Estações de esqui do Colorado procuram atrair turistas asiáticos

Julie Dunn
The Denver Post

A indústria de esqui do Colorado (EUA) está de olho no leste da Ásia na tentativa de aumentar o número de turistas esquiadores internacionais.

Pela primeira vez, representantes da Colorado Ski Country USA foram ao Japão, tendo se reunido duas vezes com agentes de turismo e jornalistas especializados nessa área.

Eles conseguiram convencer duas grandes agências de viagem japonesas a começar a vender pacotes para Vail e Aspen neste inverno, diz Sue Baldwin, vice-presidente de desenvolvimento de negócios internacionais do grupo que representa a indústria.

Margarete Magalhães/Folha Imagem 
Resort e montanhas em Aspen, que busca turistas japoneses e chineses

"O Japão é o nosso alvo número um, e mercados como a Coréia e a China vêm logo depois", explica ela. "Vislumbramos a oportunidade de aumentar o número de esquiadores desses países exponencialmente nos próximos cinco ou dez anos".

A Aspen Skiing Company e a Vail Resorts Incorporation - cada uma delas dona de quatro estações de esqui no Colorado - também estão ampliando as suas iniciativas no sentido de conquistar mercados e vendas na Ásia.

Ambas as companhias enviaram representantes de vendas ao Japão e à China nos últimos 12 meses. E no mês passado a Vail Resorts contava pela primeira vez com um quiosque na grande Feira Internacional de Viagens da China, em Xangai.

A indústria espera que o ainda débil dólar norte-americano continue atraindo turistas interessados em esquiar nos Estados Unidos.

Dois invernos atrás, o dólar norte-americano fraco contribuiu para um aumento de 28% das visitas de turistas internacionais, com a chegada de mais 200 mil esquiadores e praticantes de snowboard estrangeiros às 26 estações de esqui do Colorado. No inverno passado, as visitas desses esquiadores estrangeiros cresceram mais 8%.

Jimi Omori, dono da Ski America, em Frisco, organiza viagens para esquiadores e snowboarders japoneses desde 1998. Os negócios diminuíram drasticamente após terem atingido um ápice em meados da década de 1990, mas se recuperaram nos últimos dois anos.

No inverno passado, ele trouxe 625 esquiadores japoneses para o Colorado. Neste inverno, ele estima que esse número chegará a 700.

"Não se trata de resultados instantâneos", afirma Omori. "Mas se eles continuarem vindo para cá neste ritmo, veremos mais negócios japoneses vindo para as estações do Colorado."

Um fator importante para o aumento do número de esquiadores estrangeiros foi a criação de mais vôos internacionais para o Aeroporto Internacional de Denver.

A Colorado Ski Country está trabalhando em conjunto com o aeroporto, com o Departamento de turismo do Colorado e com funcionários municipais e estaduais da área de desenvolvimento econômico a fim de criar um vôo direto de Tóquio para Denver em três ou cinco anos.

"Um vôo sem escalas é obviamente um fator fundamental", diz Baldwin. "A nossa meta é ir até lá e apresentar esse mercado antes que os vôos sem escalas tenham início."

A China é um mercado atraente devido à enorme população do país. O esqui está crescendo em popularidade lá graças a uma classe média em ascensão. Atualmente, cerca de cinco milhões dos 1,3 bilhão de habitantes do país esquiam, segundo a Vail Resorts.

Em comparação, cerca de 1,3 milhão dos 60 milhões de habitantes do Reino Unido esquiam. O Reino Unido é o maior mercado internacional para as estações de esqui do Colorado.

"Nós estamos sem dúvida muito interessados no potencial representado pelo mercado chinês", afirma o porta-voz da Aspen Skiing, Jeff Hanle. A Aspen e a Snowmass foram exibidas nos vídeos de bordo da Air China nos últimos dois invernos.

A Intrawest, que é proprietária do Copper Mountain Resort e administra o Winter Park Resort, no Colorado, anunciou no início deste ano que estava interessada em adquirir até seis estações chinesas de esqui.

A Vail Resorts e a Aspen Skiing também estão procurando atrair esquiadores russos afluentes, tendo enviado representantes a Moscou e trazido agentes de viagem e jornalistas para conhecerem o Colorado.

A Vail Resorts diz que considera a Rússia um mercado atraente pelo fato de o pico da temporada de viagens de inverno no país ocorrer em janeiro, um mês no qual há menos visitas de esquiadores ao Colorado.

"Sabemos que eles gostam de viajar para estações de esqui da melhor qualidade, e que estão gastando muito dinheiro", diz Bob Stinchcomb, diretor de vendas da Vail Resorts. "E, quase tão importante quanto isso é o fato de eles viajarem durante um período no qual nós precisamos de negócios."

Mas algumas companhias do Colorado estão indo na direção oposta. A Babes in the Backcountry, uma grupo de Breckenridge que ensina as mulheres a praticar esportes ao ar livre, está organizando uma viagem que levará esquiadoras norte-americanas ao Japão em fevereiro.

UOL Cursos Online

Todos os cursos