UOL Notícias Internacional
 

20/10/2008

Republicanos querem Giuliani como governador

The New York Times
Por Danny Hakim
Em Albany
Duas palavras parecem ocupar as mentes de muitos membros da elite republicana de Nova York nos últimos tempos: Governador Rudy.

Rudolph W. Giuliani, desde sua estimulante derrota nas primárias presidenciais, tem se mantido ocupado como um dos substitutos mais ativos do senador John McCain. Mas dizem que ele também está ruminando sobre um prêmio de consolação político: uma candidatura a governador em 2010.

Várias autoridades estaduais do partido e estrategistas dizem que o ex-prefeito seria, quase que com certeza, a primeira escolha do partido Republicano, desde que o prefeito Michael R. Bloomberg não mude de idéia e de filiação partidária novamente. Muitos membros da elite republicana vêem Giuliani como o único candidato com estatura e carisma para recuperar o governo e, talvez mais urgente do que isso, reanimar a imagem decadente do partido no Estado.

Giuliani fez algumas das coisas que se esperam de um possível candidato ao governo, incluindo fazer campanha com dois senadores republicanos do Estado, Serphin R. Maltese do Queens e Martin J.
Golden do Brooklin, no mês passado.

O presidente estadual do partido, Joseph N. Mondello, abordou o assunto quando se encontrou com Giuliani durante o verão.

"Ele ficou lisonjeado, abriu um belo sorriso, mas não houve nenhuma discussão profunda", disse Mondello. "Obviamente ele estava, penso eu, deixando suas opiniões em aberto e dizendo, 'Vamos ver onde isso vai dar'."

Um dos conselheiros mais antigos de Giuliani, falando sob a condição de anonimato para não revelar nada antes do prefeito, disse: "Tivemos uma conversa séria sobre isso."

"Ele tem de ver um desafio em concorrer. Tem de haver uma razão para ele concorrer, e muito depende de sua esposa, se ela está disposta para outra temporada", disse o conselheiro. "Mas acho que Rudy sempre se resignou pelo amor ao serviço público."

Mas Anthony V. Carbonetti, há muito tempo conselheiro e parceiro de negócios de Giuliani, disse que qualquer insinuação sobre uma possível candidatura de Giuliani para governador é prematura.

"As únicas conversas políticas que tive com o prefeito Giuliani recentemente foram em relação a ele ajudar na eleição de McCain-Palin", disse Carbonetti. Quaisquer outras considerações, disse ele, são "secundárias".

Uma série de notícias divulgadas este ano de que Giuliani estava planejando um comitê de ação política para ajudar os republicanos de Nova York parece não ter frutificado; uma assessora disse que ele não criou nenhum comitê.

As autoridades estaduais do partido estão, no momento, ocupadas numa batalha para manter o controle do Senado estadual nas eleições do mês que vem e é provável que se voltem para o assunto da candidatura a governador mais seriamente depois de 4 de novembro.

"Se vou revisitar o assunto com o prefeito Giuliani? A resposta é sim, certamente", disse Mondello. "Não tenho nenhuma intenção de perder tempo".

Mas existem vários obstáculos potenciais.

Se McCain ganhar a presidência, acredita-se que Giuliani receberia a oferta de uma posição em seu gabinete. Giuliani também teria que reconstruir suas finanças - seus fundos de campanha têm mais de US$ 3 milhões de débito federal deixados por sua candidatura presidencial, de acordo com os mais recentes relatórios de campanha.

Também existe a bagagem acumulada da vida pessoal de Giuliani, que o prejudicou na corrida presidencial. E também existem preocupações de
negócios: Giuliani teria que passar mais tempo longe de sua empresa de consultoria, a Giuliani Partners, para concorrer a um cargo político novamente.

E existe também o governador David A. Paterson, que era em grande parte desconhecido para muitos novaiorquinos há sete meses, mas que muitos estrategistas republicanos agora vêem como um candidato viável e até mesmo forte - apesar de perder para Giuliani, acreditam.

Paterson, democrata do Harlem, tem um histórico de voto liberal durante mais de duas décadas no Senado, mas como governador ele voltou-se para a direita em relação aos assuntos fiscais. Ele também tem arrecadado fundos para sua campanha de forma agressiva, e suas estatísticas de aprovação têm sido altas. Ainda assim, 2010 ainda está bem longe, e ele terá de governar durante um longo período de problemas financeiros.

"Vejo David Paterson como um grande oponente", disse o republicano Peter T. King, republicano de Long Island que também pensa em candidatar-se a governador. King disse que ele renunciaria para Giuliani, se o ex-prefeito decidir concorrer.

"Rudy é nosso candidato quatro-estrelas", disse King. "Rudy é um amigo, e eu o apoiei à presidência. Se ele estiver concorrendo, irei apoiá-lo. Não teria sentido competir com Rudy."

O governador V. Molinari, ex-presidente distrital de Staten Island, disse que a idéia de Giuliani candidatar-se a governador tem grande apelo para muitos republicanos.

"Agora, o partido Republicano está prejudicado em todos os níveis do governo", disse ele, acrescentando que "é essencial que tenhamos alguém forte concorrendo a governador, e não consigo pensar em ninguém que seria mais popular do que Giuliani."

Depois de um comparecimento fraco nas eleições de 2006, os republicanos não mantiveram seus postos eleitorais no Estado, e os democratas estão a duas cadeiras de ganhar o controle do Senado estadual. Alguns republicanos temem que nenhum candidato além de Giuliani teria um desempenho melhor do que John J. Faso, o ex-deputado estadual que sofreu uma derrota avassaladora para Eliot Spitzer em 2006.

"Ele é o cara que pode fazer isso", disse Golden, acrescentando que "sem dúvida" Giuliani poderia derrotar Paterson.

Dean G. Skelos, líder da maioria no Senado, disse, "o prefeito Bloomberg não está interessado - ele quer ser prefeito novamente - então nesse momento o candidato mais forte que temos é Rudy Giuliani."

O senador estadual Thomas W. Libous, republicano de Binghamton, disse:
"O nome de Rudy sempre é cogitado no norte do Estado como um forte candidato. Acho que as pessoas gostam de sua abordagem realista, e agora estamos certamente passando por tempos difíceis, e acho que ele seria bem recebido."

O governo de Paterson recusou-se a comentar, mas o deputado estadual Keith L. T. Wright, democrata do Harlem que conhece o governador há décadas, disse que Paterson poderia ir melhor do que o esperado contra Giuliani.

"Será como Luke Skywalker contra Darth Vader, e a força estará com o nosso governador", disse ele. "Temos um cara que foi empurrado para a frente dos holofotes em março deste ano, e parece que ele tem feito isso desde 2006."

"Não sei por que os republicanos gostariam que Giuliani concorresse novamente, porque nós de Nova York não quisemos ele de novo depois que terminou seu mandato", acrescentou. "Todo o que posso dizer é caveat emptor [que o comprador tenha cuidado]." Eloise De Vylder

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host