Dizendo adeus

Melissa Dahl
do The Sacrmento Bee
em Sacramento, Califórnia

Toda mulher sabe o que fazer quando um relacionamento romântico termina: combinar uma noitada entre mulheres, não mencionar o nome do ex e comer bastante sorvete. Mas o que acontece quando quem resolve ir embora é sua melhor amiga?

"A primeira coisa que pensei foi: 'O que há de errado comigo? Disse algo errado? Fiz alguma coisa?'" diz Marilyn Amir, 66, que mora em Carmichael. "Faz você achar que não vale nada."

Freqüentemente, quando uma mulher decide terminar uma amizade, ela usa o tratamento do silêncio. Talvez para não magoar a ex-amiga ou evitar dramas, ela cancela planos, nunca responde aos e-mails e você ouve tantas vezes a secretária eletrônica dela que decora a saudação.

"A intenção é boa", diz Liz Pryor, autora de "What Did I Do Wrong?: When Women Don't Tell Each Other the Friendship Is Over" (o que eu fiz de errado? Quando as mulheres não falam às outras que a amizade terminou, Free Press, US$ 12.97, 208 páginas). "Não é por maldade. A primeira coisa que pensamos é que não queremos magoar o outro, então o menor dos males é sumir de cena."

Em geral, diz-se que relacionamentos entre mulheres são fortes e que um bom grupo de amigas faz bem à saúde da mulher.

Passar tempo com as amigas pode ajudar a acalmar o estresse da vida diária, de acordo com um estudo de 2002 da Ucla. E as mulheres com fortes amizades têm maior probabilidade de viver uma vida mais alegre e menor probabilidade de desenvolver problemas de saúde, de acordo com o Nurses Health Stydy da faculdade de medicina de Harvard.

"As mulheres valorizam suas amizades tão profundamente que levam muito a sério a idéia de terminar uma relação desse tipo", disse Lynn Harris, co-criadora do BreakupGirl.net, um site da Web que dá conselhos para complicações de rompimentos.

Inúmeros livros, artigos e conversas entre amigos dissecam os mecanismos de um fim de um relacionamento romântico, mas é difícil encontrar informações sobre o que fazer quando uma amizade termina.

"É difícil, porque você sabe como romper com um homem, mas o que dizer para uma mulher?" disse Harris. "'Estou fazendo amizade com outra? Não sinto mais aquela magia?'"

Portanto, para evitar o conflito ou por falta de idéia melhor, muitas mulheres que querem terminar uma amizade simplesmente se distanciam, cancelando planos e evitando o telefone.

"Fazemos isso porque não queremos confronto, nem machucar a outra", disse Pryor. "O problema é que, no final, não acho que seja eficaz."

O silêncio pode terminar levando a outra a se machucar mais ainda. A partida de um amigo sem explicações pode deixar a outra pessoa confusa e ela pode custar a entender.

"Demorei duas ou três semanas. No princípio era só uma distância, e eu fingia que não percebia, mas depois de três semanas entendi o que estava acontecendo. Foi muito doloroso; eu não consegui esquecer por meses", disse Patrícia Wellingham-Jones. Hoje fica envergonhada de pensar sobre o quanto perseguiu sua ex-amiga.

"Acho que precisei de uns seis meses antes de realmente a deixar ir e dizer: 'Acabou'", disse Wellingham-Jones, 67, escritora que mora em Los Molinos, Califórnia. "Realmente eu deveria ter sido forte o suficiente e inteligente o suficiente para deixá-la ir."

A técnica do afastamento é, de certa forma, eficaz, pois acaba com a amizade, mas pode causar mais problemas de longo prazo para os dois ex-amigos.

"Parece mais fácil se afastar", disse Lisa Papademetriou, autora de "Sixth Grade Glommers, Norks, and Me" (Hyperion, US$ 9.74, 224 páginas), a história de uma menina no ensino médio lidando com o fim de uma amizade. Mas a autora não acha que o tratamento do silêncio funcione no longo prazo. "Como já estive dos dois lados, sei que é muito mais difícil lidar com as perguntas que ficam para trás quando você é deixado, e com a culpa quando você é quem se afasta."

Para terminar uma amizade com uma mulher por quem se sentia usada, Sally Campbell parou de retornar suas ligações, porque não sabia o que mais fazer.

"Eu não sabia o que dizer", disse Campbell, 72, que mora em Sacramento. "O que você diz? 'Não gosto mais de você?' Ah, não consigo."

Se uma amizade chegou ao ponto em que a única opção parece ser ir embora, por que a maior parte das mulheres não consegue dizer isso?

"Minha sensação é que fomos treinadas para sermos boazinhas", diz BJ Gallagher, socióloga de Los Angeles e autora de "Friends Are Everything" (os amigos são tudo, Conari Press, US$ 10.97, 194 páginas). "Não somos muito boas em lidar com as coisas de forma clara e direta. Fugimos e esperamos que o problema desapareça."

Quase 50 anos depois, Amir ainda não discutiu a separação de sua melhor amiga. Elas se conheceram quando eram adolescentes, e uma passava tanto tempo na casa da outra quanto na sua própria.

