Mesmo elegantes, as sandálias croc são feias

De Stephanie Hayes, do St. Petersburg Times

Antigamente as pessoas usavam pequenas botas de borracha quando chovia, para, como se sabe, protegerem os seus sapatos de verdade.

Dina Rudick/The Boston Globe/Arquivo The New York Times - 10.11.2006 
Sinestesia da moda: as crocs são coloridas, cheiram a queijo e são... um sucesso


Mas em algum ponto do reservatório de porcarias da moda, surgiu uma nova opção capaz de agüentar um aguaceiro intenso e repelir o mau cheiro de pés feios e suados de todo o mundo: as sandálias croc.

Você as conhece. Você as adora. Ou então as detesta com uma intensidade que vem do canto mais sombrio da sua alma.

"Elas ofendem os nossos olhos e confundem os nossos amigos", diz Vincenzo Ravina, um jovem de 19 anos da Nova Escócia que criou o página na Internet ihatecrocs.com (literalmente "eudetestocrocs") com a namorada. "Quem usa crocs é semelhante a um fanático religioso".

As crocs são sandálias esquisitas de cores berrantes feitas de "croslite", uma resina patenteada que se adapta ao formato do pé.

Os representantes das crocs não perdem tempo em esclarecer que esse calçado não é feito de plástico, um material que deveria ser reservado para a fabricação de embalagens de sanduíche e filmes do tipo o garoto da bolha, e não para a confecção de sapatos.

O estilo mais popular, a "Beach", conta com amplos buracos de ventilação no topo, fazendo com que os orifícios para passagem de ar do Air Jordan pareçam precários.

Você pode colocar pequenos enfeites, chamados jibbiz, nos buracos. E também pode lustrar as sandálias com "manteiga-croc". Elas são encontradas até com figuras da Disney e cores de equipes esportivas.

Todos, avós, pais e Al Roker, as usam. A recente brincadeira no Today Show é prova disso. Não tente negar, Roker.

Matt Lauer: No seu guarda-roupa, você tem um artigo básico, algo com o qual não consegue viver independentemente da estação?

Al: As minhas crocs.

Matt: As suas crocs? Você tem crocs?

Al: Sim, eu comprei sandálias croc.

Enquanto você ri, as crocs estão depositando cheques nos bancos. No ano passado, a companhia do Colorado faturou US$ 374,7 milhões, o que representou mais de US$ 200 milhões em relação ao ano anterior.

A companhia acaba de lançar uma linha de dez novos estilos, incluindo sapatilhas de balé, sandálias de dedo, calçados com salto e Mary Janes.

Uma propaganda da linha de primavera publicada na revista "Glamour" dizia: "Mais Bela. Menos Fera". Mas será que a redução da linha croc faz dessas sandálias um objeto imprescindível da moda? Elas deveriam mesmo ser anunciadas como artigo de moda?

"Nós criamos basicamente uma marca, e não uma moda, mas com base na nossa tecnologia que nos permite ampliar mais o produto", explica a porta-voz da linha croc, Jessica Packard. "Isso é de fato uma extensão da Croc".

"Elas são muito feias", afirma Michelle Browne, uma enfermeira pediátrica em Tarpon Springs que, apesar da sua opinião, usa crocs rosas, verdes e brancas no trabalho para aliviar dores dos pés e da coluna. "A idéia é que elas sejam uma espécie de declaração de moda. Não as uso em público. Gostaria de poder usá-las".

Tim Bradford, um praticante da pesca esportiva de 34 anos e morador de Saint Petersburg, gosta tanto das crocs que comprou ações da companhia.

"Inicialmente, eu só as usaria quanto estivesse andando de barco ou de caiaque, mas elas substituíram todos os meus calçados, com a exceção dos que uso no trabalho", afirma Bradford, que possui quatro pares de crocs. "Eu as uso em lojas, no quintal e em basicamente todos os lugares. Sim, eu sou o cara de quem você ri".

Ele diz que os amigos fizeram gozações até experimentarem a sandália. O conforto venceu.

Mas você deve estar se perguntando se as crocs ficarão no mercado por muito tempo. Ou se elas acabarão indo para o céu (ou o o inferno?) dos calçados, juntamente com as botas Ugg e as sandálias Jelly.

Ravina, cujo página na Internet inclui imagens de uma solene croc sendo queimada, não acredita na desculpa do conforto.

"Robes de banho são confortáveis. Mas eu não uso os meus robes no supermercado. E em um dia realmente quente, você não me vê correndo por aí pelado, embora eu tenha certeza de que isso seria confortável. Com as crocs ocorre o mesmo".

Contatos com Stephanie Hayes podem ser feitos pelo e-mail shayes@sptimes.com UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos