Idosos: cuidados para não cair

Jane E. Brody
The New York Times News Service

Dois amigos de Minnesota - Margaret, 79, e Davis, 84 - formam uma dupla animada que faz caminhada e exercício durante uma hora todos os dias. Então voltam para casa e vão para uma cozinha que é um acidente esperando para acontecer. No chão há tapetes soltos - bonitos, sim, mas um risco de queda para pessoas de qualquer idade, especialmente para as que têm mais de 65.

Eles colocaram forros antideslizantes embaixo dos tapetes, o que ajudou em alguns. Mas os tapetes ainda se movem e podem facilmente fazer alguém tropeçar. E quando alguém da idade deles tropeça e cai, há alta probabilidade de que alguma coisa se quebre.

Segundo um estudo recente do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), em Atlanta, hoje as quedas são a principal causa de mortes ligadas a ferimentos entre pessoas de 65 anos ou mais. O índice de fatalidade das quedas aumentou mais de 55% entre 1993 e 2003, o último ano do qual há estatísticas disponíveis. Na verdade, o índice de mortes causadas por tombos aumentou mais rapidamente do que o índice de ferimentos causados por quedas, em parte porque hoje as pessoas vivem até idades em que a fragilidade aumenta o risco de que uma queda seja fatal.

Mas nem as quedas nem as lesões graves são conseqüências inevitáveis da idade avançada. Brian M. Franklin, treinador atlético da Universidade de Ortopedia em Atlanta, e a Fundação MetLife, em colaboração com o CDC de Atlanta, oferecem excelentes sugestões para sintonizar seu corpo ao ambiente e evitar quedas, assim como os ferimentos quando estas acontecem.

Defesas corporais

Conhecer as causas das quedas sofridas por pessoas idosas é útil para avaliar as medidas que os especialistas recomendam para evitá-las. Encabeçando a lista de causas para pessoas normalmente saudáveis está a perda de força muscular seguida de redução de flexibilidade, que juntas resultam em instabilidade e menor capacidade de a pessoa se equilibrar quando começa a cair, disse Franklin em uma recente reunião patrocinada pela Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos e a Associação Nacional de Treinadores de Atletismo.

Depois há os fatores médicos, dentre os quais a osteoartrite - do tipo que causa desgaste - é o mais comum. A artrite pode deixar as articulações rígidas e dolorosas, resultando em perda de flexibilidade e mobilidade. Alguns medicamentos consumidos por idosos podem causar tontura ou sonolência e prejudicar o equilíbrio. As pessoas que sofreram derrame ou outro distúrbio neurológico podem ser incapazes de se movimentar normalmente.

Outros fatores de predisposição comuns entre idosos incluem doença cardiovascular e lesões acumuladas que prejudicam o sistema músculo-esqueletal. A redução da visão, talvez causada por catarata, glaucoma, degeneração macular ou falta de óculos adequados, também é um fator de quedas entre os mais velhos.

E quando os idosos caem seus ossos enfraquecidos têm maior probabilidade de quebrar. Cerca de uma em cada quatro mulheres e um em cada 15 homens com mais de 50 anos têm probabilidade de sofrer uma fratura durante o restante da vida.

Por isso, o primeiro passo é reforçar os músculos das coxas e do tronco para aumentar a estabilidade. Experimente este exercício simples: deitado de costas no chão, levante uma perna de cada vez cerca de 25 cm do chão, mantendo-a por dez segundos. Gradualmente, aumente até dez repetições com cada perna e verá como os músculos das suas coxas ficarão fortalecidos.

Da mesma forma, há exercícios fáceis para melhorar o equilíbrio: segurando delicadamente no encosto de uma cadeira pesada, levante um pé do chão, depois experimente soltar a cadeira. Quando dominar isso, experimente com os olhos fechados, depois tente na ponta dos pés. Tai-chi também é uma atividade excelente para melhorar o equilíbrio e reduzir as quedas.

Alongamentos diários, especialmente das pernas e quadris, ajudam a reduzir a perda de flexibilidade que pode resultar em quedas.

