O fator Chuck Norris ajuda candidato republicano nos EUA

David Uhler
do San Antonio Express-News
em San Antonio, no Texas

Chuck Norris sequer sabia quem era Mike Huckabee três meses atrás. E a maior parte dos Estados Unidos também não.

Desde então, depois que o ator texano especializado em encarnar personagens durões se meteu na campanha apoiando Huckabee, o ex-governador foi o primeiro colocado entre os candidatos presidenciais republicanos em Iowa, e ficou em segundo lugar na Carolina do Sul no último sábado.

Seria este mais um "Fato sobre Chuck Norris", aquelas alegações populares, engraçadas, mas absurdas, que aparecem na Internet e em camisetas, atribuindo poderes sobre-humanos a um homem que é uma figura de ação na vida real? Dificilmente.

O cara "capaz de bater uma porta giratória" dirigiu toda a sua energia para o projeto pessoal de impulsionar Huckabee rumo à Casa Branca. E se você assistiu "Walker, Texas Ranger", sabe o que isso significa.

Tannen Maury/AFP - 21.jan.2008 
Mike Huckabee (esq.) e Chuck Norris são observados pela mulher do ator, Gena O'Kelley

Alguns dias atrás, Norris organizou um churrasco para arrecadação de verbas para a campanha de Huckabee na sua fazenda perto de College Station, no Texas.

Recentemente o ator fez uma pausa na sua agenda corrida para conversar conosco a respeito de diversos assuntos, desde política e pugilismo até a ação que moveu contra o editor e autor do livro "The Real Truth About Chuck Norris" ("A Verdade de Fato Sobre Chuck Norris").

Pergunta - Por que Mike Huckabee?
Resposta -
Eu assistia a um desses debates entre republicanos no outono passado, e Huckabee contava com muito pouco tempo na televisão, de forma que não dava de fato para se sentir atraído pela proposta dele. E, de repente, vários jovens universitários enviaram-me e-mails dizendo que estavam apoiando Mike Huckabee, e pedindo que eu examinasse o discurso do candidato. Eu pensei, "Se todos esses jovens estão apoiando esse cara dessa forma, tenho que descobrir o por quê disso".

P - E o que você descobriu?
R -
Comecei examinando a sua história em Arkansas, e descobri que quando ele assumiu o governo o Estado tinha uma dívida de US$ 200 milhões. Quando ele saiu para disputar a presidência, o Estado estava com uma reserva de US$ 850 milhões. Pensei, "Uau, esse sujeito sabe administrar muito bem o seu dinheiro". Ele realmente tem uma mensagem que faz sentido para mim, especialmente no que diz respeito à estrutura de impostos nos Estados Unidos. É uma estrutura que já ficou arcaica há muitos anos.

P - Você fundou a World Combat League dois anos atrás. O que a faz diferente do Ultimate Fight Championship (UFC) e de outros eventos de luta livre que competem pela atenção dos fãs?
R
Na minha liga, se os lutadores tentam fazer corpo mole, são penalizados. Se agarrarem-se também são penalizados. É uma luta de pé e com ação total. O que se vê no UFC é que quando a luta vai para o chão, o ritmo diminui consideravelmente. Aí você ouve a platéia gritar, "Levantem-se! Levantem-se!". Portanto, agora o UFC está começando a fazer com que os lutadores se levantem mais rápido para que a ação não seja interrompida.

P - Qual o grau de dificuldade da competição na World Combat League?
R
Quando organizamos o primeiro torneio em Dallas, na temporada passada, eu disse aos lutadores: "Vejam, isto aqui é diferente do tipo de torneio do qual vocês participavam, onde lutavam cinco ou dez assaltos. Vocês precisam realmente aumentar o condicionamento aeróbico". Eles disseram, "Ah, não se preocupe, Norris. Estamos em excelente forma". Bom, eles saíram, e quando lutaram durante apenas três minutos a todo vapor, ficaram com as línguas dependuradas até a barriga. Aí eles me disseram, "Você tinha razão! Temos que começar a treinar de maneira diferente".

P - Você alguma vez sentiu vontade de voltar ao ringue?
R -
(Risos) Vendo esses caras lutar, creio que não. Se eu tivesse 40 anos a menos, talvez, mas não aos 67 anos de idade.

P - Como foi que tiveram início os "Fatos sobre Chuck Norris"?
R -
Um estudante universitário começou a escrevê-los e a enviá-los para mim. Eu li e pensei, "Isto é realmente engraçado". E disse para mim mesmo, "É algo que só vai durar umas duas semanas e desaparecer". De repente, a coisa pegou entre os universitários e cresceu em todas as universidades em todo o país. Na verdade, é algo muito forte no Iraque e no Afeganistão. As forças armadas têm os seus próprios fatos sobre Chuck Norris.

P - Se você não vê problemas com os "fatos" em camisetas e na Internet, por que entrou com uma ação judicial no mês passado contra o autor e editor do livro "The Real Truth About Chuck Norris" ("A Verdade de Fato Sobre Chuck Norris").
R -
Existem uns 60 mil fatos e eles poderiam ter mostrado os que são bons, e aí teríamos um livro realmente legal. Mas eles decidiram pegar os mais repulsivos. Você sabe que as crianças me observam. As crianças estão comprando esse livro idiota, e eu já recebi algumas reclamações porque o livro de certa forma insinua que eu o aprovo. Eu não aprovei o livro. A coisa chegou a tal ponto que tive que cortar o mal pela raiz, e agora precisei mover um processo contra alguém. Simplesmente não quero que as pessoas pensem que o livro é algo que eu aprovo.

P - Qual é o seu "Fato sobre Chuch Norris" favorito?
R
"Quiseram esculpir Chuck Norris no Monte Rushmore (monte no qual estão esculpidas as faces de presidentes dos Estados Unidos), mas o granito não era duro o suficiente para que se esculpisse a barba dele". UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos