UOL Notícias Internacional
 

09/11/2009

Um menino pode ir de vestido à escola?

The New York Times
Janh Hoffman
A partir de agora, as normas de vestuário da maioria das escolas acabaram com qualquer dúvida.

Meninas: nada de blusas que mostrem a barriga, saltos agulha, minissaia.

Meninos: nada de calças caindo e camisetas justas.

Mas faça as contas:

"Regras" + "adolescentes" = "problemas".

Se a saia tiver um comprimento aceitável, um garoto pode usá-la?

Uma menina pode ir ao baile de formatura usando um smoking?

Nos últimos anos, um número cada vez maior de adolescentes têm se vestido para posicionar-se - ou confundir - quanto a sua identidade de gênero ou orientação sexual. Com certeza eles vêm confundindo funcionários e psicólogos das escolas, cujas respostas vão desde a indiferença à aprovação das proibições.

Na semana passada, um aluno do último ano do ensino médio de Houston que pratica crossdressing (veste-se usando roupas do sexo oposto) foi mandado para casa porque sua peruca violava as normas da escola de que o cabelo dos garotos "não podem ser mais compridos do que a parte de baixo do colarinho de uma camisa comum". Em outubro, funcionários de um colégio em Cobb County, Geórgia, mandaram para casa um garoto que costumava usar peruca, maquiagem e jeans skinny. Em agosto, a foto de uma aluna do Mississippi foi proibida no livro de formatura porque ela usava um smoking.

Outras escolas aceitam melhor as expressões de gênero pouco convencionais. Em setembro, uma caloura da Rincon High School em Tucson, que se identifica como homem, foi escolhida como "príncipe" de um evento escolar. Em maio passado, um aluno homossexual do ensino médio em Los Angeles foi coroado rainha da formatura.

Conflitos quanto às normas relativas às roupas refletem um choque de gerações, com os alunos crescendo numa cultura que aceita melhor a ambiguidade e a diferença do que a cultura dos adultos que fazem as regras.

"Essa geração está de fato desafiando as normas de gênero com as quais crescemos", afirma Diane Ehrensaft, psicóloga de Oakland que escreve sobre questões de gênero. "Muitos jovens dizem que não serão limitados pelo fato dos garotos terem que usar isso e as meninas aquilo. Para eles, o gênero é uma área para brincar com a criatividade". Os adultos, ela acrescenta, "passaram a policiar os gêneros por meio o controle das roupas."

As roupas sempre foram um código, principalmente para adolescentes ansiosos por expressar suas identidades em evolução. Todos os anos, as escolas tentam reprimir o que sai do lugar-comum proibindo os estilos mais recentes que representem ligações com gangues, atos sexuais ou uso de drogas.

Mas quando os educadores querem disciplinar um aluno cujo guarda-roupa expressa sua orientação sexual ou variação de gênero, eles devem levar em consideração as políticas contra a discriminação, fatores relacionados à saúde mental, padrões da comunidade e distrações em sala de aula.

E a segurança é uma preocupação fundamental. Em fevereiro de 2008, Lawrence King, um aluno da oitava série de Oxnard, Califórnia, que com frequência usava botas de salto alto e maquiagem, foi assassinado com um tiro na sala de aula por outro aluno.

Apesar de as discussões relacionadas às normas de vestuário serem muito mais uma curiosidade, aparecendo no noticiário quando há uma ameaça de processo legal, os educadores e psicólogos afirmam que cada vez mais escolas terão que lidar com elas no futuro próximo. Há 4.118 associações que congregam gays e heterossexuais em escolas de ensino médio por todo o país e que despertam mais consciência para assuntos como esses. As questões relacionadas às fronteiras entre gêneros estão fervilhando até mesmo nas escolas primárias, e os pais tentam abrir o caminho para seus filhos em blogs como acceptingdad.com ou labelsareforjars.wordpress.com.