As pessoas de mais de 50 anos - especialmente as de mais de 65 - devem fazer exames de vista anuais com um oftalmologista e não esperar para comprar óculos novos ou se submeter à cirurgia de catarata. Implantes de córnea feitos quando as cataratas são removidas podem ser mais eficazes do que os óculos para aumentar a acuidade visual.

Se você toma medicamentos, pergunte a seu farmacêutico se algum deles, isolado ou em combinação, pode causar tontura ou sonolência. Nesse caso, pergunte a seu médico se uma dose menor ou outro medicamento seria tão eficaz quanto e/ou mais seguro.

Não esqueça que os ossos precisam estar fortes para continuar intactos caso você caia. Além de consumir quantidades adequadas de cálcio e vitamina D, você deve fazer exercícios de sustentação do peso. Os exercícios que beneficiam os ossos incluem caminhar, "step", hidroginástica, dança, ioga, tai-chi, caminhada forte e treinamento de resistência. Ciclismo e natação, embora sejam atividades excelentes para pessoas com artrite, não são tão eficazes quanto caminhar para reforçar os ossos, disse Franklin.

Para outras orientações, leia "Fall Prevention" [Prevenção de quedas], de Gail Davies e Fran Scully (ed. Infinity Publishing, 2006).

Proteção ambiental

Cerca da metade das quedas ocorre em casa, por isso é o melhor lugar para começar a evitá-las. Para não escorregar ou tropeçar, a Fundação MetLife dá estas dicas:

- Mantenha as passagens livres de móveis ou outros obstáculos. Não deixe objetos como livros, jornais, sapatos ou cobertores no chão. Verifique se os fios estão firmemente presos ao piso ou à parede. Se você tiver tapetes soltos, remova-os ou fixe-os com fita adesiva de dupla face. Se estiver visitando uma casa com tapetes soltos, peça que eles sejam retirados enquanto você estiver lá.

- Não deixe objetos nas escadas. As escadas devem ser bem iluminadas, em cima e embaixo, com luminárias de teto que podem ser ligadas e desligadas nas duas extremidades. As escadas devem ser bem mantidas, com passadeira firmemente presa ou forração de borracha em cada degrau. Sempre use o corrimão, e se possível instale corrimãos dos dois lados da escada.

- Melhore a iluminação dentro e ao redor de casa. Troque as lâmpadas incandescentes por fluorescentes, que são mais fortes, duram mais e gastam menos eletricidade. Coloque abajures facilmente alcançáveis dos dois lados da cama e uma luz noturna entre o quarto e o banheiro. Pendure cortinas leves nas janelas para reduzir o brilho.

- Guarde os artigos usados freqüentemente na cozinha, quarto e banheiro em prateleiras que você possa alcançar sem subir ou estender os braços acima da cabeça. Nunca suba numa cadeira. Se precisar subir num banco, arranje um que tenha um apoio para você se segurar.

- Instale barras dentro da banheira e junto ao vaso sanitário. Use tapete de borracha (o melhor é do tipo com várias ventosas) ou faixas de segurança adesivas no piso da banheira ou do chuveiro. Use um tapete de banho antideslizante ou carpete no banheiro - os pisos de cerâmica ficam muito escorregadios quando molhados.

- Sempre use sapatos, dentro e fora de casa. Evite andar descalço ou caminhar de meias ou chinelos que não tenham uma sola firme e antideslizante. Se for visitar alguém que não goste que se usem sapatos dentro de casa, leve sapatos especiais para usar dentro da casa. E se sua estabilidade for questionável, não use salto alto.

Finalmente, disse Franklin, conheça seu entorno. Aprenda onde se situam as armadilhas como buracos, superfícies desiguais e calçadas quebradas e evite-as. E não tenha vergonha de usar um apoio para caminhar se sua estabilidade ou firmeza não estiverem ideais. Quando os idosos caem seus ossos enfraquecidos têm maior probabilidade de quebrar. Cerca de uma em cada quatro mulheres e um em cada 15 homens com mais de 50 anos têm probabilidade de sofrer uma fratura durante o restante da vida Luiz Roberto Mendes Gonçalves

UOL Cursos Online

Todos os cursos