UOL Notícias Internacional
 

15/08/2008

Seleção de futebol da China é o grande mico da potência esportiva

The New York Times
Edward Wong

Em Qinhuangdao, China
O chute na virilha foi o ponto baixo dos Jogos Olímpicos para centenas de milhões de torcedores chineses.

Ele ocorreu aos 7 minutos do segundo tempo da partida de futebol masculino entre China e Bélgica, no domingo, quando um jogador chinês, Tan Wangsong, após errar a bola, atingiu com o pé as partes íntimas de um jogador belga, Sebastien Pocognoli, o deixando se contorcendo de dor no campo. O chute resultou no primeiro cartão vermelho da partida. O segundo, 12 minutos depois, foi dado ao capitão da equipe chinesa, Zheng Zhi, por uma cotovelada no jogador adversário.

Como sempre, piadas sobre a seleção chinesa se espalharam pela Internet: "A seleção chinesa acabou de conquistar duas medalhas vermelhas". "Nossa seleção de futebol ganhou medalha de ouro em artes marciais". "A China teve um ano estranho, com uma tempestade de neve assustadora, protestos no Tibete e um terremoto, mas a apresentação de nossa seleção de futebol mostra que algumas coisas nunca mudam."

Daniel Aguilar/Reuters - 13.ago.2008 
Han Peng disputa a bola com Jo durante partida entre China e Brasil nas Olimpíadas

Em sua busca pela supremacia de superpotência nos esportes, a China está apostando sua esperança de vencer no quadro de medalhas em uma série de atletas treinados até próximo da perfeição na ginástica, saltos ornamentais, remo, tênis de mesa, voleibol e corrida com obstáculos. Ela exibiu sua proeza atlética ao liderar o quadro de medalhas nos primeiros dias da competição. Mas o país exige muito menos de sua seleção de futebol masculina.

Após uma derrota de 3 a 0 para o Brasil nesta cidade costeira, a equipe foi desclassificada dos Jogos Olímpicos exatamente como sua legião de torcedores exaustos esperava -sem vitória nos três jogos.

O futebol é o esporte que os chineses mais gostam, mas também é aquele que mais os frustra e decepciona. A seleção nacional e olímpica masculina (tecnicamente um torneio sub-23, com cada equipe autorizada a escalar três jogadores acima da idade) são objeto de ridículo, vergonha e lamúrias. A seleção principal tentou explorar a experiência de técnicos de fora da China, incluindo homens como Bobby Houghton (Inglaterra), Bora Milutinovic (Sérvia), Arie Haan (Holanda) e o atual, Ratomir Dujkovic (Sérvia), que provavelmente terá que procurar novo emprego em breve.

Para os homens chineses orgulhosos de ícones internacionais do esporte como Yao Ming, no basquete, e o do corredor Liu Xiang, a seleção permanece como o símbolo supremo de emasculação.

Após a seleção feminina chinesa de futebol ter derrotado a Argentina por 2 a 0 na terça-feira, seu treinador, Shang Ruihua, disse: "Nossas atacantes fizeram um trabalho tão bom que eu até lhes disse que deveriam começar a jogar no lugar de nossa seleção masculina".

Após a derrota para o Brasil, torcedores irados realizaram um miniprotesto fora do estádio, que acabou quando a polícia de choque chegou.

"Nós jogamos futebol como os brasileiros jogam ping-pong", disse após o jogo Li Weifeng, 30 anos, o novo capitão da equipe, com voz desanimada.

Muitos chineses diriam que é um insulto aos jogadores de tênis de mesa brasileiros.

"É um embaraço tão grande que quase parece uma comédia", disse um popular comentarista de futebol, Li Chengpeng, em uma entrevista antes da partida. "Nós choramos até secar as lágrimas, e agora é hora de curtirmos o grande show, porque nunca se sabe como nosso time perderá desta vez."

O futebol representa o maior quebra-cabeça para a máquina esportiva chinesa -o país tem o dinheiro, a população e os torcedores para montar uma seleção de qualidade mundial, mas não consegue sucesso. A seleção nacional masculina participou apenas uma vez da Copa do Mundo, quando o Japão e a Coréia do Sul foram os países-sede em 2002, mas não conseguiu marcar nenhum gol em três partidas. Em 2004, os torcedores chineses quase causaram tumultos em Pequim, quando a China perdeu a final da Copa da Ásia para o Japão, por 3 a 1. A mais recente humilhação ocorreu em junho, quando a seleção perdeu para o Iraque por 2 a 1, nas eliminatórias da Copa do Mundo. A China posteriormente foi desclassificada das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.

"Eu espero que a seleção da China consiga marcar um gol", disse Kuang Wen, 35 anos, um funcionário do governo que chegou a Qinhuangdao antes da partida com o Brasil, após fazer uma viagem de 70 horas de trem desde a província de Sichuan. "É a maior esperança que tenho."

Ele viajou tanto para ver apenas esta partida? "De jeito nenhum", ele disse. "Eu tenho ingressos para algumas partidas do feminino. Eu não viria de tão longe apenas para assistir a seleção masculina."

Os líderes chineses geralmente tentam silenciar as críticas aos símbolos nacionais, mas com a seleção masculina de futebol, o governo permite que as pessoas desabafem.

