UOL Notícias Internacional
 

04/11/2009

Claude Lévi-Strauss, antropólogo francês, morre aos 100 anos

The New York Times
Edward Rothstein
Claude Lévi-Strauss, o antropólogo francês que transformou o entendimento ocidental do que antes era chamado de "homem primitivo" e que dominou o cenário intelectual francês nos anos 60 e 70, morreu aos 100 anos.

Seu filho, Laurent, disse que Lévi-Strauss morreu de parada cardíaca na sexta-feira, em sua casa em Paris. Sua morte foi anunciada na terça-feira, no mesmo dia em que foi enterrado na aldeia de Lingnerolles, na região de Côte-d'Or, a sudeste de Paris, onde tinha uma casa de campo.
  • Nascido em Bruxelas, na Bélgica, Lévi-Strauss foi um dos grandes pensadores do século 20

"Ele expressou o desejo de ter um funeral discreto e sóbrio, com sua família, em sua casa de campo", disse seu filho. "Ele era ligado a este lugar; ele gostava de caminhar pela floresta e o cemitério onde ele agora está enterrado fica à beira desta floresta."

Um pensador poderoso, ele se tornou um avatar do "estruturalismo", uma escola de pensamento na qual as "estruturas" universais estariam por trás de toda a atividade humana, dando forma a culturas e criações aparentemente díspares. Sua obra teve uma profunda influência mesmo sobre seus críticos, que foram muitos.

Não há um sucessor comparável a ele na França. E seu estilo de escrever - uma mistura de pedante e poético, cheio de justaposições ousadas, argumentos complexos e metáforas elaboradas - lembra muito pouco os existentes anteriormente na antropologia.

"As pessoas percebem que ele é um dos grandes heróis intelectuais do século 20", disse Philippe Descola, o presidente do departamento de antropologia do Collège de France, em novembro passado em uma entrevista ao "The New York Times" sobre o centenário do nascimento de Lévi-Strauss, que era tão reverenciado que pelo menos 25 países o celebraram.

Descendente de uma distinta família artística francesa-judaica, Lévi-Strauss foi um intelectual francês quintessencial, tão à vontade na esfera pública quanto na acadêmica. Ele lecionou nas universidades de Paris, Nova York e São Paulo, além de trabalhar para a ONU e para o governo francês.

Seu legado é imponente. "Mitológicas", sua obra em quatro volumes a respeito da estrutura da mitologia nativa nas Américas, tenta nada menos que interpretar o mundo da cultura e dos costumes, moldado pela análise de várias centenas de mitos de tradições e tribos pouco conhecidas. Os volumes - "O Cru e o Cozido", "Do Mel às Cinzas", "A Origem das Maneiras à Mesa" e "O Homem Nu", publicados de 1964 a 1971 - desafiam o leitor com sua trama complexa de temas e detalhes. Em sua análise do mito e cultura, Lévi-Strauss podia contrastar as imagens de macacos e jaguares; considerar as diferenças entre o significado do alimento assado e cozido (os canibais, ele sugeriu, tendiam a cozinhar seus amigos e assar seus inimigos); e estabelecer conexões entre contos mitológicos estranhos e leis ornamentadas de casamento e parentesco.

Muitos de seus livros incluem diagramas que parecem mapas de geometria interestelar, fórmulas que evocam técnicas matemáticas, além de fotos em preto-e-branco de rostos marcados com cicatrizes e rituais exóticos que ele tirava durante seu trabalho em campo.

Suas interpretações dos mitos norte e sul-americanos foram chave para a mudança do pensamento ocidental a respeito das chamadas sociedades primitivas. Ele começou a desafiar o saber convencional a respeito delas logo após o início de sua pesquisa antropológica nos anos 30 - uma experiência que se tornou base de um aclamado livro de 1955, "Tristes Trópicos", uma espécie de meditação antropológica baseada em suas viagens no Brasil e em outros lugares.

Imagens da vida do antropólogo (AFP)



A visão aceita era de que as sociedades primitivas eram intelectualmente sem imaginação e de temperamento irracional, com base em suas abordagens em relação à vida e religião voltadas à satisfação de necessidades urgentes de alimento, roupas e abrigo.

Lévi-Strauss resgatou seus temas dessa perspectiva limitada. Começando pelas tribos Caduveo e Bororo na região do Mato Grosso, no Brasil, onde ele realizou seus primeiros trabalhos de campo básicos, ele encontrou entre elas uma busca obstinada não apenas para satisfazer suas necessidades materiais, mas também entender as origens, uma lógica sofisticada que governava até mesmo os mitos mais bizarros, e um senso implícito de ordem e desígnio, mesmo entre as tribos que praticavam guerra de forma impiedosa.

Sua obra elevou o status da "mente selvagem", uma frase que se tornou o título em inglês de um de seus trabalhos mais fortes, "O Pensamento Selvagem" (1962). "A sede por conhecimento objetivo", ele escreveu, "é um dos aspectos mais negligenciados do pensamento das pessoas que chamamos de 'primitivas'".

O mundo das tribos primitivas estava desaparecendo rapidamente, ele escreveu. De 1900 a 1950, mais de 90 tribos e 15 línguas tinham desaparecido apenas no Brasil. Este era outro de seus temas recorrentes. Ele se preocupava com o crescimento de uma "civilização massificada", de uma "monocultura" moderna. Ele às vezes expressava uma repulsa irritada com o Ocidente e sua "própria imundície, atirada no rosto da humanidade".

Nesta aparente elevação da mente selvagem e condenação da modernidade ocidental, ele escrevia dentro da tradição do romantismo francês, inspirada pelo filósofo do século 18, Jean-Jacques Rousseau, a quem Lévi-Strauss reverenciava. Foi uma visão que ajudou Lévi-Strauss a desenvolver uma reputação pública na era do romantismo contracultural dos anos 60 e 70.

Mas esse romantismo simplificado também era uma distorção de suas ideias. Para Lévi-Strauss, o selvagem não era inerentemente nobre ou de qualquer forma "mais próximo da natureza". Lévi-Strauss estava envergonhado, por exemplo, quando descreveu os caduveos, que ele retratou como uma tribo tão em rebelião contra a natureza - e consequentemente condenada- que até mesmo proibia a procriação, optando por "reproduzir" abduzindo crianças de tribos inimigas.

Suas descrições das tribos de índios americanos têm pouca relação com os clichês sentimentais e pastorais que se tornaram lugar-comum. Lévi-Strauss também fez distinções agudas entre primitivo e moderno, concentrando-se no desenvolvimento da escrita e na consciência histórica. Foi a consciência histórica, no seu entender, que permitiu o desenvolvimento da ciência e a evolução e expansão do Ocidente. Mas ele temia pelo destino do Ocidente. Ele estava, como escreveu no "The New York Review of Books", "permitindo a si mesmo esquecer ou destruir sua própria herança".

Com o declínio do poder do mito no Ocidente moderno, ele também sugeriu que a música tinha ocupado a função do mito. A música, ele argumentou, tinha a capacidade de sugerir, com poder narrativo primário, as forças e ideias conflitantes que se encontram na fundação da sociedade.

Mas Lévi-Strauss rejeitava a ideia de Rousseau de que os problemas da humanidade derivam das distorções causadas na natureza pela sociedade. Na visão de Lévi-Strauss, não há alternativa para essas distorções. Cada sociedade deve moldar a si mesma a partir da matéria-prima da natureza, ele acreditava, tendo a lei e a razão como ferramentas essenciais.

Esta aplicação da razão, ele argumentava, criava estruturas universais que podiam ser encontradas em todas as culturas e tempos. Ele se tornou conhecido como estruturalista devido à sua convicção de que uma unidade estrutural está por trás de toda a criação de mitos da humanidade, e ele mostrou como esses temas universais agiam nas sociedades, até mesmo no desenho de uma aldeia.

Para Lévi-Strauss, por exemplo, a mitologia de todas as culturas era construída em torno de oposições: quente e frio, cru e cozido, animal e humano. E por meio desses conceitos "binários" opostos, ele disse, a humanidade compreendia o mundo.

Especialistas lamentam

Sociólogo e ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso divulgou uma nota sobre o falecimento do antropólogo. "Lévi-Strauss foi um dos maiores antropólogos de todos os tempos. Suas contribuições, especialmente depois que publicou 'As Formas Elementares do Parentesco', revolucionaram a antropologia contemporânea. A partir de então, a corrente chamada 'estruturalista' passou a exercer enorme influência em todas as universidades", diz FHC



Isso era muito diferente do que a maioria dos antropólogos buscava. A antropologia tradicionalmente buscava revelar as diferenças entre as culturas em vez de descobrir as estruturas universais. Ela não estava preocupada com ideais abstratas, mas com as peculiaridades de rituais e costumes, os colecionando e catalogando.

A abordagem "estrutural" de Lévi-Strauss, buscando os elementos universais da mente humana, ia contra essa noção da antropologia. Ele não tentava determinar os vários propósitos servidos pelas práticas e rituais de uma sociedade. Ele nunca se interessou pelo tipo de trabalho de campo dos antropólogos de uma geração posterior, como Clifford Geertz, que observava e analisava meticulosamente uma sociedade como se vista de dentro. (Ele começou "Tristes Trópicos" com a declaração: "Eu odeio viagens e exploradores".)

