UOL Notícias Internacional
 

30/04/2009

Novos trabalhos fotográficos são encontrados em caixas de papelão velhas

The New York Times
Randy Kennedy
Quando as três caixas velhas de papelão - conhecidas coletivamente, e cinematograficamente, como "a mala mexicana" - chegaram ao Centro Internacional de Fotografia há mais de um ano, uma das primeiras coisas que um especialista em conservação de fotografias fez foi inclinar-se e cheirar o filme dobrado que havia dentro delas, temendo sentir um cheiro acre denunciador, um sinal da decomposição da película de nitrato.

  • Robert Capa/The International Center of Photography via The New York Times
  • Robert Capa/The International Center of Photography via The New York Times
  • Robert Capa/The International Center of Photography via The New York Times

    Entre os 4.300 negativos achados, estão fotos tiradas por Robert Capa, um dos fundadores da agência Magnum, durante a Guerra Civil Espanhola

Mas descobriu-se que os rolos de filme estavam em notável bom estado, apesar de terem permanecido praticamente intocados durante 70 anos. E, assim, teve início o árduo processo de desenrolá-los, escaneá-los e descobrir o que havia nos 4.300 negativos de fotos tiradas por Robert Capa, Gerda Taro e David Seymour durante a Guerra Civil Espanhola, um trabalho pioneiro que há muito acreditava-se ter sido perdido, mas que reapareceu vários anos atrás.

O que os especialistas do centro descobriram em meio aos 126 rolos nos últimos meses foram várias fotos desconhecidas tiradas por Capa, um dos fundadores da agência de fotografias Magnum e fotógrafo de guerra pioneiro, e por Taro, a sua parceira profissional e companheira, que morreu em 1937, ao ser atingida por um tanque perto da frente de batalha, a oeste de Madri. Mas o mais surpreendente foi a quantidade de novos trabalhos feitos por Seymour, conhecido como Chim, que estavam nas caixas. Chim, que foi um outro co-fundador da Magnum, não ficou conhecido pelas suas fotografias de batalha, mas sim pelo fato de ter documentado de forma penetrante a vida espanhola à sombra da guerra.

"Isto de fato amplia pela primeira vez a nossa visão de Chim na Espanha, e o trabalho é de fato uma grande realização", afirma Brian Wallis, o curador do centro, que está planejando organizar uma exposição retrospectiva da carreira de Chim, que seria inaugurada em setembro de 2010. Cerca de um terço dos negativos encontrados nas caixas foi produzido por Chim (que pronuncia-se "shime", uma abreviatura do seu verdadeiro sobrenome, Szymin), que foi morto em 1956, quando cobria a crise do Canal de Suez. "Estamos impressionados com a quantidade de trabalhos deles que havia nas caixas", diz Wallis.

Apesar da esperança inicial, os negativos não esclareceram um enigma que há muito paira sobre a carreira de Capa: se ele montou artificialmente o cenário da sua fotografia mais famosa, que foi uma das imagens que definiram a guerra, "O Soldado Caindo", que mostra um miliciano republicano espanhol caindo para trás, naquele que parece ser o instante em que a bala o mata em Córdoba. As caixas não continham nenhuma das séries de fotografias tiradas naquela fatídica tarde de 5 de setembro de 1936, embora várias imagens que sobreviveram da sequência tenham sido publicadas anteriormente, e Richard Whelan, o biógrafo de Capa, tenha argumentado persuasivamente que a foto não foi montada (nunca se encontrou o negativo da fotografia; ela foi reproduzida a partir de duas velhas impressões).

Segundo Cynthia Young, curadora no centro da Coletânea de Capa, e que é a pessoa mais envolvida com as imagens, o que as caixas proporcionaram foi uma compreensão bem mais profunda de como Capa, Taro e Chim trabalharam durante o período relativamente curto no qual estavam criando coletivamente o arquétipo do fotógrafo de guerra moderno. A descoberta também elucidou narrativas importantes da guerra, como a cobertura feita por Capa, em março de 1939, dos famosos campos de confinamento para refugiados espanhóis no sudoeste da França, um assunto que é foco cada vez maior de pesquisas históricas.

Com relação a Capa e Taro, os negativos recém-descobertos estão proporcionando uma forma de entender o confuso arquivo de imagens feitas por eles da Guerra Civil Espanhola, cujas datas, sequências e até mesmo atribuições continuavam incertas. Grande parte do trabalho conhecido deles realizado naqueles anos foi organizado em nove álbuns de provas de contato com poucas informações identificadoras (um dos álbuns está no centro, os outros encontram-se nos arquivos nacionais franceses, em Paris).

"Como os rolos nas caixas mostram fotos sequenciais de grande parte do trabalho de guerra mais famoso dos três fotógrafos, isso permite também que os especialistas vejam como os olhos deles estavam funcionando quando fotografavam essas histórias", diz Young. "E eu acho de fato que este é o fator mais interessante nesse projeto, vislumbrar o processo de pensamento deles".

O trabalho de escanear cuidadosamente todas as imagens de 35 milímetros só pôde ser iniciado plenamente vários meses após a chegada do material a Nova York, quando Grant Romer, um especialista em conservação de fotos da George Eastman House, em Rochester, no Estado de Nova York, ajudou a desenvolver um dispositivo especial através do qual os negativos podem ser submetidos a escaneamento digital sem que sejam danificados.

Mesmo agora que as imagens surgiram, a história de como os negativos saíram do estúdio de Capa, em Paris, e foram parar no México, não ficou nem um pouco esclarecida. A partir da reconstituição dos fatos feita por Whelan, o biógrafo (que morreu em 2007), e outros especialistas, Capa aparentemente pediu ao seu gerente de laboratório de revelação que salvasse os seus negativos, depois que o fotógrafo fugiu de Paris para Nova York. As caixas provavelmente chegaram a Marselha e, em algum momento, foram parar nas mãos do general Francisco Aguilar Gonzalez, um diplomata mexicano que no final da década de 1930 servia em Marselha, cidade na qual o governo mexicano ajudava os refugiados anti-fascistas da Espanha a emigrarem para o México.

Os negativos também foram parar no México, onde, após a morte do general, tornaram-se propriedade de um cineasta da Cidade do México, Benjamin Tarver, cuja tia era amiga próxima do general. Na década de 1990, Tarver anunciou a existência dos negativos, e em 2007, após delicadas negociações, ele concordou em entregá-los ao Centro Internacional de Fotografia, que foi fundado pelo irmão de Capa, Cornell Capa.

"Além das novas imagens feitas por Chim que serão exibidas na sua retrospectiva, o centro está planejando agora uma grande exposição em 2010 de grande parte do trabalho encontrado na mala mexicana", afirma Wallis. "Consideramos esta uma das mais importantes descobertas de trabalhos fotográficos do século 20".

Tradução: UOL

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h09

    1,03
    3,160
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h12

    -1,43
    74.314,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host