UOL Notícias Internacional
 

27/09/2009

Presidente Lula tem o trabalho mais fácil do mundo ao promover Rio 2016

The New York Times
George Vecsey
O trabalho mais fácil do mundo pertence ao presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, ao apoiar o Rio de Janeiro para as Olimpíadas de 2016. Tudo que Lula tem que dizer é que "o Rio tem as praias mais bonitas do mundo" e consegue audiência imediata.

Ele fez esta declaração simples na terça-feira em português ressonante, com tradução em inglês, e logo eu estava imaginando as ondas cobertas de espuma e o Corcovado ao fundo e, bem, eu também, também imaginei a "garota de Ipanema".
  • Vanderlei Almeida/AFP - 13.jul.2006

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a apresentação do mascote dos Jogos Pan-Americanos de 2007. Para o jornal americano "The New York Times", o brasileiro não terá dificuldade para promover a candidatura do Rio de Janeiro para as Olimpíadas de 2016: "Tudo que Lula tem que dizer é que 'o Rio tem as praias mais bonitas do mundo' e consegue audiência imediata"



Daqui a cerca de uma semana, Lula vai viajar para Copenhaguem para a votação de 2 de outubro do Comitê Olímpico Internacional que vai decidir entre Chicago, Tóquio, Madri e o Rio. Ele certamente mencionará as praias. Mas ele também abordará outros pontos: o Brasil é um gigante econômico emergente e merece representar a América do Sul, que nunca sediou as Olimpíadas.

Sindicalista e ex-operário, Lula fala com paixão das crianças pobres do Brasil, da Argentina ou da Colômbia que poderiam pular num ônibus ou num caminhão para ver os jogos. Mas não está claro se algum dos 106 votantes do COI vai se preocupar com este sentimento populista.

Em Nova York para participar da Assembléia Geral das Nações Unidas e no caminho para Pittsburgh, onde acontecerá um encontro do G20 na quinta e na sexta-feira, Lula vai depois para Copenhaguem. Ele está seguindo os passos do primeiro-ministro britânico Tony Blair, que viajou para Cingapura em 2005 e conversou com membros do COI, aparentemente com tanto sucesso que Londres foi escolhida para 2012.

Já o presidente russo Vladimir Putin viajou para a Cidade de Guatemala em 2007, e jogou seu "charme de KGB" até que a cidade de Sochi fosse escolhida para sediar os Jogos de Inverno de 2014.

Depois destas duas missões, a sabedoria popular é que não machuca ter um trabalho de chefe de estado antes que os membros dêem seu voto secreto. "Eu tenho informações de como Londres ganhou", disse Lula. "E sim, Blair falou com muita gente". Sebastian Coe, o chefe do comitê organizador de Londres e medalha de honra em corrida, também teria falado com alguns delegados quando Londres surpreendeu Paris para ganhar o voto por 2012. Mas a questão era: tagarelar pode dar certo.

Com isto em mente, o primeiro-ministro do Japão, Yukio Hatoyama, está pensando em viajar para Copenhaguem e o rei da Espanha, Juan Carlos, é esperado. Mas o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que não vai. "Eu apresentaria o caso pessoalmente em Copenhaguem se não estivesse tão firmemente comprometido em tornar realidade a promessa de um sistema de saúde de qualidade para todos os americanos", disse Obama recentemente. "Mas as boas notícias são que eu mandarei um superstar mais persuasivo para representar a cidade e o país que eu amo e também nossa primeira-dama", acrescentou.

Questionado se ajudava um líder de estado participar da reunião, Lula diz que vem falando com membros do COI há dois anos. Quando alguém notar que Michelle Obama vai representar os Estados Unidos em Copenhaguem, Lula diz que terá levado sua mulher com ele, e "serão dois contra um".
Mais prejudicial que a ausência do presidente Obama é a realidade que a executiva-chefe do comitê olímpico dos EUA, Stephanie A. Streeter, e o presidente, Larry Probst, têm relativamente pouco status no COI, que é conhecido pelos contatos.

O presidente do COI, Jacques Rogge, disse que a disputa com o comitê olímpico dos EUA sobre a divisão de renda e uma rede olímpica proposta nos Estados Unidos não terá efeitos negativos nas chances de Chicago. O grande plano atrativo da maravilhosa cidade de Chicago pode ser contrabalanceado porque alguns integrantes do COI ainda estão infelizes por perder suas vantagens nas cidades concorrentes depois de revelações de que favores ajudaram a levar os Jogos de Verão de 1996 para Atlanta e os Jogos de Inverno de 2002 para Salt Lake City.

Todas as cidades finalistas para 2016 receberam bons comentários do comitê no início do mês. A maior crítica do Rio foi a violência, mas Lula disse que o Brasil não sofre um ataque terrorista e falou de como jovens pobres de favelas brasileiras ajudaram a reprimir roubos durante recentes eventos esportivos.

Ao falar com representantes convidados sobre cerca de uma dúzia de novas saídas, Lula mostrou que o Brasil tem a maior economia entre as nações que ainda não sediaram os Jogos de Verão. Ele enfatizou o desenvolvimento dos campos de petróleo na costa e a indústria de aviação nacional. "Nós não somos este país pequeno que as pessoas imaginam", ele disse.

Ele observou que o Brasil vai ser o anfitrião da Copa do Mundo de futebol em 2014 e disse que a infraestrutura criada para o torneio será útil para 2016. Mas a melhor infraestrutura de todas pode ser as ondas e a areia. Espere um minuto: os Jogos de Verão de 2016 acontecerão em agosto, quando é inverno nos países ao sul do Equador. Apesar disso, uma checagem na previsão do tempo para o Rio em agosto revela que a temperatura média varia entre 24º e 18º. Muito bom para andar na praia, alguém do comitê eleitoral me disse. Com certeza Lula vai mencionar isto para os membros do COI.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h29

    0,32
    3,290
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h39

    -0,42
    62.992,72
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host