Topo

Zuckerberg responde pessoalmente a críticas por ignorar violência em Mianmar

Nick Woolley/BBC
Cerca de 700 mil muçulmanos rohingya fugiram da violência em Mianmar desde agosto Imagem: Nick Woolley/BBC
Exclusivo para assinantes UOL

Kevin Roose e Paul Mozur

2018-04-11T00:01:00

11/04/2018 00h01

Na semana passada, depois que ativistas frustrados de Mianmar enviaram uma carta aberta a Mark Zuckerberg, o executivo-chefe do Facebook, eles conseguiram algo inesperado: uma resposta.

Os ativistas, representantes de seis organizaçõ...