Para ele, como escreveu em "O Cru e o Cozido" (1964), ele conduziu a "pesquisa etnográfica na direção da psicologia, da lógica e da filosofia".

Nas palestras por rádio para a "Canadian Broadcasting Co." em 1977 (publicadas como "Mito e Significado"), Lévi-Strauss demonstrou como deveria se realizado um exame estrutural do mito. Ele citou um relato de que no Peru do século 17, quando o clima se tornava excessivamente frio, um padre convocava todos aqueles que tinham nascido pelos pés, ou que tinham lábio leporino ou eram gêmeos. Eles eram acusados de serem responsáveis pelo clima e eram ordenados a se arrependerem, para corrigir as aberrações. Mas por que esses grupos? Por que lábios leporinos e gêmeos?

Lévi-Strauss citou uma serie de mitos norte-americanos que associavam gêmeos à forças naturais opostas: ameaça e promessa, perigo e expectativa. Um mito, por exemplo, incluia uma lebre mágica, cujo focinho é partido em uma briga, resultando, literalmente, em um lábio leporino, sugerindo o início da formação de um gêmeo. Com suas ordens, o padre peruano parecia ciente das associações entre desordem cósmica e os poderes latentes dos gêmeos.

As ideias de Lévi-Strauss sacudiram seu campo. Mas seus críticos eram abundantes. Eles o atacavam por ignorar história e geografia, usando os mitos de um lugar e tempo para ajudar a esclarecer os mitos de outro, sem demonstrar qualquer ligação direta ou influência.

Em uma crítica influente ao seu trabalho em 1970, o antropólogo Edmund Leach, da Universidade de Cambridge, escreveu a respeito de Lévi-Strauss: "Mesmo agora, apesar de seu imenso prestígio, os críticos entre seus colegas de profissão superam muito em número os seus discípulos".

O próprio Leach duvidava se Lévi-Strauss, durante seu trabalho de campo no Brasil, teria conversado com "alguns de seus nativos informantes na língua nativa deles" ou se tinha permanecido por tempo suficiente para confirmar suas primeiras impressões. Alguns dos argumentos teóricos de Lévi-Strauss, incluindo sua explicação dos canibais e seus gostos, foram contestados pela pesquisa empírica.

Lévi-Strauss reconheceu que sua força estava em suas interpretações do que descobriu e achava que seus críticos não davam crédito suficiente ao impacto cumulativo dessas especulações. "Por que não reconhecer?" ele disse a um entrevistador, Didier Eribon, em "De Perto e de Longe" (1988). "Eu fui bem rápido em descobrir que era mais um homem para abstrações do que para trabalho de campo."

Claude Lévi-Strauss nasceu em 28 de novembro de 1908 na Bélgica, filho de Raymond Lévi-Strauss e de Emma Lévy. Ele cresceu na França, perto de Versalhes, onde seu avô era um rabino e seu pai um pintor de retratos. Seu bisavô, Isaac Strauss, era um violinista de Estrasburgo mencionado por Berlioz em suas memórias.

Na infância, ele adorava colecionar objetos díspares e justapô-los. "Eu tinha uma paixão por coisas raras exóticas", ele diz em "De Perto e de Longe". "Minhas pequenas economias iam todas para antiquários." Uma grande quantidade de antiguidades judaicas da coleção de sua família, ele disse, estava exposta no Musée de Cluny; outras foram saqueadas após a queda da França para os nazistas em 1940.

De 1927 a 1932, Claude obteve diplomas de direito e filosofia pela Universidade de Paris, então lecionou em um colégio local, o Lycée Janson de Sailly, onde entre seus colegas professores estavam Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir. Ele posteriormente se tornou professor de sociologia na Universidade de São Paulo, no Brasil.

Determinado a se tornar antropólogo, ele começou a fazer viagens ao interior do país, acompanhado por sua esposa, Dina Dreyfus, com quem se casou em 1932. "Eu considerava uma forma de conciliar minha educação profissional com meu gosto por aventura", ele disse em "De Perto e de Longe", acrescentando: "Eu sentia como se estivesse revivendo as aventuras dos primeiros exploradores do século 16".

Seu casamento com Dreyfus acabou em divórcio, assim como seu casamento subsequente, em 1946, com Rose-Marie Ullmo, com quem teve um filho, Laurent. Em 1954, ele se casou com Monique Roman, e eles também tiveram um filho, Matthieu. Além de Laurent, Lévi-Strauss deixa sua esposa e Matthieu, assim como os dois filhos deste.

