Medo de zika e caos político mantêm a Rio-2016 a preço acessível

Nell McShane Wulfhart

Do Rio

  • Marizilda Cruppe/The New York Times

    Pôr do sol no Rio; zika e crise política derrubam preços para turistas

    Pôr do sol no Rio; zika e crise política derrubam preços para turistas

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, de 5 a 21 de agosto, serão os primeiros realizados na América do Sul e virão com uma bagagem. A situação política caótica do Brasil, preocupações com o vírus da zika, questões de segurança: tudo isso está contribuindo para o temor dos norte-americanos, que estão considerando ir ou não para o sul para os jogos.

Uma pesquisa recente feita com agentes de viagem pela empresa de tecnologia de viagem Trisept Solutions mostrou que 63% têm menos interesse nesta Olimpíada do que em sedes anteriores como Londres e Pequim, com 88% declarando não ter visto um aumento de interesse em viajar para os jogos no Rio.

Os números podem estar em queda, mas isso significa que aqueles que decidirem ir poderão encontrar formas de economizar dinheiro, mesmo restando menos de dois meses para o evento.

"Para os americanos, o dólar forte deveria ser um fator importante para reservarem sua viagem ao Brasil agora", disse João Rodrigues, um executivo da FSB, que cuida das relações públicas na América do Norte para o Conselho Nacional de Turismo do Brasil. A força do dólar (no momento valendo R$ 3,31, em comparação a R$ 2,26 há dois anos, durante a Copa do Mundo), somada à recessão econômica do Brasil, significa que os preços caíram significativamente para os visitantes americanos.

No que se refere a chegar ao Rio, a passagem aérea ainda é acessível. "As passagens aéreas estão consistentemente menos caras do que para a Copa do Mundo, e ainda menos caras do que para o Ano Novo no Rio", disse Julia Carter, diretora de vendas da Brazil Nuts, uma operadora de turismo baseada nos Estados Unidos que é especializada em América do Sul. A agência dela está oferecendo pacotes com passagem aérea e estadia por US$ 2.599 (cerca de R$ 8.610) por pessoa por cinco noites em um hotel em Ipanema, com voos sem escala de Miami ao Rio. O pacote não oferece ingressos para o evento e nem luxos adicionais, mas isso é suficiente como ponto de partida para a maioria dos visitantes.

Economizar ainda mais na passagem aérea pode significar perder o início dos jogos, mas mesmo assim pode valer a pena. Aislyn Green, editora para América do Sul da revista "Afar", disse que ofertas começam a surgir se a pessoa estiver disposta a chegar depois da cerimônia de abertura. "O que descobrimos é que os preços caem depois de 7 de agosto para cerca de US$ 300 (cerca de R$ 995), o que é uma forma de obter um bom negócio: ir mais cedo ou mais tarde. Outra opção, se você realmente quiser assistir a cerimônia de abertura, é voar para um aeroporto alternativo, como São Paulo. Os voos para lá custam até 50% menos do que você pagaria para ir ao Rio e dali há voos fáceis de uma hora por US$ 100 (cerca de R$ 330)."

Em relação a encontrar um hotel, a esta altura se resume a hotéis medianos ou abaixo disso, com todos os cinco estrelas já totalmente reservados. Mas Carter disse que os preços para os hotéis três estrelas estão caindo.

Para economizar ainda mais, cheque o Airbnb, que é um patrocinador oficial dos jogos e que anunciou que teria 25 mil opções de acomodações disponíveis. "Enquanto os apartamentos estão saindo em média por US$ 300 por noite, se você quiser, digamos, um quarto de solteiro em Copacabana, é possível encontrar um por US$ 31 (cerca de R$ 100)", disse Greene. Ela também recomendou o AlltheRooms.com, que agrega informação de vários sites de compartilhamento de imóvel como o VRBO, HomeAway e Flipkey.

Então, você vai aos jogos e encontrou um local para ficar, mas e quanto aos eventos? Um punhado já está esgotado, mas ainda há ingressos disponíveis para a maioria, até mesmo o golfe, que está fazendo sua estreia em Jogos Olímpicos neste ano. Apenas 67% dos ingressos já tinham sido vendidos até 20 de maio, muito menos do que a esta altura antes da Olimpíada de Londres em 2012. Isso é resultado (ao menos em parte) das baixas vendas domésticas, disse Donovan Ferreti, diretor de ingressos, que prevê que isso melhorará. "Faz parte da cultura brasileira comprar ingressos mais perto da data. Na Copa do Mundo, vimos um pico de vendas mais próximo do evento."

Há outros fatores a serem considerados. O Brasil relaxou suas exigências habituais de visto para viagem de 1º de junho a 18 de setembro para cidadãos dos Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália (os americanos normalmente pagam US$ 160 por um visto). Os visitantes podem comprar um passaporte cultural do Rio por R$ 15, que permite entrada gratuita ou com desconto a mais de 700 atrações culturais e eventos, assim como passagem de metrô a preço reduzido durante os jogos.

Para aqueles que gostariam de evitar o metrô, a Bike Rio conta com estações de aluguel de bicicletas nos bairros onde a maioria dos eventos olímpicos ocorrerá: Copacabana, Barra, Deodoro e Maracanã. Elas custam R$ 5 por hora (uma passagem de metrô só de ida custa R$ 4,10).

Apesar de ser necessário os viajantes terem cautela em relação à zika, agosto é um mês de inverno no Brasil, período em que a transmissão de doenças por mosquitos é mais baixa.

Comitê da Rio-2016 diz que casos de zika vêm caindo

  •  

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos