UOL Notícias Internacional
 

20/06/2008

Aumento de gravidezes em escola nos EUA aponta para possível pacto entre as garotas

The New York Times
De Katie Zezima

Em Boston
Pelo menos 17 garotas de um colégio público na cidade litorânea de Gloucester, Massachusetts, estão esperando bebês, e uma reportagem da revista "Time" diz que quase metade engravidou após fazer um pacto para engravidar e criar seus filhos juntas.

As autoridades locais contatadas na quinta-feira não confirmaram a existência do pacto, mas reconheceram que muitas das 17 gravidezes -um total de quatro vezes mais do que no último ano letivo na escola de 1.200 alunos- foram intencionais.

"Eu ouvi que algumas delas não foram acidentais; algumas delas ficaram contentes quando obtiveram os resultados", disse Greg Verga, um membro do Comitê Escolar de Gloucester. "Eu ouvi que ocorreram casos em que a adolescente buscava várias vezes testes de gravidez e parecia deprimida quando dava negativo."

Joseph Sullivan, o diretor da escola, a Gloucester High, não foi encontrado para comentário. Mas a "Time" o citou como tendo dito que entre as estudantes grávidas, quase metade, nenhuma com mais de 16 anos, tinha se envolvido no pacto.

Contatada na quinta-feira, a prefeita Carolyn Kirk disse que a existência de um acordo desses era "crível, no sentido de que explicaria este salto" em gravidezes adolescentes.

Kirk, um membro do comitê escolar, também disse que alguns daqueles que engravidaram as estudantes eram homens com mais de 20 anos.

Gloucester é uma cidade pesqueira de 30 mil habitantes que está enfrentando dificuldades com o declínio da indústria pesqueira.

"Esta é uma cidade em transição, passando por um momento econômico difícil", disse Kirk. "Há cortes em programas econômicos, cortes em serviços, cortes em programas extra-curriculares, e tudo isso tem um impacto no clima social. Nós realmente deixamos estas crianças na mão."

"É o ambiente social de onde vêm estas crianças", ela acrescentou. "Elas acham que um bebê pode lhes dar amor, lhes dar status ou preencher um vazio em suas vidas, e estas garotas são muito, muito jovens. E acho que se você conversar com qualquer mãe adolescente que está cuidando de um bebê, a estrada não é fácil."

O aumento na gravidez adolescente provocou um debate acalorado sobre contracepção e educação em Gloucester, que é altamente católica romana. O diretor médico da clínica da escola e sua enfermeira chefe pediram demissão em maio, após o hospital que administra as verbas para a clínica ter se oposto a disponibilizar contraceptivos para os estudantes.

A clínica não distribui contraceptivos, e o currículo de saúde da Gloucester High School foi cortado por motivos orçamentários, o que significa que não há educação sexual, disse Kirk.

Enquanto isso, além das 17 garotas que estão grávidas, outras continuam procurando a clínica à procura de testes de gravidez.

O comitê da escola agora está considerando programas educativos sobre gravidez na adolescência e considerando se a clínica deve distribuir contraceptivos. Kirk instruiu seu diretor de saúde a compilar informação sobre o assunto junto ao Estado, outras agências e especialistas independentes. Ela disse que espera que o comitê tenha uma política a respeito de educação, métodos de contracepção e serviços relacionados implantada até o início do próximo ano letivo.

"É muito complicado", ela disse. "Há muitas camadas, e estou insistindo em um processo onde o comitê escolar possa explorar todas as camadas, obter boa informação, descobrir o que funciona em outras comunidades e apresentar uma boa decisão em prol de nossas crianças. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h09

    0,28
    3,138
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h15

    -0,30
    75.775,52
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host