Lei do Texas contra cheerleaders provoca vaias

Kristin Finan
Houston Chronicles

Uma torcida (com palmas e pompons opcionais) para os legisladores do Texas, trazida com amor por suas adoráveis líderes de torcida colegiais, anima times e técnicos:

Two-four-six-eight/ Please don't legislate. (Por favor não aprovem a lei.)

Era tarde demais para a Câmara dos Deputados do Texas, que aprovou na última quarta-feira (4/5) um projeto de lei que regula exibições "com insinuações sexuais" em escolas públicas. Agora o projeto está perante o Senado do Texas, onde, apesar da enorme atenção da mídia nacional, ela não tem um senador responsável.

"Como você pode imaginar, é alguma piada", disse Natalie Guice Adams, uma professora associada da Universidade do Alabama e co-autora de "Cheerleader: An American Icon" (Líders de Torcida: Ícones Americanos).

"Eu me sentiria embaraçada se fosse de um Estado recebendo atenção por causa disto. Geralmente são o Alabama, Louisiana ou Mississippi que chamam atenção por este tipo de coisa. Fico feliz que desta vez seja o Texas."

Este não é o primeiro encontro entre as líderes de torcida do Texas e a sala do diretor. Adams disse que as líderes de torcida do Dallas Cowboys foram as principais responsáveis por tornar as coreografias sinônimo de sensualidade.

"Quanto mais sensual for, maior audiência você consegue", disse ela.

Anna Hollis, uma aluna da sétima série da Houston's Clear Lake High, tem participado do esquadrão de líderes de torcida de sua escola desde a quinta-série. Hollis, que descreve a si mesma como "animada", "competitiva" e "determinada", admitiu que gosta de agradar a torcida.

"Eu gosto de apresentar um bom espetáculo", disse ela.

Não por meio de movimentos impróprios, como deixa implícita a legislação, mas com saltos, cambalhotas e acrobacias.

"Dançar não é a parte principal de nossa rotina", disse ela. "As líderes de torcida não estão lá para ser provocantes."

Como a lei não especifica o que constitui comportamento provocante, disse Kathy Thiessen, chefe de patrocínio de líderes de torcida da escola Hollis nos últimos 10 anos, é improvável que isto venha a ter algum impacto.

"Eu não acho que se possa prender ou multar uma criança por dançar de forma imprópria", disse ela. "Eu simplesmente me pergunto se algumas destas pessoas têm ido recentemente a bailes ou festas escolares."

O projeto de lei não sugere que a polícia vá arrastar alunos colegiais ou ginasiais que requebrem para a cadeia, mas sim fazendo com que a Agência de Educação do Texas (TEA) trabalhe com as juntas escolares para investigar alegações de comportamento impróprio.

"Quando há uma lei que diz que algo é um problema, as pessoas tendem a ser mais cuidadosas com o conteúdo de seu comportamento", disse o deputado Corbin Van Arsdale, republicano de Houston e co-autor do projeto de lei.

Ele disse que a definição de comportamento "sexualmente sugestivo" não foi estabelecida intencionalmente. "No instante em que você começa a inserir exemplos, você deixa alguns de fora", disse ele.

Apesar da TEA não querer comentar uma legislação específica antes que seja aprovada, uma porta-voz disse que não tem havido queixas sobre as rotinas de dança das líderes de torcida.

"Isto não é algo que tem sido comentado", disse a porta-voz da TEA, DeEtta Culbertson.

Assim, se a TEA não está recebendo queixas e a maioria das competições colegiais de líderes de torcida já proíbe coreografias vulgares ou sugestivas, por que o autor do projeto de lei, o deputado Al Edwards, democrata de Houston, se tornou uma celebridade da noite para o dia?

Porque, disse Adams, as líderes de torcida têm fascinado os americanos desde muito antes de Wanda Holloway ter elaborado um plano para ajudar sua filha, candidata a líder de torcida, conseguir seu espaço. Holloway planejou matar a mãe da rival de sua filha.

"As líderes de torcida realmente desfrutam de um lugar especial na América", disse Adams. "As líderes de torcida supostamente são estas garotas ideais, com maior moral do que o restante das garotas de qualquer escola."

Grady Goodlett, de Houston, admite ser um fã.

"Eu adoro líderes de torcida", disse Goodlett, acrescentando orgulhosamente que sua esposa foi chefe das líderes de torcida no colégio deles. "É a inocência de uma líder de torcida. Bem, a aparência de inocência."

Jacy Smalley, que foi líder de torcida dos Houston Texans da NFL de 2001 até 2003, sabe tudo sobre manter as aparências, pela forma como lhe foi exigido desde como cortaria o cabelo até a promessa de manter um peso "saudável".

"As pessoas estão sempre de olho em você", disse Smalley, que agora é dona de uma floricultura. "Você tem que estar sempre precisa, e a forma como você atua, a forma como se veste, a forma como fala, todas estas coisas são componentes importantes de ser uma líder de torcida."

E Smalley acha que as colegiais devem atenuar suas coreografias mais picantes? "Isto cabe aos técnicos delas", disse ela.

Exatamente, disse Thiessen. A coreografia das meninas deve ser regulada pelos técnicos, que geralmente são rígidos com seus alunos e insistem em rotinas limpas, mesmo se filmes e vídeos de música pintem uma imagem diferente.

"É divertido assistir um filme como 'Teenagers - As Apimentadas', mas não é um verdadeiro indicador do que acontece em uma competição de líderes de torcida", ela disse sobre o filme de líderes de torcida de 2000, estrelado por Kirsten Dunst. "Não é nada daquilo."

Mas se não há nenhum problema aqui, por que uma regulamentação?

Van Arsdale comparou a um sistema rodoviário.

"E se fizéssemos apenas uma grande pavimentação e disséssemos para dirigirem como quiserem? Se governo criar uma regulamentação, isto ocorrerá de uma forma mais tranqüila", disse ele. "Há apoio para este projeto de lei. Eu recebi uma tonelada de e-mails de todo o Estado dizendo me parabenizando."

Quanto aos críticos que temem que esta legislação possa abrir o caminho para outras leis limitando a expressão pessoal, Van Arsdale disse que as escolas ainda podem se sair bem na criação de rotinas.

"Há muita coisa que pode ser feita sem ser exageradamente sensual", disse Van Arsdale. "Eu imagino que ainda há muita dança, chutes e pirâmides que podem ser feitos."

Mas para Hollis, a insinuação do projeto, citando o vídeo da MTV de Gwen Stefani, "Hollaback Girl" (que incidentalmente exibe líderes de torcida), é "B-A-N-A-N-A-S".

"Ontem nós fomos ao treinamento, e nosso patrocinador se sentou conosco e disse que este programa é maior do que todos nós. As garotas que estiveram aqui 20 anos atrás o desenvolveram para vocês, e vocês o estão desenvolvendo para as crianças do futuro", disse ela.

"É um tanto ofensivo ouvir que estamos sendo provocativos, após tanto esforço dedicado ao desenvolvimento do programa." Objetivo é proibir "coreografias impróprias" das líderes de torcidas George El Khouri Andolfato

UOL Cursos Online

Todos os cursos