UOL Notícias Internacional
 
07/08/2010 - 00h01

Noivos vegetarianos debatem sobre servir ou não carne no casamento

The New York Times
Douglas Quenqua
  • A chef pâtissier brasileira Fernanda Capobianco, que é vegetariana, e seu noivo François<br> Payard em Nova York, nos Estados Unidos. Ela decidiu servir carne no casamento

    A chef pâtissier brasileira Fernanda Capobianco, que é vegetariana, e seu noivo François
    Payard em Nova York, nos Estados Unidos. Ela decidiu servir carne no casamento

Festas de casamento envolvem concessões. Na cidade ou no campo? Em junho ou novembro? Minha religião ou a sua?

Para Chelsea Clinton, uma vegetariana, foi a decisão de servir carne aos convidados em seu casamento de 31 de julho. (Costelinhas, especificamente, apesar dos rumores de filé de Angus.)

Para alguns casais, foi uma concessão excessiva.

“Se sua família ama você e deseja que você tenha aquele dia especial, eu acho que ela pode passar uma refeição sem comer carne”, disse Cecilia Kinzie, uma vegetariana e consultora de alimentos em Petaluma, Califórnia, que não serviu carne em seu casamento de 2009.

“Se você vai a um casamento indiano, não espere comida italiana”, acrescentou Kinzie, que já tinha apaziguado sua família ao gastar suas economias em uma recepção em hotel, em vez da lua-de-mel com a qual sempre sonhou. “Então por que nisto teria que ser diferente?”

Como se mostrou, a decisão mais política do casamento de Chelsea não foi convidar ou não James Carville (ex-marqueteiro de Bill Clinton). Ao decidir servir carne, ela reacendeu um debate sensível na temporada de casamentos entre vegetarianos e aqueles que os amam: servir ou não servir?

A questão gerou muita discussão –mas pouco consenso– entre os leitores do blog “Serious Eats” na semana passada. “A ideia de que alguém poderia esperar que uma pessoa vegetariana serviria carne em seu casamento me parece uma absoluta loucura”, escreveu uma comentarista.

Tradicionalmente, muitos vegetarianos servem carne em seus casamentos, em consideração aos convidados, uma aversão às gracinhas intermináveis sobre “comida de coelho” ou simplesmente por não haver muitos serviços de catering especializados em comida vegetariana capazes de lidar com uma recepção para 200 pessoas, particularmente fora de Nova York ou da Califórnia.

Hoje, muitos grandes bufês podem lidar com um casamento vegetariano, mas é cobrado um adicional pelo tratamento especial.

À medida que a geração que aprendeu a comer com Alice Waters e a “Nação Fast Food” chega ao altar, os vegetarianos dela costumam se recusar a deixar sua ética para trás, segundo profissionais de casamento.

“Esta geração é muito mais consciente em saúde”, disse Bryan Rafanelli, o planejador de casamento de Boston que trabalhou com Chelsea, “e há muito mais noivas que são vegetarianas, têm alergias ou simplesmente comem de forma mais saudável”.

No casamento de Chelsea, ele disse, um mapa com código de cores indicava as restrições alimentares de cada convidado, para assegurar que não fosse servido a ninguém algo que ele ou ela não pudesse comer.

Nem toda noiva pode bancar esse tipo de precisão, então prioridades precisam ser estabelecidas. Que decisão um casal toma depende em grande parte de sua filosofia a respeito da cerimônia de casamento: realmente tudo gira em torno de você ou o conforto dos convidados vem em primeiro lugar?

Kathleen Mink, uma assistente social de San Francisco, disse que ter um cardápio vegetariano em seu casamento no ano passado era “óbvio”, porque ela e seu marido são tão contrários a produtos de origem animal que eles nem mesmo usam mel. Também nenhuma flor foi machucada para sua festa: Mink fez pequenos botões de feltro.

“O dia era para celebrar nossa união e quem somos, e nossas escolhas cotidianas são escolhas vegetarianas”, ela disse.

Mas nem todos veem dessa forma. Fernanda Capobianco, uma chef pâtissier vegetariana do Rio de Janeiro, planeja se casar com o também chef pâtissier em Long Island, em outubro, e apesar de seus escrúpulos, carne será servida.

“Nós estamos convidando chefs como Eric Ripert e Daniel Boulud”, disse Capobianco. “Como podemos convidar chefs e não servir carne? Eles acharão que somos malucos.”

Ajuda o fato de seu noivo, que é famoso por seu trabalho no Le Bernardin, Daniel e sua própria confeitaria, não ser vegetariano.

Alguns vegetarianos veem seu casamento como uma chance de provar para suas famílias que estão comendo mais do que casca de árvore e alface.

“Eu realmente quero tornar isso uma experiência na qual meus convidados digam: ‘Isso foi incrível, eu não estou com fome, mal posso acreditar que tudo era vegetariano’”, disse Erica DeLorenzo, uma executiva de Nova York.

Após algumas discussões com seus pais, ela está planejando um casamento sem carne para o ano que vem. Foi uma briga e tanto. “Minha mãe é judia e meu pai é italiano”, ela disse. “A comida é uma parte importante da celebração.”

DeLorenzo está ciente do efeito desanimador que um sentimento de superioridade moral pode ter em uma festa. “É um momento para ensinar, não para pregar”, ela disse. “Eu não estou tentando mudar ninguém. Eu estou apenas tentando compartilhar com as pessoas a forma como vivemos e espero que as pessoas apreciem e aprendam algo com isso.”

Mas, independentemente de quão saboroso e sofisticado seja o cardápio, alguns convidados provavelmente interpretarão a exclusão da carne como um ato político –ou uma afronta pessoal.

Quando Patrick Moore, um vendedor de Attleboro, Massachusetts, chegou ao casamento de um velho amigo em 1999 e descobriu que não havia nada exceto opções vegetarianas, ele deu uma desculpa de ter esquecido o presente no carro para que pudesse visitar uma lanchonete do outro lado da rua.

“Eu me lembro de ter voltado carregando um saco com um sanduíche de frango com parmesão, apenas para ser pego com a mão na massa pelo noivo”, disse Moore.

O noivo tratou o incidente com senso de humor, mas isso ainda incomoda Moore.

“Eu sei que é o seu dia, mas nem tudo gira em torno de você”, ele disse. “Por que dar uma festa de casamento se vai ser assim? Cole apenas um adesivo de para-choque.”

Tradução: George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host