Lévi-Strauss deixou de lecionar em 1937 e se dedicou ao trabalho de campo, voltando à França em 1939 para maiores estudos. Mas às vésperas da guerra, ele foi convocado pelo exército francês para servir como ligação com as tropas britânicas. Em "Tristes Trópicos", ele escreve sobre seu "recuo desordenado" da Linha Maginot após Hitler invadir a França, fugindo em caminhões de gado e dormindo em currais de ovelhas.

Entrevista sobre o pensador

Um dos principais antropólogos brasileiros, Eduardo Viveiros de Castro se notabilizou também pela retomada criativa, em livros como "A Inconstância da Alma Selvagem" (ed. Cosac Naify), dos métodos e do projeto teórico de Claude Lévi-Strauss. Leia entrevista com o antropólogo brasileiro sobre pensador francês que morreu no sábado passado.



Em 1941, Lévi-Strauss foi convidado a se tornar professor visitante da Nova Escola para Pesquisa Social de Nova York, com a ajuda da Fundação Rockefeller. Ele o chamou de "o período mais frutífero da minha vida", passando tempo na sala de leitura da Biblioteca Pública de Nova York e fazendo amizade com o ilustre antropólogo americano, Franz Boas.

Ele também se tornou parte de um círculo de artistas e surrealistas, incluindo Max Ernst, André Breton e o futuro amor de Sartre, Dolores Vanetti. Vanetti, que compartilhava sua "paixão por objetos", disse Lévi-Strauss em "De Perto e de Longe", visitava regularmente um antiquário na Terceira Avenida em Manhattan, que vendia artefatos do Noroeste do Pacífico, deixando Lévi-Strauss com a "impressão de que todos os tesouros artísticos essenciais da humanidade podiam ser encontrados em Nova York".

Após a guerra, era tamanha a intenção de Lévi-Strauss de seguir seus estudos em Nova York que ele recebeu a posição de adido cultural do governo francês até 1947. Em seu retorno à França, ele obteve um doutorado pela Universidade de Paris em 1948 e foi curador associado do Musée de l'Homme, em 1948 e 1949. Seu primeiro grande livro, "As Estruturas Elementares do Parentesco", foi publicado em 1949. (Vários anos depois, o júri do Prix Goncourt, o mais famoso prêmio literário da França, disse que teria dado o prêmio a "Tristes Trópicos", seu híbrido de memórias e diário de viagem antropológico, caso fosse ficção.)

Após a Fundação Rockfeller dar à École Pratique des Hautes Études em Paris uma verba para criação do departamento de ciências econômicas e sociais, Lévi-Strauss se tornou o diretor de estudos da escola, permanecendo no posto de 1950 a 1974.

Outras posições se seguiram. De 1953 a 1960, ele serviu como secretário-geral do Conselho Internacional de Ciências Sociais da Unesco. Em 1959, ele foi nomeado professor do Collège de France. Ele foi eleito para a Academia Francesa em 1973. Em 1960, Lévi-Strauss fundou a "L'Homme", uma revista seguindo o modelo da "The American Anthropologist".

Nos anos 80, o estruturalismo como imaginado por Lévi-Strauss foi disciplinado por pensadores franceses que se tornaram conhecidos como pós-estruturalistas: escritores como Michel Foucault, Roland Barthes e Jacques Derrida. Eles rejeitaram a ideia das estruturas universais atemporais e argumentavam que a história e a experiência eram muito mais importantes na moldagem da consciência humana do que leis universais.

Veja imagens de Lévi-Strauss

"A sociedade francesa, e especialmente a parisiense, é insaciável", respondeu Lévi-Strauss. "A cada cinco anos aproximadamente, ela precisa de algo novo em sua boca. Assim, há cinco anos foi o estruturalismo, agora é algo novo. Eu praticamente não ouso mais usar a palavra 'estruturalismo', já que foi tão terrivelmente deformada. Eu certamente não sou o pai do estruturalismo."

Mas a versão do estruturalismo de Lévi-Strauss pode acabar sobrevivendo ao pós-estruturalismo, assim como ele sobreviveu à maioria de seus avatares. Sua obra monumental em quatro volumes, "Mitológicas", pode assegurar seu legado, como um criador de mitologias, se não seu explicador.

O volume final termina sugerindo que a lógica da mitologia é tão poderosa que os mitos quase têm uma vida independente dos povos que os contam. No seu entender, eles falam por meio da humanidade e se tornam, por sua vez, as ferramentas pelas quais a humanidade chega a um acordo com o maior mistério do mundo, a possibilidade de não ser, o fardo da mortalidade.

*Nadim Audi, em Paris, contribuiu com reportagem.

Tradução: George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,48
    3,144
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,53
    75.604,34
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host