Todo mundo critica, incluindo mídias estatais como a "CCTV" e "Xinhua", blogueiros esportivos, até mesmo outros atletas e treinadores. Os torcedores também ridicularizam abertamente o presidente da Associação Chinesa de Futebol, Xie Yalong, uma ex-autoridade da província de Shaanxi. "Xie Yalong tem que renunciar!" se tornou o canto nas arquibancadas nas últimas duas partidas olímpicas, e Xie foi visto saindo cedo da partida contra a Bélgica.

Muitos comentaristas esportivos chineses e estudiosos apontam a corrupção endêmica dentro da federação como uma das causas dos males do esporte. A associação iniciou o atual campeonato em 1994, e o futebol se tornou o primeiro esporte a atingir sucesso comercial na China, com patrocinadores investindo milhões de dólares.

Xu Guoqi, um professor de história do Leste Asiático no Kalamazoo College e autor de um novo livro sobre a China e os Jogos Olímpicos, disse que o futebol chinês melhorará apenas após a regra da lei ser estabelecida na China. Ele disse que a decepção com o futebol poderia levar à próxima "grande revolução" na China. E não estava brincando.

"Sem regra da lei, a corrupção se envolverá e ninguém é responsável por nada", disse Xu, que escreveu um artigo de opinião no "The Washington Post" no mês passado lamentando o futebol chinês. "Se os chineses continuarem obcecados com o futebol, eles definitivamente exigirão algo drástico, algo político ou envolvendo a regra da lei. Começará no esporte e então passará a algo maior."

O grande dinheiro faz parte do problema, ele disse, com a maioria dos jogadores do futebol masculino chinês ganhando salários anuais de mais de 1 milhão de yuans, ou US$ 146 mil, em um país onde a renda do cidadão médio é de menos de US$ 3 mil. Isso sobe à cabeça deles, ele disse.

A imprensa chinesa freqüentemente noticia as vidas exuberantes que muitos jogadores de futebol levam. Jogadores já foram pegos com drogas e prostitutas. Este comportamento não é incomum entre astros do futebol internacional, mas é fora do padrão para os atletas chineses.

As jogadoras da seleção feminina chinesa têm mais pé no chão, disse Xu, talvez por seus salários serem uma fração do salário dos homens. A seleção feminina, apelidada de Rosas de Ferro, tem obtido relativo sucesso, chegando à final da Copa do Mundo em 1999, quando perdeu para os Estados Unidos na disputa de pênaltis.

Lu You, que apresenta um popular programa de futebol na "CCTV", também disse que os salários exagerados e as expectativas elevadas atrapalham o futebol masculino.

"Quando vencem, os tratamos como heróis", ela disse. "Quando perdem, nós dizemos: 'Vão para o inferno'."

Outros fatores também podem atrapalhar o futebol masculino, disseram especialistas. Talvez haja crianças insuficientes sendo encorajadas a praticar o esporte. Além disso, o sistema do Estado de treinamento de atletas funciona bem em esportes onde os indivíduos se destacam -tênis de mesa ou ginástica, por exemplo- mas fica aquém no futebol, por causa do custo para manter uma equipe, disseram alguns especialistas.

Li, o comentarista de futebol, disse que o governo poderia facilmente investir US$ 12 milhões para treinar um jogador de tênis de mesa, mas os recursos necessários para desenvolver de forma apropriada uma equipe de futebol estão além das verbas do Estado. Um sistema baseado no mercado precisa ser implantado, ele disse.

"Ele representa o sistema de gestão mais datado que ainda existe neste país", ele disse. "Não dá para dirigir uma equipe de futebol da mesma forma que se treina jogadores de tênis de mesa, que é exatamente o que estão fazendo agora."

Na partida contra o Brasil, os torcedores chineses tentaram deixar sua desconfiança em casa. Eles vieram com rostos pintados, enrolados em bandeiras e vestindo faixas de cabeça vermelhas que diziam: "A China tem que vencer!" O estádio de 33 mil lugares estava quase lotado.

O amor pelo futebol entre os chineses foi demonstrado pela calorosa recepção que deram aos jogadores brasileiros, especialmente Ronaldinho.

Os aplausos cresceram novamente quando Diego marcou o primeiro gol da noite para o Brasil. "Eu adoro a técnica deles", disse Cui Wei, uma professora colegial de 30 anos que dirigiu cinco horas para assistir a partida. "É gentil e suave."

Ela acrescentou: "Eles gostam de jogar futebol, enquanto os chineses o vêem como uma luta".

Depois que o Brasil marcou mais dois no segundo tempo, os torcedores começaram a pedir a renúncia de Xie, o chefe da federação. Eles começaram a ir embora antes do final da partida.

Li, o capitão chinês, enfrentou dezenas de repórteres chineses decepcionados após o jogo.

"O povo chinês anseia por uma seleção chinesa forte, mas precisamos de mais tolerância e tempo", ele disse. "Como vocês, nós também queremos melhorar, mudar."

Seu olhar deprimido dizia que talvez tenha aceito a avaliação comum da seleção pelos torcedores chineses: "Há duas coisas que impedem a seleção de futebol chinesa de sair da Ásia e participar de jogos internacionais: seus pés direitos e seus pés esquerdos". George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,38
    3,156
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h22

    0,41
    65.277,38
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host