UOL Notícias Internacional
 

24/08/2008

Obama escolhe Biden como companheiro de chapa

The New York Times
Adam Nagourney e Jeff Zeleny*
O senador Barack Obama escolheu o senador Joseph R. Biden Jr., de Delaware, para seu candidato a vice-presidente, recorrendo a uma importante autoridade em política externa e antigo assessor em Washington para completar a chapa democrata, segundo pessoas informadas da decisão.

A escolha de Obama pôs fim a uma busca de dois meses que foi realizada quase totalmente em segredo. Ela refletiu uma opção estratégica de Obama: ter um companheiro capaz de tranqüilizar os eleitores sobre lacunas em seu currículo, em vez de preferir alguém que pudesse trazer consigo um estado ou reforçar a mensagem de mudança de Obama.

Biden é o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado e conhece bem líderes e diplomatas estrangeiros em todo o mundo. Apesar de ter votado inicialmente a favor da guerra no Iraque —Obama se opôs desde o início—, Biden tornou-se um crítico constante das políticas do presidente Bush no Iraque.

A escolha foi revelada enquanto Obama entra em uma fase crítica da campanha, preparando-se para a convenção do partido em Denver, durante quatro dias a partir desta segunda-feira.

Os assessores de Obama consideram a apresentação de sua escolha para vice —incluindo um comício no sábado à tarde no antigo Capitólio estadual em Springfield, Illinois, lugar onde Obama anunciou sua candidatura em uma manhã gelada de inverno quase dois anos atrás, e uma turnê dos estados indecisos— como o início de uma semana em que Obama espera dominar o palco e se posicionar para a campanha no outono.

A notícia da decisão de Obama vazou horas antes do momento programado por sua campanha para anunciá-la aos eleitores através de mensagens de texto e e-mail, e horas depois de informar dois outros candidatos importantes à nomeação para vice —o senador Evan Bayh de Indiana e o governador Tim Kaine da Virgínia— de que não haviam sido escolhidos.

Enquanto o processo de seleção se aproximava do fim, a senadora Hillary Clinton, de Nova York, que Obama derrotou na nomeação para candidato do Partido Democrata, havia deixado a disputa para vice —na medida em que Obama jamais a considerou seriamente.

Biden é católico, o que lhe dá um apelo entre esse importante grupo de eleitores, mas é a favor do direito ao aborto. Ele nasceu em uma família de trabalhadores em Scranton, Pensilvânia, um estado indeciso, onde é bem conhecido. Biden é candidato à reeleição ao Senado este ano e supostamente disputaria os dois cargos ao mesmo tempo.

Biden é conhecido como falante e inclinado a fazer declarações que lhe causam problemas. Em 2007, quando disputava com Obama a indicação presidencial, ele declarou que Obama "ainda não estava pronto" para a presidência, frase que certamente vai aparecer nos anúncios republicanos.

Embora Biden não seja exatamente um nome "da casa", provavelmente é o mais conhecido de todos os democratas que disputaram a indicação, diante de sua história política e pessoal (além de suas aparições habituais nos noticiários de TV no domingo de manhã). Ele se candidatou pela primeira vez ao Senado de Delaware quando tinha apenas 29 anos.

Biden já concorreu duas vezes à presidência, em 1988 e em 2008, desistindo nas duas ocasiões. Também foi presidente da Comissão de Justiça do Senado durante duas das batalhas mais acirradas da Suprema Corte nos últimos 50 anos: o processo de confirmação de Robert H. Bork, que foi derrotado, e de Clarence Thomas, que foi confirmado depois de uma audiência explosiva em que Anita Hill acusou Thomas de assédio sexual.

Biden liderou a oposição a ambas as nomeações, mas foi criticado por algumas feministas por não revelar imediatamente o que foram a princípio acusações a portas fechadas contra Thomas.

A opção de Obama por Biden sugeriu algumas das fraquezas que a campanha tenta enfrentar em um momento em que as pesquisas nacionais indicam que sua disputa com o senador John McCain, o provável candidato republicano, está endurecendo.

A principal força de Biden é sua familiaridade com questões de política externa e segurança nacional, salientadas no último fim de semana com o convite que recebeu do presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, para visitar seu país em meio ao tenso confronto com a Rússia. A partir do momento em que ele abandonou a disputa presidencial, foi citado como potencial secretário de Estado para Obama ou para Clinton.

Ele também é uma espécie de "figura carimbada" em Washington, e traria à campanha —e à Casa Branca— uma familiaridade com o funcionamento da cidade e do Congresso que Obama não possui, após seu período relativamente curto na capital.

Com 65 anos, Biden acrescenta alguns anos e cabelos grisalhos a uma chapa que de outro modo poderia parecer um pouco jovem (Obama tem 47). Como os assessores de Obama rapidamente afirmaram, ele é alguém que parece sob todos os aspectos preparado para assumir a presidência, estabelecendo um padrão que parece destinado a restringir um pouco McCain, caso este seja tentado por uma opção mais aventuresca para seu vice.

Ele tem um longo histórico de declarações que causam problemas. Foi obrigado a se desculpar a Obama quase no momento em que entrou na disputa pela presidência, depois que foi citado descrevendo o candidato como "o primeiro afro-americano da corrente dominante que é articulado, inteligente, limpo e um sujeito bem apessoado", comentário que atraiu críticas por ser racialmente indelicado.

Enquanto fazia campanha em New Hampshire, Biden disse que "você não pode entrar em um 7-Eleven ou um Dunkin' Donuts se não tiver um ligeiro sotaque indiano".

Biden abandonou a disputa presidencial este ano quase sem deixar marcas; chegou em quinto lugar em Iowa. Foi obrigado a desistir da eleição presidencial em 1988 diante das acusações de que havia plagiado parte de um discurso de Neil Kinnock, o líder do Partido Trabalhista britânico. Pouco depois, soube-se que havia sofrido dois aneurismas.

Ele também é, pelo menos para alguns, uma figura privilegiada em Washington, depois de trabalhar lá por tanto tempo, mas continua indo para casa em Wilmington todas as noites de trem.

A opção de Obama, de certa maneira reflete a de Bush por Dick Cheney como colega de chapa em 2000; aos 65 anos, parece improvável que Biden tivesse condições de concorrer à presidência, caso Obama vença e governe por dois mandatos. Privado de qualquer ambição de disputar a presidência por conta própria, ele teria uma relação menos complexa com Obama do que a maioria dos vice-presidentes tem com seus presidentes.

Biden nasceu em Scranton, cresceu nos subúrbios de Wilmington, Delaware, e estudou na Escola de Direito de Syracuse. Na juventude, também esteve no centro de um drama familiar: pouco mas de um mês depois que ele foi eleito para o Senado, sua mulher e seus três filhos tiveram um acidente de carro com um motorista bêbado que resultou na morte da mulher e de uma filha. Seus dois filhos sobreviveram e Biden se casou cinco anos depois.

*Colaboraram Carl Hulse e Jim Rutenberg Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h00

    -0,15
    3,261
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h05

    1,09
    63.343,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host