UOL Notícias Internacional
 

26/01/2009

Sexo e depressão: se não na mente, no cérebro

The New York Times
Richard A. Friedman
Como todo mundo sabe, sexo é bom.

Será? Nos últimos anos, recebi vários pacientes para quem o sexo não apenas não é prazeroso; mas de fato parece fazer mal.

Um deles, um jovem de 20 e poucos anos, descreveu dessa maneira: "Depois do sexo, eu me sinto literalmente dolorido e deprimido por cerca de um dia inteiro".

Do contrário, ele tem uma ficha limpa de saúde, tanto médica quanto psiquiátrica: bem ajustado, trabalhador, com muitos amigos e uma família unida.

Acreditem, eu poderia ter fabricado uma explicação muito facilmente. Ele tinha conflitos escondidos em relação ao sexo, ou tinha sentimentos ambivalentes em relação a sua parceira. Quem não tem?

Mas pesquisei o quanto pude para encontrar uma boa explicação, e não consegui achar nenhuma. Apesar de seus sintomas e ansiedade serem bastante reais, disse que ele não tinha nenhum problema psiquiátrico importante que necessitasse de tratamento. Ele ficou claramente desapontado ao deixar meu consultório.

Não pensei muito sobre o caso até algum tempo depois, quando conheci outra paciente com uma queixa similar. Era uma mulher de 32 anos que passava por períodos de quatro a seis horas de depressão intensa e irritabilidade depois de um orgasmo, sozinha ou com um parceiro. Era tão ruim que ela estava começando a evitar o sexo.

Recentemente, um colega psicanalista - um homem conhecido por sua capacidade de desvendar psicopatologias - telefonou para mim sobre outro caso. Ele estava intrigado com uma mulher de 24 anos que ele considerava psiquiatricamente saudável, exceto por uma intensa depressão que durava várias horas depois do sexo.

Não há nada estranho em sentir um pouco de tristeza depois do prazer sexual. Conforme diz o ditado, depois do sexo os animais ficam tristes. Mas esses pacientes experimentavam uma intensa disforia que durava muito tempo e era muito perturbadora para ser descartada como simples tristeza.

Ainda assim, é difícil resistir à tentação de especular sobre explicações psicológicas em relação ao comportamento sexual. Os psiquiatras gostam de brincar que tudo está relacionado ao sexo, exceto o próprio sexo, o que é outra forma de dizer que praticamente todo comportamento humano é permeado por um significado sexual escondido.

Talvez, mas eu me perguntava se nesses casos, não seria algo menos profundo como um simples desvio na neurobiologia do sexo que fazia com que esses pacientes se sentissem tão mal.

Pouco se sabe sobre o que acontece no cérebro durante o sexo. Em 2005, o Dr. Gert Holstege da Universidade de Groningen na Holanda usou a tomografia por emissão de pósitrons para escanear o cérebro de homens e mulheres durante o orgasmo. Ele descobriu, entre outras mudanças, uma diminuição drástica de atividade na amígdala, a região do cérebro envolvida no processamento dos estímulos de medo. Além de causar prazer, o sexo claramente reduz o medo e a ansiedade.

A antropóloga Helen E. Fischer, de Rutgers, usou imagens de ressonância magnética funcional para observar mais amplamente o circuito neural do amor romântico. Para um grupo de homens e mulheres jovens que disseram estar apaixonados, ela mostrou uma foto do objeto da paixão e de uma pessoa neutra. Os sujeitos mostraram uma ativação notável no circuito de recompensa de dopamina do cérebro apenas em resposta ao amado, similar à resposta do cérebro a outras recompensas como dinheiro e comida.

Será que alguns pacientes têm uma atividade particularmente forte na amígdala depois do orgasmo que faz com que eles se sintam mal?

A literatura de pesquisa não diz praticamente nada sobre depressão induzida pelo sexo, mas uma pesquisa no Google revelou vários websites e salas de discussão sobre algo chamado tristeza pós-coito. Quem imaginaria? Lá, eu li vários depoimentos quase idênticos aos dos meus pacientes, com indicações de vários remédios para a doença.

Quando os médicos avaliam os tratamentos comuns e não conseguem encontrar nada, como eu fiz, num território sem mapa com poucas evidências quanto ao que fazer, eles consideram os chamados tratamentos novos. Frequentemente, você prescreve um desses tratamentos baseado em sua especulação sobre a biologia por trás da síndrome em questão. Isso pode envolver o uso de drogas aprovadas em situações para as quais elas dificilmente foram prescritas.

Uma pista para um possível tratamento é que o Prozac e seus similares, inibidores da recaptura de serotonina, normalmente interferem no funcionamento sexual em determinado grau. A serotonina é boa para o humor, mas muita quantidade dela no cérebro e na medula espinhal é definitivamente ruim para o sexo.

Eu achava que, se pudesse de alguma forma modular a resposta sexual dos meus pacientes, torná-la menos intensa, isso poderia diminuir o estado emocional negativo depois. Em outras palavras, eu exploraria os efeitos colaterais normalmente indesejados dos SSRI para um possível efeito terapêutico.

Como qualquer um que tenha tomado uma dessas drogas para depressão pode confirmar, pode levar algumas semanas até que você se sinta melhor, mas os efeitos colaterais, como a disfunção sexual, são normalmente imediatos. Para os meus pacientes, isso acabou se mostrando uma vantagem. Depois de apenas duas semanas tomando o medicamento, ambos disseram que apesar de o sexo ser menos prazeroso em intensidade, não foi seguido por crise emocional.

Agora, há pelo menos três razões possíveis para os pacientes se sentirem melhor: a droga funcionou; ela teve um efeito placebo; ou houve uma flutuação aleatória dos sintomas - eles teriam melhorado se não tivessem feito nada.

Eu sugeri parar o tratamento, e retomar se o problema voltasse. Em ambos os casos, os sintomas voltaram e depois diminuiram com a droga - sugerindo, baseado nesse minúscula amostra, que o efeito da droga era real.

Se esses pacientes me ensinaram alguma coisa, é que os problemas sexuais nem sempre escondem problemas psicológicos profundos e sombrios. A verdade é que o órgão sexual mais importante dos seres humanos é o cérebro. O sexo pode ser o mais físico dos atos, mas a depressão também pode ser física - às vezes sem um significado maior do que um desvio na biologia.

Tradução: Eloise De Vylder

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host