"Fazíamos muitas coisas juntas -íamos patinar na rua, no gelo", diz Amir. Depois de um tempo, porém, sua amiga passou a dizer que estava ocupada; as reuniões de família que sempre participara subitamente se tornaram "só para a família". E, ao mesmo tempo, o rapaz que Amir estava saindo parou de ligar.

"De repente, tudo ficou claro", disse Amir, que compreendeu que sua amiga e seu namorado estavam se vendo escondidos.

Os dois eventualmente se casaram, e Amir até foi ao casamento, mas nunca disse a eles o quanto ficou magoada. Ela diz que sua amizade terminou porque se sentiu traída. "Mas acho que em parte foi por mim", disse Amir. "Eu poderia ter dito alguma coisa, mas não consegui. O confronto teria sido traumático demais. Não é que eu ainda estivesse apaixonada por esse rapaz", disse ela, "foi a amizade que foi destruída".

Terminar com a melhor amiga pode ser tão traumático quanto um rompimento romântico -ou mais, já que ninguém se preocupa em comprar sorvete para você e seus outros amigos não ligam para ver se você está comendo.

E a idéia de que "amigos são para sempre" coloca certa quantidade de vergonha no fim de uma amizade, então muitas mulheres não gostam de admitir que as amigas as deixaram.

"Eu não quis admitir por anos que uma amizade tinha fracassado e uma amiga partido", disse Wellingham-Jones. "Reflete as dúvidas: 'Serei uma pessoa ruim? O que eu fiz de tão horrível que ela não me agüentava mais?'"

Como ninguém gosta de falar sobre isso, as duas mulheres envolvidas no rompimento têm a sensação de que são as únicas no mundo lidando com isso, mas a maior parte das pessoas tem história similar.

"Não acho que ninguém atinja uma idade avançada sem ter perdido em algum ponto um amigo querido", disse Wellingham-Jones. "E não por morte; quero dizer, por briga. É uma grande surpresa e causa vergonha; você não quer falar a respeito."

Mas não é incomum amizades terminarem. Se for de forma apropriada, os especialistas dizem que não há nada para se envergonhar. As mulheres tendem a se apegar às suas amizades e deixarem as amigas fazerem coisas que rapidamente reprovariam em um namorado.

"Acho que as mulheres não devem se sentir culpadas se fizerem uma limpeza", disse Harris. "Olhe em sua agenda. Se você tiver planos com alguma pessoa, mas preferiria fazer outra coisa, tudo bem deixar aquela pessoa ir.Realmente tudo bem."

No entanto, é importante admitir que a amizade terminou. A pessoa que está tomando essa atitude deve honrar a amizade deixando o amigo saber a razão pelo afastamento, disse Pryor.

Em vez de apenas tentar fazer uma saída silenciosa, especialistas recomendam escrever uma carta, explicando porque você não está interessada em continuar a amizade. Para as mais corajosas, uma conversa pode funcionar. As duas técnicas são dolorosas, mas economizarão o tempo que a amiga ia passar agonizando para saber onde errou.

Mesmo para a mulher mais articulada, pode ser difícil dizer exatamente o que houve com a amizade, já que em geral não é apenas um instante, mas uma série de coisas que no final geram a queda.

"É uma série de coisas, no curso dos anos ou meses, que nunca são abordadas", disse Pryor. Uma razão comumente usada para explicar o fim de uma amizade terminar é: "Ela me enche".

Mas se as mulheres conseguissem dizer o que as incomoda quando acontece, talvez evitassem o problema, disse Pryor.

"Há tantas coisas que nos intimidam", disse Gallagher. Ela acrescentou que muitas mulheres acham que não podem dizer as coisas; dizer que ficaram magoadas por não terem sido incluídas em um almoço, por exemplo.
"Simplesmente acumulamos as coisas."

Freqüentemente, a mulher fica tão irritada com as ações ou comentários da amiga que o rompimento parece iminente, mas aquela que está sendo deixada não tem a menor idéia.

"Para quem está sendo deixado, a coisa acontece do nada; mas para quem está tomando a atitude, é a última gota", disse Pryor.

Campbell empregou o método do afastamento com uma amiga que a fazia se sentir usada. "Estou na loja fazendo compras para ela, e ela vai a uma festa", disse Campbell, descrevendo o que sentiu que foi a última gota na amizade. "Fiquei cheia. Fiquei contente em partir."

É difícil, mas dizer para a outra pessoa o que gera aborrecimento pode salvar sua relação no longo prazo.

"Não é gostoso, mas quando ela grita com seu filho ou faz um comentário sobre seu peso, você tem que dizer naquela hora, no momento: 'Sabe, isso não é legal. Você está me chateando'", disse Pryor. "Se você lidar com a coisa ali, esses pequenos incidentes não se acumulam."

"É algo que fica com você", disse Amir, que aos 66 ainda sente-se magoada do rompimento que aconteceu quando era adolescente. "É uma dessas coisas que não vai embora." Deborah Weinberg

UOL Cursos Online

Todos os cursos