No mínimo, mais alunos estão colocando sua curiosidade à prova. Durante dias intitulados "Mix'n' Match" (algo como "misture e combine"), os alunos da escola de ensino médio Ramapo, em Spring Valley, NY, podem misturar bolinhas e listras, diz Diane Schneider, professora que é co-diretora da filial da Rede de Educação Gay, Lésbica e Heterossexual em Hudson Valley. Mas, segundo ela, esse ano "cerca de 50 adolescentes vieram como cross-dressers".

Isso tudo pode um excesso para certos educadores, que afirmam que o ensino médio não devia ser lugar para tratar de questões particulares de identidade. Para eles, a escola é estritamente um espaço de treinamento acadêmico e social para o mundo dos adultos e do trabalho.

"Já é difícil fazer com que as crianças se concentrem em um algoritmo - mesmo quando Jimmy não está sentado por perto usando batom e cílios postiços", diz Kay Hymowitz, membro sênior do Manhattan Institute. Como as escolas são espaços comunitários, "a expressão pessoal sempre terá que ser limitada pelo menos em parte, assim como acontece no local de trabalho", escreveu em um e-mail. Os diretores precisam de liberdade para determinar como os alunos devem se apresentar, acrescentou. "Você pode entender porque muitos diretores se cansam dessas discussões e decidem adotar uniformes escolares".

No Wesson Attendance Center, uma escola pública do Mississippi, esse tipo de polêmica surgiu por causa das fotos de formatura. No último verão, durante sua sessão de fotos, Ceara Sturgis, 17, seguiu as regras e experimentou um tradicional vestido decotado preto, que deixava à mostra o colo e um pouco dos ombros.

"Ficou horrível!", conta Sturgis, uma aluna exemplar, presidente da banda da escola e goleira do time de futebol, que se declara homossexual desde o segundo ano do ensino médio. "Eu parecia um menino usando um vestido! Eu tenho ombros largos e aquilo não era eu. Eu disse: 'Não posso usar isso!' Então minha mãe disse: 'Experimente o smoking'. Aquilo sim parecia normal."

Logo depois, os alunos foram informados de que as meninas deveriam usar vestidos e os meninos, smoking, para as fotos de formatura.

A filial de Mississippi da União Americana para a Liberdade Civil escreveu para a escola. Rickey Clopton, superintendente das escolas do condado de Copiah, não retornou as ligações. No mês passado, ele publicou uma declaração afirmando que decisão da escola "baseava-se em políticas educacionais legítimas e precedentes legais".

No mês passado, Veronica Rodriguez, mão de Sturgis, pagou um anúncio de página inteira no álbum de formatura para incluir a foto de sua filha usando smoking.

Problemas de vestuário como esses vêm aparecendo há anos. No começo deste ano, depois de serem pressionadas por advogados, as escolas de Jackson, Mississipi, e Lebanon, Indiana, mudaram as regras e passaram a permitir que meninas usem smokings.

Mas em geral, os juízes dão bastante liberdade para os administradores locais. No condado de Marion, Flórida, os alunos devem se vestir "de acordo com o seu gênero". Na última primavera, um menino foi mandado de volta para casa para se trocar depois de ter chegado na escola usando botas de salto-alto, sutiã com enchimento e uma camiseta de gola V.

"Ele estava vestido de mulher e isso atrapalhou o dia letivo", disse Kevin Christian, porta-voz do distrito. "Essa é a questão por trás das regras de vestuário."

Em alguns distritos, os administradores procuram definir a linha entre o que constitui uma distração em sala de aula e a necessidade de expressão dos alunos. Há alguns anos, o Dr. Alan Storm era superintendente-assistente da união das escolas do distrito de Sunnyside em Tucson e supervisionava questões legais e disciplinares.

Os diretores lhe perguntavam sobre casos relacionados a roupas e gênero: "Eles diziam: 'o Johnny simplesmente apareceu usando uma blusinha! Eu devo suspendê-lo ou mandá-lo trocar de roupa?'", lembra Storm. "E eu dizia: 'Ele está usando algo por baixo?' 'Sim.' 'Então ele não está violando nossas normas. Você não tem direito de mandar ele trocar de roupa. Mas é sua obrigação garantir sua segurança'."

Storm, hoje superintendente dos programas de tecnologia das escolas de ensino médio do condado de Pima, Arizona, ajudou a redigir políticas contra discriminação que protegem a expressão de gênero e a orientação sexual e que desde então são adotadas por alguns distritos de Tucson.

Essas políticas se entrelaçaram ao tecido social da escola de ensino médio de Rincon, afirma a conselheira educacional Brena Kazan: "As expressões de gênero são muito fluidas por aqui." Alguns meninos usam maquiagem e lenços cor-de-rosa brilhantes; meninas usam camisetas grandes, shorts de basquete compridos - e parecem pertencer a uma gangue de meninos, contou. Além disso, a população de alunos inclui imigrantes vindos de mais de doze países. "Nossas crianças estão acostumadas a ver coisas diferentes e elas não se importam", disse Kazen.

Mas a aceitação quase nunca é unilateral entre os adolescentes, e muito menos entre os adultos.

"Há outros lugares em que há reais problemas de segurança", afirmou Barbara Risman, uma socióloga da Universidade de Illinois que estuda a identidade de gênero entre os adolescentes. "A maioria dos meninos ainda sentem necessidade de reprimir aspectos de si mesmos para evitar a perseguição dos colegas."

No último outono, Stephen Russel, professor da Universidade do Arizona que estuda jovens gays, lésbicas e transexuais, fez uma pesquisa com cerca de 1.200 alunos de ensino médio da Califórnia. Quando perguntados por que os alunos que não são considerados tão "masculinos" ou "femininos" como os demais são perseguidos, a resposta mais comum foi: "por causa da maneira de vestir".

Muitas vezes, as roupas dos alunos, que têm a intenção de expressar seu estilo, podem ser mal interpretadas e vistas como um demonstração de sexualidade. Nos últimos anos, o estilo "emo" saiu dos domínios do punk para se tornar algo comum, com meninos usando delineador para os olhos, camisetas justas e cabelos alisados e pintados de preto, para imitar cantores como Adam Lambert e Pete Wentz.

"As crianças emo passam por muitos problemas", afirnou Marty Hulsey, psicólogo condado de Lee, Alabama. "Até mesmo os professores fazem comentários e eu tenho que impedi-los. Um menino emo me procurou e disse que estava sendo acusado de ser gay, mas ele tinha uma namorada." Hulsey disse que enfatizou o direito do menino de usar as roupas que lhe agradassem.

Quando um diretor pede para um menino deixar sua bolsa em casa, esse pedido é uma tentativa de proteger o aluno de ser perseguido ou é uma perseguição em si?

As normas quanto às vestimentas devem ser colocadas em prática de maneira consistente, inclusive com medidas contra alunos heterossexuais que se vestem de maneira provocativa, afirma Diane Levin, professora do Wheelock College em Boston, que escreve sobre a sexualização das crianças.

Mas quer os diretores proíbam ou não as roupas que confundem gêneros, disse ela, os alunos não podem ser abandonados. Por que esse jovem escolheu se vestir assim? "O aluno está querendo chamar atenção?" questionou Levin. "A escola consegue garantir a segurança do aluno?"

Alguns psicólogos afirmam que embora as preocupações com a segurança não possam ser descartadas, os administradores das escolas de ensino médio não devem partir do pressuposto de que esses alunos serão alvo de perseguição dos colegas.

Jeff Grace, conselheira de uma associação de gays e heterossexuais em uma escola de ensino médio do centro de Columbus, Ohio, disse que a percepção dos alunos mudou ao longo da última década.

Ela conta o caso de Jack, um aluno que tem cabelos longos e lisos e prefere ser chamado por um nome feminino. Jack é cuidadoso ao não violar as normas de vestuário. Ela dá preferência a blusas apertadas, mas que não deixam nada à mostra, sapatos baixos e gloss.

"Um dia eu ouvi um aluno dizer: 'Cara, tinha uma menina no banheiro masculino fazendo xixi de pé! O que é isso?", ela se lembra.

Os banheiros podem ser perigosos para estudantes transgêneros. Mas os outros alunos responderam sem pestanejar, "Não era uma menina. Era só o Jack."

Tradução: Eloise De Vylder

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host