Exclusivo para assinantes UOL

Assassinato de jornalistas russos na África mostra alcance de Putin em territórios perdidos

Andrew Higgins e Ivan Nechepurenko

Em Moscou (Rússia)

  • Pavel Golovkin/AP

    Retratos dos jornalistas Alexander Rastorguyev, Kirill Radchenko e Orkhan Dzhemal, mortos da República Centro-Africana, são colocados em frente ao prédio do Sindicato dos Jornalistas Russos, em Moscou

    Retratos dos jornalistas Alexander Rastorguyev, Kirill Radchenko e Orkhan Dzhemal, mortos da República Centro-Africana, são colocados em frente ao prédio do Sindicato dos Jornalistas Russos, em Moscou

Os três jornalistas russos se aventuraram na violenta República Centro-Africana infestada de rebeldes, como parte de uma ousada investigação do uso de mercenários pelo Kremlin para projetar poder na áfrica, Síria e outras terras distantes. Três dias depois, eles estavam mortos, supostamente baleados por assaltantes em uma estrada em que muitos outros viajaram naquele dia sem incidentes.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos