UOL Notícias Internacional
 

16/04/2009

Fuligem de fornos do terceiro mundo são o novo alvo da luta contra a mudança climática

The New York Times
Elisabeth Rosenthal
Em Kohlua (Índia)
"É difícil acreditar que é isso que está derretendo as geleiras", diz Veerabhadran Ramanathan, um dos maiores cientistas especializados em clima do mundo, enquanto caminha por um conjunto de casebres de tijolos, cada um deles contendo um fogão a lenha feito de barro que despeja fuligem na atmosfera.

Enquanto mulheres usando saris rasgados e multicoloridos assam pães e cozinham lentilhas no início da noite, sobre um fogo alimentado por gravetos e esterco, crianças tossem devido à densa fumaça que invade as suas casas. Uma camada negra de fuligem cobre a parte interna de telhados de palha. Ao alvorecer, uma nuvem amarronzada estende-se sobre a paisagem como se fosse um cobertor sujo e diáfano.

  • Adam Ferguson/The New York Times

    Mulher cozinha lentilhas em Kohlua, na Índia, sobre um fogo alimentado por gravetos e esterco

  • Adam Ferguson/The New York Times

    A fuligem de dezenas de milhares de aldeias, surge como causadora da alteração climática global

  • Adam Ferguson/The New York Times

    Ao alvorecer, uma nuvem amarronzada estende-se sobre a paisagem como se fosse um cobertor sujo

Em Kohlua, na região central da Índia, que não tem carros e onde o fornecimento de energia elétrica é mínimo, as emissões de dióxido de carbono, o principal gás aprisionador de calor que está vinculado ao aquecimento global, são quase nulas. Mas a fuligem - também conhecida como carbono negro - de dezenas de milhares de aldeias como Kohlua, está emergindo como um importante, e anteriormente subestimado, causador da alteração climática global.

De acordo com os cientistas, embora o dióxido de carbono possa ser o contribuidor número um para o aumento das temperaturas globais, o carbono negro foi identificado como um importante número dois, e estudos recentes estimam que ele seja responsável por 18% do aquecimento planetário, comparados aos 40% atribuídos ao dióxido de carbono. Segundo especialistas em clima, a redução das emissões de carbono negro seria uma maneira relativamente barata de controlar significativamente o aquecimento global - especialmente no curto prazo. A substituição dos primitivos fogões a lenha por versões modernas que emitem muito menos fuligem poderia proporcionar uma redução muito necessária das emissões perniciosas, enquanto os países enfrentam a tarefa mais difícil de implementar programas e desenvolver tecnologias para a contenção das emissões de dióxido de carbono provenientes dos combustíveis fósseis.

De fato, a redução do carbono negro é uma dentre várias maneiras simples e relativamente rápidas de conter a alteração climática com o uso de tecnologias existentes - muitas vezes chamadas de "frutas ao alcance da mão" - que, segundo os cientistas, deveriam ser utilizadas imediatamente para evitar a materialização das piores consequências projetadas do aquecimento global. "Está claro para qualquer pessoa que se preocupe com a alteração climática que isso terá um grande impacto sobre o clima global", afirma Ramanathan, professor de ciências climáticas do Instituto Scripps de Oceanografia, que está trabalhando com o Instituto de Energia e Recursos em Nova Déli em um projeto para ajudar famílias pobres a adquirirem fogões novos.

"Em termos de mudança climática, somos como uma pessoa que dirige rapidamente um automóvel em direção a uma montanha, e isto poderia permitir que ganhássemos tempo para evitar a colisão", diz Ramanathan, que deixou a Índia há 40 anos, e que retornou ao seu país natal para participar do projeto.

E o melhor é que a redução da fuligem teria um efeito rápido. Ao contrário do dióxido de carbono, que persiste na atmosfera por anos, a fuligem permanece no ar durante algumas semanas. A conversão para fogões que produzem pouca fuligem acabaria rapidamente com o efeito de aquecimento planetário provocado pelo carbono negro, mas seriam necessários anos fechando usinas termoelétricas movidas a carvão para reduzir substancialmente as concentrações globais de dióxido de carbono na atmosfera.

Mas a identificação do papel desempenhado pelo carbono negro na mudança climática é um fato tão recente que ele sequer foi mencionado como agente de aquecimento no relatório de 2007 do Painel Intergovernamental de Mudança Climática. O documento confirmou que as provas de que está ocorrendo o aquecimento global são "inequívocas". Mark Z. Jacobson, professor de engenharia ambiental da Universidade de Stanford, afirma que o fato de o carbono negro não estar incluído nas iniciativas internacionais para conter o aquecimento global é "bizarro". "Mas isso deve-se em parte ao fato de essa constatação ser tão nova", diz ele. A Organização das Nações Unidas (ONU) está procurando - assim como o governo dos Estados Unidos - descobrir como incluir o carbono negro em programas de alteração climática.

Na Ásia e na África, os fogões a lenha produzem a maior parte do carbono negro emitido, embora este também emane de motores a diesel e usinas termoelétricas movidas a carvão. Nos Estados Unidos e na Europa, as emissões de carbono negro já foram significativamente reduzidas devido à utilização de filtros e dispositivos de limpeza.

Como se fossem diminutos casacos pretos que captam calor, as partículas de fuligem aquecem o ar e derretem o gelo ao absorverem o calor do sol quando depositam-se nas geleiras. Um estudo recente estima que o carbono negro possa ser responsável por até a metade do aquecimento do Ártico. Embora as partículas tendam a depositar-se com o tempo e não tenham o alcance geográfico global dos gases causadores do efeito estufa, elas deslocam-se, conforme atualmente percebem os cientistas. Fuligem da Índia foi descoberta nas Ilhas Maldivas e no Planalto Tibetano; e o carbono negro produzido nos Estados Unidos viaja até o Ártico. As consequências ambientais e geopolíticas das emissões de fuligem são enormes. Segundo o professor Syed Iqbal Hasnain, especialista em geleiras do Estado indiano de Sikkim, as geleiras dos Himalaias deverão perder 75% do seu gelo até 2020.

Essas geleiras são a fonte de abastecimento dos principais rios da Ásia. O resultado de curto prazo do derretimento das geleiras são as graves inundações que atingem as comunidades das montanhas. Segundo Hasnain, o número de enchentes provocadas pelos lagos glaciais já está aumentando drasticamente. Quando as geleiras diminuírem de tamanho, os grandes rios asiáticos sofrerão uma redução de fluxo ou secarão durante parte do ano, e não há dúvida de que haverá na região batalhas desesperadas pela água em uma região já repleta de conflitos.

Os médicos há muito condenam o carbono negro devido aos seus efeitos devastadores sobre a saúde da população nos países pobres. "A combinação de benefícios de saúde e ambientais significa que a redução da fuligem é uma medida na qual os investimentos geram grandes resultados", afirma Erika Rosenthal, advogada da organização Earth Justice, com sede em Washington. "Atualmente é do interesse de todos lidar com problemas como o dos fogões a lenha - e isso não apenas porque centenas de milhares de mulheres e crianças que moram longe daqui estão morrendo prematuramente".

Nos Estados Unidos, as emissões de carbono negro são monitoradas indiretamente e minimizadas por meio de programas federais e estaduais que limitam as emissões de pequenas partículas, uma categoria de partículas perniciosa à saúde humana e que inclui o carbono negro. Mas, em março, o congresso norte-americano aprovou uma lei que exigirá que a Agência de Proteção Ambiental regule especificamente o carbono negro e remeta auxílio financeiro para projetos de redução de carbono negro no exterior, incluindo a introdução de fogões em 20 milhões de residências. Os novos fogões custam cerca de US$ 20 e utilizam energia solar ou são mais eficientes. A emissão de fuligem é reduzida em mais de 90%. Os fogões solares não usam lenha nem esterco. E outros fogões convencionais novos simplesmente queimam combustível de forma mais limpa, geralmente pulverizando primeiro o combustível e fazendo uso de um pequeno ventilador que otimiza a combustão.

É difícil imaginar que aldeias rurais remotas como Kohlua possam desempenhar um papel no combate à crise do aquecimento global. Nela não há carros - o antigo jipe branco do chefe da aldeia está impecavelmente polido na frente da sua casa, mas não é utilizado. É uma peça de museu. Não há na aldeia água corrente, e o fornecimento de energia elétrica é intermitente, e só alimenta umas poucas lâmpadas incandescentes.

Os 1.500 moradores daqui cultivam trigo, mostarda e batatas, e trabalham por contrato diário em Agra, cidade do Taj Mahal, que fica a cerca de duas horas de ônibus.

Eles ganham cerca de US$ 2 por dia e, em sua maioria, não ouviram falar da mudança climática. Mas nos últimos anos eles têm percebido a ocorrência frequente de secas, algo que os cientistas dizem que pode estar vinculado ao aquecimento global. As lavouras amadurecem mais cedo e apodrecem com mais frequência do que ocorria dez anos atrás. Os moradores da aldeia estão também conscientes de que o carbono negro pode ser corrosivo. Em Agra, é proibido o uso de fogões a lenha e de motores diesel na área em torno do Taj Mahal, porque as partículas de fuligem danificam a preciosa fachada do monumento.

Mas a substituição de centenas de milhões de fogões a lenha - fonte de calor, água e de água esterilizada - não é uma tarefa simples. "Eles sem dúvida são bonitos, mas eu teria que vê-los e testá-los", afirma Chetram Jatrav, agachada ao lado do seu fogão a lenha, enquanto faz chá e um pão achatado chamado roti. Os três filhos dela estão tossindo.

"Eu gostaria de ter um fogão que produzisse menos fumaça e usasse menos combustível, mas não tenho dinheiro para isso", diz ela, enquanto coloca no fogo um bloco de esterco que comprou por uma rupia. Jatrav acabou de comprar o seu primeiro rolo de esticar massa, de forma que o seu pão fique "bonito e redondo", conforme os filhos dela viram na escola primária. Igualmente importante é o fato de as labaredas dos fogões a lenha conferirem aos pratos tradicionais o seu sabor característico. Pedir aos moradores desta aldeia que façam roti em um fogão solar é algo que provoca o mesmo misto de resistência racional e irracional com o qual alguém se depararia ao dizer a um italiano que um risoto preparado no forno de microondas é tão bom quanto àquele feito da forma tradicional.

Em março, o projeto dos fogões, chamado Surya, passou a fazer um "teste de marketing" com seis fogões alternativos nas aldeias, em parte para avaliar os benefícios do novo equipamento. Os pesquisadores já reclamam de que os novos fogões parecem instrumentos científicos e são frágeis; um deles foi danificado quando uma das moradoras introduziu gravetos nele com muita força.

Mas para que o problema do carbono negro seja enfrentado em grande escala, é fundamental que os novos fogões sejam aceitos. "Eu não vou dizer às moradoras das aldeias que o nível de gás carbônico na atmosfera está aumentando e que, dentro de 50 anos, poderá haver enchentes", afirma Ibrahim Rehman, auxiliar de Ramanathan no Instituto de Energia e Recursos. "Vou falar sobre os pulmões e sobre os filhos dela, e sei que isso ajudará também no combate à alteração climática".

Tradução: UOL

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h40

    -0,13
    3,164
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h48

    2,17
    70.123,35
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host