Sai 1º processo por cegueira causada pelo Viagra

Harvey Rice
Houston Chronicle

Uma ação judicial movida por um homem do condado de Montgomery é a primeira do gênero no país desde que autoridades federais de saúde anunciaram no mês passado que o Viagra poderia causar um problema em um pequeno número de homens capaz de resultar em cegueira, disse na quarta-feira (8/6) um advogado.

Ruby Washington/The New York Times 
Alguns homens que tomaram a droga sofreram "neuropatia isquêmica anterior não arterítica", o "derrame no olho"
"Eu sei que o problema foi causado pelo Viagra", disse o advogado forense Daniel E. Becnel Jr., de Reserve, Estado de Louisiana, referindo-se à ação judicial que ele e outros dois advogados do Estado moveram na última terça-feira em favor de James Thompson, 63, de The Woodlands.

A alegação de Becnel não pôde ser independentemente verificada, mas uma pesquisa nos arquivos do tribunal do Distrito Sul do Texas não revelou nenhum outro caso relativo ao Viagra.

Ele disse que o caso de Thompson, apresentado ao tribunal federal de Houston, é o primeiro em cerca de cem casos em todo o país que a sua equipe de advogados pretende representar.

Segundo ele, a equipe está recebendo casos de cerca de 200 advogados em todo o país.

Se não for a primeira, a ação judicial de Thompson está entre as primeiras daquilo que se espera que seja uma onda de ações contra a Pfizer Incorporation, a fabricante da droga contra disfunção erétil.

A Administração de Alimentos e Remédios (FDA na sigla em inglês) anunciou que está examinando 43 relatórios relativos a casos de cegueira potencialmente vinculados a drogas contra impotência --38 entre os usuários de Viagra, quatro entre os usuários de Cialis, além do caso de um homem que tomava Levitra.

Autoridades federais dizem que um pequeno número de homens que tomaram a droga sofreu "neuropatia isquêmica anterior não arterítica" (Naion, na sigla em inglês), uma doença também conhecida como "derrame no olho", que pode levar à cegueira completa.

O problema ocorre quando a pressão sanguínea cai, restringindo o fluxo de sangue oxigenado ao nervo ótico, segundo a ação judicial.

A ação de Thompson acusa a Pfizer de não adverti-lo sobre o possível efeito nocivo à sua saúde, ainda que a empresa soubesse do perigo. Um outro advogado de Thompson, Ronnie Penton, de Bogalusa, Louisiana, disse que Thompson teve perda parcial de visão no olho esquerdo 16 horas após tomar Viagra.

Nenhum representante da Pfizer foi encontrado pela reportagem para fazer um comentário, mas a companhia declarou no seu site na Internet que realizou 103 testes clínicos envolvendo 13 mil pacientes e não detectou nenhum caso de Naion.

"Não há evidência que demonstre que a Naion ocorreu com maior freqüência em homens que tomam Viagra do que em homens de idade e saúde similares que não tomaram o remédio", diz a declaração.

Penton afirmou: "Acreditamos que a Pfizer sabia muito bem que havia sério risco de dano à visão".

Um estudo publicado na edição de março do periódico "Journal of Neuro-Ophthalmology" alega que sete pacientes com idades entre 50 e 69 anos tiveram Naion até 36 horas após ingerirem Viagra, mas todos tinham hipertensão, diabetes ou colesterol alto antes de tomarem a droga.

O estudo disse que sete casos similares foram relatados anteriormente e advertiu que homens que sofrem de enrijecimento das artérias também correm risco.

A idéia é que a ação seja coletiva, sob a alegação de que mais de 23 milhões de homens tomaram Viagra desde 1998. Thompson está pedindo uma indenização de US$ 75 mil, além de futuro monitoramento médico para aqueles que tiveram perda parcial ou total da visão por causa do Viagra. Não há relação de causa entre a pílula e doença, alega o fabricante Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos