UOL Notícias Internacional
 

13/08/2009

À medida que se multiplicam os benefícios da aspirina, especialistas alertam sobre os riscos

The New York Times
Roni Caryn Rabin
A barata e ubíqua aspirina há muito é conhecida por seus benefícios à saúde, do alívio básico da dor à prevenção de ataques cardíacos. Mas após um novo estudo nesta semana fornecer evidências estimulantes sugerindo que a aspirina pode aumentar as chances de sobrevivência de pacientes de câncer colorretal, os especialistas foram rápidos em alertar que a droga, um item comum nos armários de remédios, também apresenta riscos.

"Se eu estivesse em uma ilha deserta, uma das drogas que escolheria ter comigo, sem dúvida, talvez a Nº1, seria a aspirina", disse o dr. John A. Baron, um professor de Medicina da Escola de Medicina de Dartmouth. "É uma ótima droga, fascinante, maravilhosa. Mas é uma droga e possui efeitos colaterais."
  • Jens Schlueter/AFP

Baron e outros especialistas alertaram contra o início de um regime diário de aspirina sem consultar um médico, devido aos riscos de sangramento gastrintestinal e o risco potencial de derrames hemorrágicos, ou sangramento no cérebro.

"A aspirina é uma droga que está conosco há pouco mais de 100 anos e continuamos aprendendo coisas impressionantes e importantes sobre seus benefícios potenciais", disse o dr. Otis Brawley, diretor médico da Sociedade Americana do Câncer. "Mas ela é uma faca de dois gumes."

O estudo mostrou que pacientes com câncer colorretal, que eram usuários regulares de aspirina, tinham uma chance muito melhor de sobrevivência do que os não-usuários, com uma probabilidade de cerca de um terço de morrer da doença, enquanto aqueles que começaram a usar aspirina após o diagnóstico reduziram seu risco de morrer quase pela metade.

Estudos anteriores mostraram que pessoas que tomavam aspirina regularmente tinham menor probabilidade de desenvolver tumores no cólon, mas o novo estudo, publicado no "The Journal of the American Medical Association", é o primeiro a descobrir que pacientes que tinham câncer colorretal e tomaram aspirina sobreviveram por mais tempo.

Um especialista em câncer de cólon que comentou o recente estudo o chamou de "notável" e "revolucionário". Mas então seus pacientes começaram a buscar orientação e ele se tornou mais circunspecto.

"Uma coisa é falar filosoficamente", disse o especialista, o dr. Alfred I. Neugut, um oncologista da Faculdade de Médicos e Cirurgiões da Universidade de Colúmbia, que escreveu um editorial entusiástico sobre o estudo no "The Journal of the American Medical Association" desta semana. "Mas este é apenas um estudo. Para saber se é verdade, ele precisa ser repetido. Todo experimento precisa ser repetido uma vez."

O novo estudo não foi um teste clínico controlado, onde os pacientes são divididos aleatoriamente para receber um tratamento específico ou um placebo. Esse tipo de estudo é considerado o padrão ouro para determinar recomendações clínicas de medicamentos, mas também é bem mais caro e desajeitado. Estudos por observação, como este novo, podem ser mais fracos ou enganadores.

Um teste clínico está em andamento na Ásia, onde o Centro Nacional de Câncer de Cingapura está inscrevendo 2.660 pacientes com doença sem metástase em Hong Kong, Índia, Indonésia e Cingapura, que darão continuidade a seu tratamento e serão selecionados aleatoriamente para receber diariamente aspirina ou um placebo por até três anos, segundo o site do Instituto Nacional do Câncer.

A maioria dos tumores de câncer colorretal é positivo para ciclooxigenase-2, ou COX-2, uma enzima que não está expressa em um cólon saudável, mas é ativada sob certas circunstâncias. A enzima parece estar envolvida na alimentação do crescimento celular anormal e contribui tanto para o desenvolvimento quanto para a disseminação do câncer, disse o dr. Andrew T. Chan, o autor do novo estudo.

Acredita-se que a propriedade anticâncer da aspirina esteja ligada à sua ação como inibidora do COX-2.

Um teste clínico envolvendo outro inibidor do COX-2, o celecoxib, cujo nome de marca é Celebrex, está em estágio de planejamento e começará a inscrever pacientes no início do próximo ano, disse Chan. Apesar de mais ser conhecido sobre os efeitos da aspirina na prevenção de pólipos colorretais e tumores do que outros cânceres, alguns estudos também insinuaram que a aspirina pode reduzir o risco de desenvolvimento de cânceres de mama, pulmão e próstata, que também estão associados à inflamação, disse Brawley.

"Parece que há - e ainda estamos falando teoricamente em alguns desses casos - um relacionamento entre inflamação e câncer em certos tumores", disse Brawley. "E essas drogas parecem ser benéficas porque são anti-inflamatórias e inibem a inflamação inibindo a COX-1 e COX-2."

O novo estudo de câncer colorretal apontou não apenas que os pacientes que tomaram aspirina regularmente após o diagnóstico de câncer colorretal tinham melhor chance de sobrevivência do que aqueles que não tomaram, mas também que aqueles que tinham tumores que expressavam em excesso a enzima COX-2 respondiam particularmente bem à aspirina.

A dra. JoAnn E. Manson, chefe de medicina preventiva do Brigham and Women's Hospital, que é afiliado à Escola de Medicina de Harvard, alertou sobre os riscos de usar até mesmo pequenas doses de aspirina diariamente, dizendo que em um grande estudo sobre a saúde das mulheres, meias-doses de aspirina para bebês estava associada a um aumento de 40% de sangramentos gastrintestinais sérios que exigiam transfusões.

Mas, ela reconheceu, pacientes que já estão diagnosticados com câncer colorretal podem sentir que não dispõem do luxo de esperar por resultados adicionais.

"Eu não acho que todos devem sair correndo e começar a tomar aspirina", ela disse. "Mas há alguns pacientes que poderiam se beneficiar com isso a esta altura, e se conversarem com seus médicos, eles poderão descobrir se são candidatos razoáveis, já que alguns deles podem não estar em posição de esperar."

Tradução: George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h39

    0,84
    3,178
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h43

    -0,44
    64.858,77
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host