UOL Notícias Internacional
 

21/10/2008

Krugman: os verdadeiros encanadores de Ohio

The New York Times
Paul Krugman
Há quarenta anos, Richard Nixon fez uma descoberta notável de marketing. Ao explorar as divisões dos Estados Unidos - as divisões em torno do Vietnã, as divisões em torno das mudanças culturais e, acima de tudo, as divisões raciais - ele conseguiu reinventar a marca republicana. O partido dos plutocratas ganhou nova embalagem como partido da "maioria silenciosa", as pessoas comuns - as pessoas brancas, sem dizer diretamente- que não gostavam das mudanças sociais que estavam ocorrendo.

Era uma fórmula vencedora. E o melhor é que a nova embalagem não exigia qualquer mudança do produto que continha de fato - na verdade, o Partido Republicano conseguiu continuar vencendo eleições mesmo enquanto suas políticas de fato se tornavam mais pró-plutocratas, e menos favoráveis aos trabalhadores americanos, do que nunca.

A estratégia de John McCain, nesta reta final de campanha, se baseia na crença de que a velha fórmula ainda tem força.

Assim, nós temos Sarah Palin expressando sua alegria ao visitar as partes "pró-América" do país - sim, nós todos somos traidores aqui em Nova Jersey. Enquanto isso, temos McCain transformando Samuel J. Wurzelbacher, também conhecido como Joe, o Encanador - aquele que confrontou Barack Obama durante uma parada de campanha, alegando que o candidato democrata aumentaria seus impostos- na peça central de seu ataque às propostas econômicas de Obama.

E quando foi mostrado que o novo ícone da direita tinha algumas falhas, como não ser um encanador autorizado e ao comparar Obama a Sammy Davis Jr., os conservadores se fizeram de vítima: estão vendo como esses elitistas esnobes odeiam o homem comum?

Mas o que está realmente acontecendo aos encanadores de Ohio e aos trabalhadores americanos em geral?

Acima de tudo, eles não estão ganhando muito dinheiro. Você pode se recordar de que em um dos primeiros debates democratas, Charles Gibson da "ABC" sugeriu que US$ 200 mil por ano era uma renda de classe média. Diga isso aos encanadores de Ohio: segundo o relatório de renda por ocupação do Birô de Estatísticas do Trabalho, de maio de 2007, a renda anual média de encanadores em Ohio era de US$ 47.930.

Segundo, a renda real deles estagnou ou caiu, mesmo nos anos supostamente bons. O governo Bush nos assegurou que a economia estava próspera em 2007 - mas a renda média do encanador de Ohio naquele relatório de 2007 era apenas 15,5% maior do que no relatório de 2000, insuficiente para acompanhar o aumento de 17,7% nos preços ao consumidor no Meio-Oeste. O que aconteceu aos encanadores de Ohio também aconteceu com todo o país: a renda média dos lares, corrigida pela inflação, era menor em 2007 do que em 2000.

Terceiro, os encanadores de Ohio têm tido dificuldade para manter planos de saúde, especialmente se, como muitos profissionais semelhantes, trabalharem para pequenas empresas. Segundo a Kaiser Family Foundation, em 2007 apenas 45% das empresas com menos de 10 funcionários ofereciam plano de saúde, uma queda em comparação a 57% em 2000.

E tenha em mente que todos estes dados se referem a 2007 - que foi um dos melhores dentre os anos recentes. Agora que o "boom de Bush" acabou, nós podemos ver que ele conseguiu uma distinção desagradável: pela primeira vez na história, uma expansão econômica não conseguiu elevar a renda da maioria dos americanos acima do pico anterior.

De lá para cá, é claro, as coisas rolaram rapidamente colina abaixo, à medida que milhões de trabalhadores americanos perderam seus empregos e seus lares. E todos os indicadores sugerem que as coisas piorarão ainda mais nos próximos meses e anos.

Então, o que tudo isso diz a respeito dos candidatos? Quem realmente está do lado dos encanadores de Ohio?

McCain alega que as políticas de Obama levariam ao desastre econômico. Mas as políticas do presidente Bush já levaram ao desastre - e independente do que possa dizer, McCain propõe a continuidade das políticas de Bush em todos os aspectos essenciais, e ele compartilha a filosofia antigoverno e anti-regulamentação de Bush.

E quanto à alegação, com base na queixa do Joe, o Encanador, de que os trabalhadores americanos comuns pagarão mais impostos sob Obama? Bem, Obama propõe o aumento dos impostos apenas nas duas faixas superiores de renda - e a segunda faixa mais alta de renda para um chefe de família começa com uma renda, após as deduções, de US$ 182.400 ao ano.

Talvez existam por aí encanadores que ganhem tanto, ou que acabem sofrendo com a proposta de Obama de aumentos modestos nos impostos sobre os dividendos e ganhos de capital - os Estados Unidos são um país grande e provavelmente existam encanadores de alta renda com portfólios imensos de ações. Mas o encanador típico pagaria impostos menores, e não maiores, no governo Obama, e teria uma chance muito melhor de ter um plano de saúde.

Eu não quero sugerir que o plano de impostos de Obama seria melhor para todos. Joe, o Encanador, certamente ficaria melhor, mas Richie, o administrador de fundo hedge, certamente receberia um duro golpe. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host