UOL Notícias Internacional
 

26/09/2009

Energia solar, sem aqueles painéis

The New York Times
Anne Eisenberg
A principal maneira de captar energia solar tem sido através de grandes painéis colocados sobre os telhados ou montados no chão.

Mas agora as companhias estão oferecendo alternativas mais discretas, na forma de telhas, azulejos e outros materiais de construção com células fotovoltaicas (que desenvolvem força eletromotriz pela ação da luz) em seu interior.

"Os novos materiais fazem parte da própria construção, não são um acréscimo a ela, e levam o uso das células fotovoltaicas a outro nível - um nível estético", disse Alfonso Velosa III, diretor de pesquisa no Gartner Inc., que participa de um relatório sobre o mercado para o novo campo, chamado de "fotovoltaicos integrados à construção".

  • Telhas solares em uma casa em Bremuda Dunes, Califórnia (EUA)


As companhias estão criando telhas solares em cores e formatos que combinam, por exemplo, com as telhas terracota, populares no sudoeste dos EUA, ou as telhas shingle cinzas dos chalés estilo Nova Inglaterra do litoral.

A SRS Energy de Philadelphia está fazendo telhas solares curvas desenhadas para se mesclarem com as telhas tradicionais do sul da Califórnia, disse Martin R. Low, diretor-executivo da SRS. Ele estima que o custo da instalação de um sistema de telhas solares que atenda metade das necessidades de energia de uma casa típica da Califórnia fique em torno de US$ 20 mil, ou cerca de 10% a 20% mais do que os painéis solares que fornecem a mesma quantidade de energia.

A US Tile de Corona, Califórnia, fabricante de telhas de barro, venderá suas telhas SRS' Sole Power Tiles inicialmente na Califórnia e depois em Arizona, Novo México, Texas e outros Estados, disse Steve Gast, presidente da companhia. Ela deve começar a receber pedidos no começo de novembro para entrega em janeiro, disse ele. A SRS Energy compra as células fotovoltaicas que cobrem seus telhados da United Solar Ovonic, uma fabricante de módulos solares flexíveis de Rochester Hills, Michigan. A SRS acopla as células de silicone às telhas curvas Sole, que são feitas do mesmo material básico dos parachoques dos carros, disse J.D. Albert, diretor de engenharia da SRS.

As células foram instaladas em vários lugares de demonstração, incluindo uma casa em Bermuda Dunes, Califórnia. Em vez de fazer um novo telhado com as telhas solares, o dono da casa, Bill Thomas, construtor de telhados, preferiu inseri-las no telhado já existente, substituindo cerca de 27 metros quadrados de telhas de terracota; o trabalho foi feito em cerca de quatro horas, disse ele.

As telhas solares inseridas no telhado gerarão cerca de 2.400 kilowatts-hora de energia por ano, o suficiente para cobrir de um quarto a um terço da conta de luz normal, disse Albert da SRS.

Um material solar diferente para telhados e paredes das construções está sendo produzido pela Global Solar Energy de Tucson, Arizona. Uma cobertura fotovoltaica chamada de CIGS é pulverizada e depositada em camadas sobre uma espécie de filme.

"Nós fornecemos o filme, e outras companhias como a Dow desenham um produto com ele", disse Timothy Teich, vice-presidente de vendas e marketing.

Células fotovoltaicas cristalinas, do mesmo tipo que existe nas instalações de painéis fixos, são usadas dentro das telhas de cerâmica fabricadas por companhias como a italiana System Photonics. As células são colocadas no lugar e seladas contra a umidade por uma camada de plástico protetor transparente feito pela DuPont, disse Stephen Cluff, diretor global de negócios da DuPont para encapsulantes fotovoltaicos. As telhas são fabricadas em 13 cores.

Velosa disse que a instalação de sistemas integrados de energia solar está apenas começando nos Estados Unidos, onde a maior parte das instalações ainda são experimentais. Mas isso vai mudar, disse ele, porque "estamos vendo que o setor da construção civil percebeu que as casas e edifícios energeticamente eficientes são uma oportunidade de crescimento."

Paul Markowitz, analista sênior da NanoMarkets L.C., uma empresa de pesquisa de Glen Allen, Vancouver, concordou que o mercado para os produtos integrados às construções parece promissor. Mas ele disse que isso depende da recuperação da construção civil e do mercado imobiliário. Em termos de custo e projeto, o melhor momento para instalar os fotovoltaicos é durante a construção, disse ele.

Akhil Sivanandan, analista de pesquisa para a firma de consultoria Frost & Sullivan em Madras, Índia, disse que os subsídios do governo acelerariam a adoção de fotovoltaicos integrados à construção nos Estados Unidos, como já aconteceu na Europa.

"É preciso incentivo do governo", disse ele. "Mesmo com a queda nos preços e os avanços da tecnologia, ainda é muito caro".

Na França, Alemanha e outros países, o mercado para os sistemas de energia solar integrados às construções está crescendo por causa dos subsídios e programas que pagam aos proprietários das casas pela eletricidade que eles geram e repassam para a rede de eletricidade, disse.

"Na Europa, os fotovoltaicos integrados às construções já representam cerca de 3% a 4% de todo o mercado de energia solar", disse Sivanandan, acrescentando que os incentivos ajudam os proprietários a pagarem os custos dos sistemas num prazo de cinco a sete anos.

Mas uma outra qualidade será fundamental para a popularidade das células solares integradas à construção, disse Velosa.

"A estética é a chave", ele observa. "Elas precisam ter uma boa aparência."

Tradução: Eloise De Vylder

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h16

    -0,05
    3,173
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    1,12
    65.403,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host