Políticos poderão suspender propaganda eleitoral em 11 de setembro

Peggy Fikac
San Antonio Express-News
Em Austin (EUA)

Diversos candidatos a cargos públicos já aceitaram a proposta de celebrar o dia 11 de setembro com a suspensão da propaganda eleitoral no rádio e na televisão por 11 dias.

Porém os candidatos com maior acesso à mídia em uma disputa severa e acirrada pelo poder não pertencem ao grupo de políticos dispostos a aceitar o pedido feito pela CLEAT ("Combined Law Enforcement Associations", uma organização trabalhista de policiais que representa 12 mil trabalhadores no estado do Texas).

O governador republicano Rick Perry, que em sua propaganda eleitoral procura vincular seu adversário republicano Tony Sanchez à lavagem de dinheiro do narcotráfico, afirmou que aceitaria a suspensão caso Sanchez também aceitasse.

Por sua vez Sanchez, um empresário de Laredo que acusa Perry por utilizar a máquina do governo e por favorecimento a terceiros em sua propaganda eleitoral, fez uma contra-proposta.

Ao invés da suspensão de toda a publicidade, Sanchez sugeriu uma retomada imediata das "mensagens substantivas a respeito das questões relevantes para todos os texanos".

O porta-voz de Perry, Ray Sullivan, respondeu que os republicanos "dariam continuidade ao plano de campanha até setembro".

Ambas as partes declararam que adotariam uma postura respeitosa no período próximo ao aniversário de um ano dos ataques terroristas de 11 de setembro

Charley Wilkinson, diretor político e jurídico do CLEAT, afirmou que a suspensão representaria uma boa oportunidade para que as campanhas "fossem interrompidas e começassem outra vez", focalizando-se em questões concretas. De acordo com a proposta, a suspensão começaria no dia 1o de setembro.

Ele disse ainda que o gesto representaria uma homenagem às pessoas que arriscaram sua vida para socorrer outras.

"O princípio seria fantástico", disse Wilkinson. "Seria uma forma extraordinária para que mostrássemos ao mundo que por aqui as coisas são bem diferentes. Eles pensam que somos apenas um bando de cabeludos e alguns políticos corruptos. Vamos fazer algo diferente".

O CLEAT apóia candidatos dos dois maiores partidos -- entre eles, Perry e o candidato democrata a vice-governador John Sharp, que concorre contra o candidato governista republicano David Dewhurst.

Tanto Perry quanto Sharp enfrentam candidatos abastados que podem apostar na riqueza de suas famílias. Porém Wilkinson afirma que a suspensão proposta baseia-se em um princípio, e não foi concebida para favorecer algum candidato em especial.

Sharp, que ainda não iniciou sua propaganda no rádio e na televisão, pretende aderir à suspensão. Dewhurst ainda considera a hipótese. O candidato democrata ao senado Ron Kirk disse que concordaria com a suspensão.

O adversário republicano de Kirk, o Procurador do Estado John Cornyn, ainda não decidiu se irá aderir à suspensão, mas respeita a postura do CLEAT e não fará propaganda no dia 11 de setembro, segundo declarou um porta-voz.

O CLEAT ainda não declarou apoio a nenhum dos candidatos ao Senado.

Em eleições passadas, outros grupos combateram as agressões políticas, mas "pela primeira vez vejo um grupo sugerir uma ação suspensiva específica como esta", afirmou o cientista político Bruce Buchanan, da Universidade de Texas em Austin.

"Como princípio, não seria uma excelente idéia? Sim, mas creio que seria melhor ainda se fosse permitida a propaganda, sem que houvesse difamação ou hostilidade", ele acrescenta.

Tradução: André Medina Carone San Antonio Express-News

UOL Cursos Online

Todos os cursos