UOL Notícias Internacional
 

25/07/2008

Tempos difíceis para McCain, comparando sua semana e as oportunidades de fotos no exterior

The New York Times
Elisabeth Bumiller
Do The New York Times
Em Columbus, Ohio
A campanha presidencial do senador John McCain se recuperou de uma experiência de quase morte há quase um ano e candidatos políticos sofrem altos e baixos o tempo todo. Mas é seguro dizer que McCain, o virtual candidato republicano, não está tendo uma semana espetacular.

Enquanto seu rival democrata, o senador Barack Obama, se reunia com líderes israelenses e palestinos no Oriente Médio na quarta-feira, McCain realizava uma desajeitada viagem de compras com uma mãe e dois filhos em um supermercado da Pensilvânia, e fazia uma coletiva de imprensa no corredor de laticínios.

E enquanto Obama falava com uma multidão animada de mais de 200 mil em Berlim na quinta-feira, McCain almoçava um salsichão com o dono de uma concessionária de automóveis e outros empresários locais em um restaurante alemão em Columbus.

"Bem, eu adoraria fazer um discurso na Alemanha, um discurso político, ou um discurso que talvez possa interessar ao povo alemão, mas prefiro fazê-lo como presidente dos Estados Unidos, em vez de candidato à presidência", disse McCain aos repórteres do lado de fora do Schmidt's Restaurant und Sausage Haus, pouco antes de Obama iniciar seu discurso próximo à Coluna da Vitória, no coração de Berlim. (A escolha do restaurante pela campanha foi consistente com a decisão do Comitê Nacional Republicano de realizar propagandas anti-Obama em Berlin, New Hampshire; Berlin, Wisconsin; e Berlin, Pensilvânia.)

Em vez disso, disse McCain, ele faria "campanha pelo interior da América e falar sobre as questões que afligem a América atualmente".

Este, ao menos, era o plano nesta semana, incluindo uma aparição com Lance Armstrong, o ciclista e sobrevivente de câncer, na noite de quinta-feira.

Mas a casa parada que deveria tratar de economia, energia e atendimento de saúde, McCain enfrentava perguntas sobre a viagem de Obama ao exterior, dedicando tanto tempo reagindo ao seu oponente quanto promovendo seus próprios planos domésticos.

Ele parecia falar menos sobre o futuro e mais sobre o passado, e não escondeu sua irritação com o fato de Obama ainda se recusar a apoiar o aumento de tropas americanas, defendido por McCain, que ajudou a melhorar a segurança no Iraque e que, segundo McCain, tornou possível a viagem de Obama ao Iraque.

"Eu estou de novo profundamente desapontado pelo senador Obama não ter reconhecido o fato de que o aumento teve sucesso", disse McCain em comentários típicos, agora diários, diante da gôndola refrigerada de queijo ralado em Bethlehem, Pensilvânia.

"Nenhuma pessoa racional que compare a situação há dois anos com a situação atual pode negar que o aumento de tropas teve sucesso." No dia anterior, em um encontro estilo salão de prefeitura em Rochester, New Hampshire, McCain disse que Obama "perderia uma guerra para vencer uma campanha política".

Naquela ocasião McCain também foi atormentado por má sorte e suas próprias sinapses. Ele deveria fazer uma parada de campanha dramática em uma plataforma de petróleo no Golfo do México, na quinta-feira. Mas o furacão Dolly atrapalhou seus planos. E um derramamento de óleo que interditou um trecho de mais de 45 quilômetros do Rio Mississippi, na quarta-feira, minou sua mensagem de que exploração de petróleo em alto-mar é desejável e segura.

No dia anterior, McCain repetiu um erro já cometido ao se referir à Tchecoslováquia, um país que não existe mais desde 1993, e depois se atrapalhou após uma entrevista para a CBS News, sobre se estava historicamente correto ao dizer que a escalada das tropas teve início antes do movimento Despertar de Anbar, no qual sunitas uniram forças às tropas americanas para combater a insurreição no Iraque.

"McCain está tendo uma semana desastrosa", disse Ed Rollins, um estrategista republicano que liderou a campanha presidencial de Mike Huckabee neste ano. "Teria sido melhor se ele tivesse se mantido discreto e ficado longe dos holofotes. Ele foi impelido a fazer comentários estúpidos sobre Obama e há este tremendo contraste de visuais, algo em que muitas pessoas prestam atenção."

Assessores de campanha de McCain dizem que o clima não é bom no quartel-general da campanha em Arlington, Virgínia, e que a semana começou mal quando McCain foi fotografado em um carrinho de golfe com o ex-presidente George Bush, 84 anos, na cidade resort de Kennebunkport, Maine. Foi no mesmo dia em que fotos de Obama usando óculos escuros modernos, ao lado do general David H. Petraeus em um helicóptero no Iraque, eram divulgadas por todo o mundo.

Mas Mark Salter, um dos principais assessores de McCain, disse na quinta-feira, em meio ao seu próprio almoço de salsichão, que ele não estava alarmado e que McCain passou a semana em Estados eleitoralmente importantes, interagindo com as pessoas que de fato votam nas eleições americanas. "Eu acho que ele está transmitindo sua mensagem - veja a imprensa local e a TV local", disse Salter. "Eles falam de John McCain tratando de energia e economia."

(Na quinta-feira na Pensilvânia, o "The Times Leader" em Wilkes-Barre, Pensilvânia, exibiu proeminentemente os comentários feitos por McCain no Estado sobre o Seguro Social; o "The Morning Call", em Allentown, cobriu a parada de McCain no mercado, incluindo seus comentários sobre como o leite a US$ 4 o galão estava pressionando as finanças das famílias americanas.)

Pessoas de ambos os lados também dizem que se trata apenas de uma semana em julho, e que McCain já se recuperou de situação bem pior no ano passado, quando sua campanha quase quebrou e corria a especulação de que ele abandonaria a disputa.

Na sexta-feira, McCain deverá ir além da questão dos preços domésticos do leite e se encontrar com o Dalai Lama em Aspen, Colorado - McCain chamou o líder espiritual tibetano de "um exemplo nacional transcendente" - e então voltará para casa para um fim de semana em seu retiro no Arizona, perto de Sedona.

Então uma longa semana terá terminado... George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,95
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h28

    -1,26
    74.443,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host