UOL Notícias Internacional
 

04/12/2008

Editoras anunciam demissões

The New York Times
Motoko Rich
Em um dia de notícias particularmente ruins para o setor de livros, a Random House, a maior editora do mundo de livros de consumo, anunciou uma ampla reorganização visando reduzir custos, enquanto a Simon & Schuster demitiu 35 pessoas, incluindo o chefe de sua unidade de livros infantis.

As medidas sinalizaram quão ruins as vendas se tornaram nas livrarias e ocorreram após as notícias desta semana de que o editor da divisão adulta da Houghton Mifflin Harcourt, a casa que representa autores como Philip Roth e José Saramago, pediu demissão, supostamente em protesto pelo congelamento temporário da aquisição de novos livros.

Pessoas de dentro do setor já a estavam chamando de "Quarta-feira Negra", à medida que surgiam notícias de mais demissões da Houghton Mifflin, uma redução de 10% no quadro de funcionários da Thomas Nelson, a maior editora do mundo de Bíblias em língua inglesa, um congelamento salarial na unidade Penguin Group da Pearson e o adiamento dos aumentos salariais na HarperCollins, a divisão de livros da News Corp.

As notícias na Random House, incluindo os pedidos de demissão dos chefes de seus maiores grupos, ocorreram após meses de especulação sobre o destino da empresa. Desde que o Bertelsmann, o conglomerado de mídia alemão que é dono do grupo editorial, nomeou Markus Dohle, o ex-chefe do setor gráfico da empresa, para chefiar a Random House em maio, a maioria das pessoas presumiu que ele consolidaria alguns selos e promoveria mudanças de pessoal.

Em um memorando para os funcionários na quarta-feira, Dohle disse que Irwyn Applebaum, publisher do Bantam Dell Publishing Group, e Stephen Rubin, publisher do Doubleday Publishing Group, tinham pedido demissão. Em um memorando separado, Dohle disse que estava discutindo com Rubin a "criação de um novo papel para ele na Random House".

A Bantam Dell publica autores incluindo Dean Koontz e Danielle Steel. Entre os autores da Doubleday estão John Grisham e Dan Brown.

Dohle não anunciou mais demissões na quarta-feira. Mas em uma entrevista, uma porta-voz, Carol Schneider, disse que os publishers farão uma revisão de seus quadros de funcionários. "Pode ser que algumas escolhas difíceis tenham que ser feitas mais à frente", ela disse.

Em um memorando para os funcionários da Simon & Schuster, Carolyn K. Reidy, a presidente-executiva, disse que as 35 demissões na empresa foram resultado de "um reconhecimento inevitável do atual mercado de livros e daquele que poderá ser um período prolongado de instabilidade econômica". Entre os demitidos estava Rick Richter, presidente da divisão de livros infantis da Simon & Schuster. Reidy disse que Richter pediu demissão para "explorar outras oportunidades no mercado editorial".

A Simon & Schuster, editora de autores como Stephen King e Bob Woodward, é a divisão de livros da CBS Corp.

A sacudida no setor ocorre durante o que editores e donos de livrarias descreveram como o pior ambiente de varejo de sua memória. Recentemente, Leonard S. Riggio, presidente do conselho e maior acionista da Barnes & Noble, previu um péssimo período de compras natalinas e escreveu em um memorando interno que "nunca em todos meus anos como vendedor de livros eu vi um clima tão ruim no varejo como este em que estamos".

A deterioração na venda de livros parece ter ocorrido no final do ano. Segundo a Nielsen BookScan, que monitora cerca de 70% das vendas no varejo, as vendas neste ano na verdade cresceram ligeiramente. Mas várias editoras disseram que as vendas em outubro e novembro enfraqueceram drasticamente.

O setor estava se preparando para maiores demissões. No mês passado, John Sargent, presidente-executivo da Macmillan, cujas divisões incluem a Farrar, Straus and Giroux e a St. Martin's Press, disse em uma reunião do staff de toda a empresa que não poderia garantir o emprego de todos na sala. Sargent se recusou a comentar. A Macmillan faz parte do grupo editorial Georg von Holtzbrinck.

"Tempos como estes forçam a mão das pessoas", disse Robert Gottlieb, presidente da agência literária Trident Media. "Durante os bons tempos, você pode absorver melhor uma série de linhas que não estão se saindo bem do que quando a economia se encontra na condição atual."

Na Random House, Dohle anunciou mudanças que elevaram os papéis de Sonny Mehta, chefe do prestigiado Knopf Publishing Group; Gina Centrello, chefe da unidade chamada Little Random; e Jenny Frost, presidente do Crown Publishing Group, editora dos dois livros de memórias do presidente eleito Barack Obama.

Na nova organização, o império de Mehta se expandirá para incluir os selos Doubleday e Nan A. Talese, adicionando autores como Margaret Atwood e Jonathan Lethem ao rol de escritores da Knopf, que inclui John Updike e Toni Morrison.

Centrello supervisionará o Random House Publishing Group, que inclui a divisão Ballantine, assim como a Bantam Dell, Dial Press e um selo relativamente novo da Doubleday, Spiegel & Grau. Frost assumirá os selos do Doubleday Group, incluindo o Doubleday Business e Doubleday Religion.

A maioria das pessoas no setor não ficou surpresa por Applebaum ter pedido demissão da Bantam, que há muito era considerada o elo fraco da Random House. Um percentual significativo de seus negócios vem do segmento de mercado de massa, o formato brochura de tamanho menor no qual romances populares e livros de suspense são publicados, que há vários anos apresenta declínio de vendas.

Mas veteranos do setor ficaram surpresos por Rubin, que é bem conceituado no setor, ter sido afastado de seu cargo e com o desmanche do Doubleday Group, apesar de um ano particularmente ruim.

Dan Brown, autor de "O Código Da Vinci", fracassou novamente em entregar seu próximo romance, cujo lançamento estava originalmente previsto para 2005. Jon Krakauer, autor de aventuras de sucesso como "Na Natureza Selvagem" e "No Ar Rarefeito", pegou de volta seu livro sobre Pat Tillman, o ex-astro do futebol americano morto no Afeganistão, com lançamento originalmente previsto para outubro e que teria tiragem inicial de 500 mil cópias.

Para completar, "The Gargoyle", um romance de estreante pelo qual a Doubleday teria pago US$ 1,25 milhão, foi um fracasso, vendendo apenas 34 mil exemplares de capa dura, segundo a Nielsen BookScan. Em outubro, a Doubleday demitiu 10% de seus funcionários. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,32
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,56
    63.760,62
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host