UOL Notícias Internacional
 

16/07/2008

Para alguns, o ano de 2009 já chegou

The New York Times
Michelle Higgins
Talvez seja cedo para fazer reservas para a Semana dos Presidentes. Mas, incentivados pelo aumento das passagens aéreas ou pelo espectro da redução dos vôos disponíveis, as operadoras de turismo dizem que este ano os viajantes têm feito reservas muito mais cedo.

"Já fizemos reservas para um grande número de clientes para 2009", disse Edward Piegza, presidente da Classic Journeys, uma agência de viagens de aventura em La Jolla, Califórnia. Só no último mês, segundo ele, uma família de 18 pessoas reservou uma viagem para a Costa Rica para as férias no final de 2009. "São 18 meses de antecedência!", ele indicou.

Identificando uma oportunidade, as agências de viagens estão lançando seus folhetos e preços para 2009 especialmente cedo este ano, para captar as reservas - e os depósitos - dos mais apressados. Nesta época no ano passado, a Classic Journeys não tinha publicado nenhum de seus itinerários ou preços para 2008. Este ano a companhia já divulgou aproximadamente dois terços de suas excursões para 2009 - cerca de três ou quatro meses antes que o habitual. De maneira semelhante, a Country Walkers, que normalmente lança suas tarifas para o ano seguinte apenas em agosto, colocou em maio na internet as tarifas para 2009.

Pela primeira vez em seus 61 anos de operação, a Trafalgar Tours, a grande operadora de turismo com acompanhantes, imprimiu um folheto de Prévia de Verão na Europa e Grã-Bretanha 2009 com grande antecedência ao seu folheto principal, "Europa e Grã-Bretanha", que deverá ser lançado em outubro. Ela também publicou um folheto para viagens à Europa na baixa estação, de novembro de 2008 a abril de 2009, com vários meses de antecedência.

O lançamento precoce oferece aos viajantes uma janela maior para aproveitar os descontos de 10% para os marinheiros de primeira viagem. E estudando os folhetos pode-se encontrar algumas oportunidades surpreendentes. Por exemplo, a excursão O Melhor da Itália em 14 Dias, com partidas em 7 de abril de 2009, está custando US$ 3.599 por pessoa na prévia de verão Europa 2009, refletindo o aumento da moeda e os custos da gasolina. A mesma viagem com partida apenas quatro dias antes, em 3 de abril de 2009, custa US$ 2.499 no folheto de baixa estação - o Livro da Europa e Grã-Bretanha, Outono, Inverno e Primavera -, que usa taxas de câmbio mais altas e preços negociados menores. Isso significa que o viajante esperto pode economizar US$ 1.100 com um planejamento cuidadoso.

Os viajantes que reservam com boa antecedência muitas vezes conseguem evitar tarifas adicionais que as agências de turismo podem acrescentar mais tarde. Em janeiro, por exemplo, a Group Voyagers, matriz da Globus, Cosmos, Monograms and Avalon Waterways, acrescentou uma sobretarifa de câmbio de cerca de 5% para muitas excursões européias. Mas os que fizeram reservas e depósitos antes da implementação dessa cobrança ficaram protegidos.

Alguns dos melhores negócios são ofertas que as agências colocaram nos catálogos ainda em 2007 para viagens no ano que vem. Por exemplo, a Classic Journeys está oferecendo uma viagem de 12 dias para a Índia em janeiro ou março de 2009 que custava US$ 6.495 por pessoa em quarto duplo em agosto de 2007. A rupia indiana se valorizou cerca de 7% em relação ao dólar desde que a companhia definiu essas tarifas. Em conseqüência, os clientes que reservam hoje na verdade ganham um desconto embutido.

June Sloane, uma especialista em viagens de luxo da Sue Brown Travel em Boca Raton, Flórida, disse que os clientes que ela colocou nos Micato Safaris no ano passado para uma viagem de duas semanas em agosto para o Quênia e a Tanzânia fecharam por uma tarifa de cerca de US$ 8.600 por pessoa, incluindo viagens aéreas internas e noites extras em um hotel em Nairóbi. Se tivessem esperado para reservar a viagem, segundo ela, teriam pago preços de 2008 de cerca de US$ 10.100 por pessoa.

Sloane também recomenda fazer reservas de passagens aéreas com antecedência, diante dos próximos cortes de capacidade. "Se você estiver com reserva em qualquer companhia hoje, ela o protegerá e colocará em outra companhia", ela disse. "Se você esperar, talvez não haja opções para o seu destino se ele for cortado de suas rotas."

Você também poderá conseguir um preço melhor dessa maneira, pois as tarifas de viagens aéreas continuam aumentando. Por exemplo, o preço mais barato disponível para viagens no fim do ano de Nova York a São Francisco reservadas na terceira semana de junho do ano passado foi US$ 378 na Alaska Airlines, segundo a FareCompare.com. O vôo mais barato reservado na mesma época este ano saiu por US$ 678. Los Angeles a Honolulu foi US$ 370 na Continental em 2007, contra US$ 618 este ano, e Nova York para Orlando foi US$ 118 na American, comparado com US$ 308 hoje.

Preocupado em perder negócios de última hora? No mês passado a Orbitz.com lançou um cotador de preços de passagens aéreas chamado Orbitz Price Assurance, projetado para restituir automaticamente os clientes que fizerem reservas no site se o preço de sua passagem cair depois da compra. Para receber uma restituição quando o preço diminui, outro cliente da Orbitz precisa ter reservado a mesma passagem aérea na Orbitz por um preço menor. Ela também limita as devoluções a US$ 5 a US$ 250 por viajante.

O Yapta.com, outro serviço de comparação de preços que alerta os viajantes para descontos mesmo depois que a passagem foi comprada, não tem essas restrições. Ao contrário da devolução automática da Orbitz, porém, os viajantes precisam ligar para a companhia para reclamar seu crédito de viagem ou pagar US$ 15 para que a Yapta reserve para eles. Os viajantes que usam a Yapta também podem ter de pagar as taxas de troca de reserva às companhias aéreas, que podem custar entre US$ 75 e US$ 250, dependendo da transportadora. Mas o site leva isso em consideração e alerta os viajantes somente quando a queda de preço supera essa taxa.

Desde a estréia da Yapta.com, em maio de 2007, 19% dos vôos rastreados depois da compra se qualificaram para um crédito de viagem ou devolução, e o site notificou viajantes de US$ 14 milhões em economias em passagens aéreas pós-compra. Agora ela oferece alertas de economia para quase todas as maiores companhias americanas, assim como muitas internacionais, incluindo British Airways, Lufthansa e Singapore Airlines.

"Embora tenha havido muitos aumentos de preços por causa dos custos do combustível, ainda há muita volatilidade", disse Tom Romary, executivo chefe da Yapta. "Os viajantes precisam desse assistente pessoal que procura os preços mais vantajosos." Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,45
    3,141
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,39
    64.684,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host