povo do Mississipi pelo apoio maravilhoso. O que estamos tentando fazer é constantemente transmitirmos a cada Estado a necessidade de mudança neste país."

O senador John McCain, o virtual candidato republicano, venceu a primária de seu partido, o deixando ainda mais perto do número de delegados necessários para assegurar oficialmente a indicação, segundo a contagem do "The New York Times".

Após uma série frenética de prévias e convenções por mais de dois meses, o Mississipi foi o único Estado a realizar sua disputa na terça-feira, onde 33 delegados estavam em jogo. Foi a última primária antes de um intervalo de seis semanas. A primária na Pensilvânia, em 22 de abril, inicia a fase final da disputa pela indicação democrata, da qual restam oito Estados, Porto Rico e Guam.

O Mississipi ofereceu a Obama uma oportunidade de retomar seu passo após a derrota no voto popular para Clinton na semana passada em três Estados, Ohio, Texas e Rhode Island. Era esperado que Obama conquistasse uma vitória fácil no Mississipi, um Estado onde 36% da população é negra, o percentual mais alto do país. Ele desfruta de forte apoio entre os eleitores negros e venceu todas as outras disputas no Sul por grande margem.

Apesar de Hillary Clinton, de Nova York, ter feito campanha no Mississipi na semana passada e o ex-presidente Bill Clinton ter visitado no fim de semana, a campanha de Clinton em grande parte voltava sua atenção para a Pensilvânia, com seus 158 delegados em disputa.

Clinton fez campanha na Pensilvânia na terça-feira, enquanto Obama iniciava o dia com um último apelo por apoio no Delta do Mississipi. Após um café da manhã com ovos mexidos no Buck's Restaurant em Columbus, ele apertou mãos daqueles que estavam reunidos do lado de fora do centro comercial e pediu às pessoas que não deixassem de votar.

"Nós precisamos de empregos", alguém gritou para Obama do meio da multidão.

"Eu prometo que quando for presidente dos Estados Unidos, eu voltarei ao Delta", disse Obama. "Por ora, todos vocês me mantenham em suas orações".

Não se sabe quanta diferença a campanha de última hora fez. As primeiras pesquisas de eleitores, realizadas pela Edison Media Research e pela Mitofsky International, mostravam que seis entre 10 eleitores da primária democrata já estavam decididos há mais de um mês.

Nos últimos dias da disputa primária, Hillary levantou a idéia de que os democratas com dificuldade para decidir entre os candidatos poderiam ter ambos, deixando implícito que Obama seria um companheiro de chapa apropriado.

Obama rejeitou a idéia enquanto fazia campanha no Mississipi na segunda-feira, dizendo aos eleitores: "Com todo o respeito, eu já venci no dobro de Estados que a senadora Clinton".

Ainda assim, segundo pesquisas de boca-de-urna, nem todos os eleitores pareciam dispostos a descartar a idéia.

Enquanto os eleitores deixavam os locais de votação na terça-feira, seis entre 10 eleitores de Obama disseram que ele deve escolher Hillary como vice-presidente caso vença a disputa pela indicação. E quatro entre 10 eleitores de Hillary disseram que ela deve escolher Obama caso ela vença.

Como em muitos outros Estados, uma parcela esmagadora dos eleitores disse estar à procura de mudança e preocupada com a economia. Obama conquistou o apoio dos eleitores que listaram estas como suas principais preocupações, segundo as pesquisas.

Os democratas do Mississipi apresentaram uma probabilidade duas vezes maior de dizer que Obama os inspirava em relação ao seu futuro em vez de Hillary. Obama também foi apontado duas vezes mais como sendo honesto.

Anita Nichols, que veio ver Obama às vésperas da primária na Universidade para Mulheres do Mississipi, em Columbus, disse que ficou feliz pelos eleitores de seu Estado terem tido a oportunidade de serem ouvidos na disputa presidencial democrata. Nichols disse esperar que uma vitória convincente no Mississipi o ajude na disputa prolongada.

"Eu estou rezando para que ele vença; realmente estou", disse Nichols em uma entrevista, com um bottom de Obama preso na sua lapela. "Este país está pronto para mudança, mas não se trata apenas dele. Há limitações para o que um presidente pode fazer. Ele precisa se cercar de pessoas qualificadas, e os cidadãos também têm que trabalhar." George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host