Mexendo nas notas

David Kronke
do Los Angeles Daily News

Chame de "Regra de Lauren Graham". O novo sistema de nomeação do Emmy foi formulado para ajudar as séries e atores que, como Graham, são aclamados e realizados, mas cujo trabalho nunca é visto por um grande número de votantes.

"Este é um sistema que procura conscientemente incluir candidatos de fora do principal centro de indivíduos ou programas populares. Lauren é um excelente exemplo disso", disse John Leverence, vice-presidente de premiação da Academia de Artes e Ciências da Televisão.

No passado, membros da academia submetiam suas cédulas, e os cinco mais votados em cada categoria eram nomeados. Naturalmente, com a enorme quantidade de produções de televisão, ninguém na academia tinha tempo de ver todos os programas possíveis das principais categorias.

Graham, que faz o papel da mãe de língua afiada em "Gilmore Girls" é apenas uma das artistas constantemente esnobadas pelas nomeações, um esquecimento que irrita fãs, críticos e observadores da indústria.

Neste ano, foi acrescentado outro nível de votação às principais categorias de atores e séries dramáticas e cômicas. As 10 séries e os 15 atores mais votados de cada categoria foram revisados por um "comitê de premiação" composto de colegas da indústria, que deram aos nomeados notas A, B ou C. Os cinco com melhores notas então serão nomeados. Desta forma, um ator que entrou em 15º lugar na rodada inicial de votação do corpo geral de membros da academia ainda pode ser nomeado com base na resposta do conselho.

"A segunda votação é baseada na experiência imediata daquilo que o jurado vê na tela. Não é como uma pessoa que vota por se lembrar vagamente: 'Sim, acho que aquele é um bom ator'", diz Leverence. "Não estamos reinventando a roda, só acrescentando mais um eixo."

Quando as nomeações forem anunciadas em uma cerimônia na quinta-feira (06/7), em North Hollywood, esse eixo deve ajudar a trazer nomeações para programas como "Rescue Me" da FX, "Big Love" e "Entourage" da HBO, "Weeds" da Showtime e talvez até a série muito ignorada pelo prêmio "Gilmore Girls".

Eles vão se unir às presenças constantes do Emmy, como "The Sopranos", "Boston Legal", "24", "The West Wing", "Will & Grace", "Curb Your Enthusiasm" e mais recentes adições como "Lost", "Desperate Housewives" e "Grey's Anatomy".

Hábito

O Emmy é um prêmio único do entretenimento pois as séries e os atores podem ser nomeados por todo o tempo que estiverem no ar.
Freqüentemente, os votantes caem no hábito de votar nos mesmos candidatos, em detrimento das séries novas. "The West Wing" venceu o Emmy de drama por três anos consecutivos; "Frasier" foi nomeado como melhor comédia por cinco. Helen Hunt foi nomeada melhor atriz em comédia por setes anos consecutivos, vencendo em quatro.

"Quando você tem esse tipo de histórico, como pessoa ou programa, você ganha uma aura que se torna outro atrativo para os votantes, você se torna um gorila de uma tonelada", admite Leverence. "Você já está no jogo há um tempo, todo mundo o conhece e mesmo que o jurado não tenha assistido a nenhum dos episódios, poderá imaginar: 'O Bob sempre foi bom -por que não seria neste ano? Ele tem meu voto.' Enquanto Sam, em uma nova série, pode ser muito melhor, não está na mesmo patamar de reconhecimento. É inerente à psicologia do votante, um certo tropismo na direção de eventos passados."

Bob Thompson, diretor do Centro de Estudos da Televisão Popular da Universidade Syracuse, diz que o novo sistema "pode ter um efeito significativo. Você saberá que as pessoas responsáveis pelas nomeações assistiram a tudo. No momento em que você garantir que todo mundo viu tudo, terá alguma mudança."

"Muitas pessoas têm seus programas prediletos, para os quais votarão de qualquer forma", observa Thompson. "Se você fizesse todo mundo assistir a tudo, seriam forçadas a pensar: 'Nossa, esse realmente é bom; por que não assisti antes?' Não será uma revolução nos Emmys, mas será uma alteração sig nificativa."

Nenhuma mudança

Ray Richmond, que cobre a indústria da televisão para a publicação The Hollywood Reporter, não tem tanta certeza.

"Acho que as mudanças nas regras vão ajudar pouco, ou nada", diz ele. "Os membros da votantes academia em geral são mais antigos, acostumados a agir de certa forma. Toda a idéia de uma nova etapa de votação para chegar a uma lista anterior era para permitir a inclusão de candidatos que não conseguiam entrar na fila devido à obscuridade ou por estarem em um canal que simplesmente não é levado a sério."

"O problema é que a academia quer abrir o processo para 'Battlestar Galácticas' e 'Gilmore Girls' pedindo aos jurados que participem de um comitê de premiação especialmente convocado por um final de semana -que é uma forma segura de atrair as próprias pessoas resistentes à mudança. Então não, não vejo muitas possibilidades de brechas, mesmo neste processo mais inclusivo."

Richmond conclui com simplicidade: "Ainda há uma desconexão entre o que a academia gosta e o que os críticos preferem."

"De fato os Emmys são muito como o setor imobiliário, em que os três fatores principais são localização, localização, localização. Freqüentemente, o que você é tem menos importância do que onde está seu programa. Uma rede aberta e a HBO são basicamente de frente para o mar. Qualquer outra coisa o leva progressivamente mais para o interior e para a parte ruim da cidade. E se você estiver na WB, é como se vivesse no gueto."

Além disso, há a questão do que o prêmio quer medir, disse Thompson. "Se está escolhendo quais programas de fato são os melhores por um critério objetivo, então tem que mudar completamente a votação", diz ele. "A intenção nunca foi escolher o melhor; e sim o que um corpo de colegas acha melhor. Os Emmys são um teste Rorschach anual da posição da própria indústria sobre o que está fazendo. Esses comitês, de muitas formas, estão tentando fazer os Emmys refletirem algo que nunca mediram antes."

A academia empregou pela primeira vez comitês de premiação para algumas categorias em 1998, em um esforço para diminuir o número de celebridades que estavam sendo nomeadas por participações especiais nas séries. "Num ano, tivemos uma situação em que um astro do cinema foi nomeado, mas por melhor que fosse, não tinha feito nada; foi indicado por seu nome e reconhecimento. Muitas pessoas estavam trabalhando melhor e não conseguiram entrar no sistema. Encontramos uma forma de avaliar o material previamente para dar maior oportunidade de encontrar desempenhos legitimamente bons", disse Leverence. Comitês do Emmy darão notas A, B ou C aos nomeados -dando esperança aos pequenos (ou à Gilmore Girl) Deborah Weinberg

UOL Cursos Online

Todos os cursos