Solitário, atirador que baleou deputado manifestava fúria contra Trump e políticos

Nicholas Fandos*

Em Washington

  • AFP PHOTO/Facebook James Hodgkinson

    14.jun.2017 - James T. Hodgkinson, que atirou contra o deputado Steve Scalise e outros políticos republicanos em Alexandria, na Virgínia

    14.jun.2017 - James T. Hodgkinson, que atirou contra o deputado Steve Scalise e outros políticos republicanos em Alexandria, na Virgínia

Ele vivia em sua van no subúrbio norte da Virgínia e tomava banho na ACM (Associação Cristã de Moços). No Facebook, postava críticas enfurecidas contra o presidente Donald Trump e jurava lealdade ao senador Bernie Sanders, de Vermont. Em sua cidade natal, em Illinois, vizinhos seus reclamavam para a polícia de sua prática de tiros perto de casa.

Pouco antes das 7 a.m. na quarta-feira, segundo a polícia, James Thomas Hodgkinson, 66, de Belleville, Illinois, abriu fogo contra um campo de beisebol em Alexandria, na Virgínia, a poucos metros da ACM, atirando contra membros republicanos da equipe do Congresso que treinava ali.

Quatro pessoas foram atingidas no ataque, incluindo o deputado Steve Scalise, da Louisiana, líder dos republicanos na Câmara. Hodgkinson morreu em um tiroteio com a polícia na sequência.

O irmão do suspeito disse que Hodgkinson era crítico de Trump, estava frustrado com as eleições do outono e determinado a levar seu protesto para Washington. Mas sua motivação mais imediata para o ataque permanece pouco clara, mesmo depois que investigadores cercarem a casa de Hodgkinson no subúrbio de Belleville, uma cidade de 40 mil habitantes separada de St. Louis pelo rio Mississippi.

"Eu sei que ele não estava feliz com o rumo que as coisas estavam tomando, os resultados das eleições e tudo mais", disse seu irmão, Michael Hodgkinson, em uma entrevista por telefone pouco depois de ter recebido a notícia na quarta-feira.

"Foi totalmente do nada", ele acrescentou, dizendo que seu irmão era engajado em política, mas, fora isso, levava uma vida normal.

Conversas na quarta-feira com amigos e família, uma análise de seu histórico criminal e dos copiosos escritos de Hodgkinson no Facebook propiciaram algumas pistas. Ele estava profundamente envolvido com militância de esquerda e havia se voluntariado para a campanha presidencial de Sanders. Ele também teve conflitos com a polícia ao longo dos anos.

Homem atira contra deputados em campo de beisebol nos EUA

Em 1996 ele passou por uma tragédia, quando sua filha adotiva de 17 anos se matou cobrindo-se de gasolina e ateando fogo em si mesma dentro de um carro, de acordo com o "Belleville News-Democrat". O jornal relatou que a filha viveu com a família Hodgkinson por meses e havia tentado se matar antes.

"Ele parecia solitário", disse William D. Euille, prefeito de Alexandria entre 2003 e 2016, que veio a conhecer Hodgkinson durante paradas matutinas regulares na ACM. "Mas era muito legal".

Durante boa parte de sua vida adulta, Hodgkinson viveu a cerca de 100 metros de uma estrada rural em uma casa bem conservada de dois andares na periferia de Belleville. Ele foi atleta de luta livre no ensino médio, trabalhou durante anos na construção civil e depois mudou para a área de inspeção residencial, abrindo sua própria empresa, a JTH Inspections.

Charlene Brennan, uma corretora imobiliária de Belleville, disse que Hodgkinson fez vistorias para vendas de casas nas quais ela trabalhou ao longo dos anos. "Ele não me parecia radical", disse Brennan. "Não parecia uma pessoa instável. Não era agressivo. Era só um cara meio que normal."

No entanto, em perfis de redes sociais e em cartas enviadas com frequência para o "News-Democrat", Hodgkinson mostrava uma intensidade política. Ele parecia ter ficado especialmente abalado com a vitória de Trump em novembro, quando deixou expirar uma licença de sua empresa de inspeção residencial. E, no final de março, segundo as autoridades, ele se mudou para Alexandria, ao sul de Washington.

Durante todo esse tempo Hodgkinson continuou postando análises cáusticas de Trump e dos republicanos no comando em Washington.

Na manhã de terça-feira ele havia postado uma charge: "Como funciona um projeto de lei?" "Essa é fácil, Billy", dizia a charge. "As empresas escrevem o projeto de lei e depois subornam o Congresso até que ele se torne lei". "É exatamente assim que funciona…", escreveu Hodgkinson.

Sua página era repleta de referências a Sanders, que cobrava dos democratas um endossamento de políticas mais progressistas desde que perdeu a disputa pela nomeação do partido para Hillary Clinton, no ano passado.

Em um comunicado emitido na quarta-feira, Sanders condenou qualquer tipo de violência. "Estou enojado por esse ato desprezível", escreveu. "Serei o mais claro possível. Violência de qualquer tipo é inaceitável em nossa sociedade, e eu condeno essa ação com a maior veemência possível".

O comportamento de Hodgkinson atraiu a atenção de autoridades locais várias vezes ao longo dos anos, como mostram registros do Departamento de Polícia do Condado de St. Clair.

Em abril de 2006, Hodgkinson, de acordo com o departamento de polícia, entrou à força na casa de um vizinho atrás de sua filha, agarrou-a pelos cabelos e, depois de uma discussão, deu um soco no rosto da amiga de sua filha.

Mais tarde, quando o namorado da amiga de sua filha confrontou Hodgkinson em casa, este teria atendido a porta com um rifle apontado para sua cara e bateu nele com a arma, segundo o namorado contou ao departamento de polícia.

Hodgkinson foi acusado de violência doméstica, emprego de arma de fogo e vandalismo contra um veículo motorizado. As acusações foram indeferidas posteriormente.

Amigos e conhecidos dizem ter ficado chocados com o tiroteio de quarta-feira.

Dale Walsh, que se identificou como um amigo que o conhecia como Tommy, disse que Hodgkinson era uma figura vibrante quando mais jovem. "Ele não era mau", ele disse. "Acho que estava cansado da política".

Em Alexandria, Hodgkinson passava muitas das manhãs na ACM, disse Euille. Os dois batiam papo sobre política e filmes antigos, segundo Euille, e Hodgkinson perguntava sobre como encontrar emprego na cidade e bons lugares onde comer. Na maior parte dos dias, segundo Euille, Hodgkinson ficava sentado—muitas vezes por horas a fio—em uma pequena área da recepção com seu laptop.

Foi assim na terça-feira também, disse Euille. A certa altura, disse Michael Hodgkinson, seu irmão ligou para casa para dizer à sua mulher que ele sentia falta dela e de seus cachorros, e que ia voltar para casa.

Vinte e quatro horas depois, Hodgkinson realizou seu ataque a poucos passos da porta principal da academia, no bem cuidado campo de beisebol onde os deputados treinavam.

*Com reportagem de Bill Bryan (Belleville), Alan Blinder (Atlanta) e Adam Goldman (Washington) e pesquisa de Kitty Bennett.

Tradutor: UOL

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos