Umberto Eco: souvenires do passado

Umberto Eco
Da L'Espresso

Em 3 de janeiro, ao ler meu jornal local, eu me deparei com um artigo interessante sobre relíquias, não apenas do tipo religioso, mas também da variedade laica, da cabeça de Descartes ao cérebro de Gorky. O hábito de conservar relíquias não é, como se costuma acreditar, um hábito cristão, mas um hábito típico de cada raça e cultura. O que está em jogo no culto às relíquias é o tipo de impulso que eu definiria como mito-materialista, a ponto das pessoas acreditarem que podem obter uma espécie de poder de um grande homem ou santo ao tocar pedaços do corpo daquela pessoa.

Por outro lado, o hábito também revela um gosto normal por antiguidades (colecionadores estão preparados a gastar grandes somas não apenas para ter a posse da primeira edição de um livro famoso, mas especialmente um que tenha sido de propriedade de uma pessoa importante). E, é claro (como freqüentemente acontece nos leilões americanos), nós também temos memorabilia. Esses itens podem assumir a forma das luvas (genuínas) de Jackie Kennedy ou das usadas por Rita Hayworth em "Gilda" (falsas).

Finalmente, há o fator econômico: na Idade Média, relíquias famosas eram atrações turísticas valiosas que atraíam fluxos constantes de peregrinos, assim como algumas discotecas na Riviera do Adriático agora atraem multidões de turistas alemães e russos. Eu também já vi multidões de turistas em Nashville, Tennessee, admirando o Cadillac do Elvis. Não que ele tivesse apenas um - ele trocava de modelo a cada seis meses.

Na Noite de Reis, talvez repleto de espírito natalino e me sentindo um tanto estranho, em vez de baixar pornografia pela Internet (como todo mundo), eu decidi navegar pela Internet à procura de relíquias famosas.

Por exemplo, nós sabemos que a cabeça de São João Batista se encontra na Igreja de São Silvestre, em Roma, mas segundo uma tradição anterior, ela se encontrava na Catedral de Amiens, na França. De qualquer forma, a cabeça em Roma carece da mandíbula inferior, que atualmente se encontra na Catedral de São Lourenço, em Viterbo, a cerca de 100 quilômetros ao norte. O prato em que foi colocada a cabeça do Batista está no tesouro da Catedral de São Lourenço, em Gênova, juntamente com suas cinzas. Mas parte dessas cinzas também está conservada na velha igreja do mosteiro beneditino em Loano, um dos dedos do santo está supostamente no Museo dell'Opera del Duomo, em Florença, e um braço na Catedral de Siena. Quanto ao seu dente, um está na Catedral de Ragusa e outro, juntamente com uma mecha de cabelo, está em Monza. Não há nenhuma notícia dos outros 30.

Uma lenda antiga diz que outra catedral tinha o crânio do Batista aos 12 anos, mas não acredito que exista qualquer documento oficial que confirme o rumor.

A Verdadeira Cruz foi encontrada em Jerusalém por Santa Helena, a mãe do imperador romano Constantino 1º. Roubada pelos persas no século 7 e recuperada pelo imperador bizantino Heráclito, ela foi levada ao campo de batalha pelos cruzados contra Saladino, o mais famoso dos heróis muçulmanos. Infelizmente, Saladino venceu, e depois disso todos os traços da cruz se perderam para sempre. Todavia, vários pedaços dela já foram roubados: um dos pregos aparentemente é mantido em Roma, na Igreja da Santa Cruz de Jerusalém.

A coroa de espinhos, mantida por muito tempo em Constantinopla, foi partida visando doar pelo menos um espinho para diversas igrejas e santuários. E a Lança Sagrada, que já pertenceu ao sacro imperador romano Carlos Magno e seus sucessores, atualmente está em Viena, Áustria. O prepúcio de Jesus estava em exibição na cidade italiana de Calcata até que, em 1983, o padre anunciou que ele tinha sido roubado. Mas a posse da mesma relíquia já foi reclamada por Roma; Antuérpia, Bélgica; na França, em Auvergne, Chartres, Conques, Besancon, Fecamp, Metz, Langres, Charroux e Puy-en-Velay; por Hildesheim, Alemanha; e Santiago di Compostela, Espanha.

O sangue que jorrou do ferimento na lateral de Cristo, que teria sido coletado pelo soldado romano Longinus, foi supostamente levado para Mantua, aqui na Itália, mas outro sangue também é mantido na Basílica do Sangue Sagrado em Bruges, Bélgica. A Manjedora Sagrada está em Santa Maria Maggiore, em Roma, enquanto - como se sabe - o Santo Sudário está em Turim. As faixas do bebê Jesus são mantidas em Aachen, Alemanha. O pano que Jesus usou para lavar os pés dos Apóstolos está na igreja de São João Laterano e em Acqs, Alemanha, apesar de não poder ser excluído que Jesus usou dois panos ou lavou os pés deles duas vezes. Muitas igrejas possuem amostras do cabelo ou leite da Virgem Maria; seu anel de casamento está supostamente em Perugia, Itália, enquanto seu anel de noivado está em Notre Dame, em Paris.

Milão, Itália, costumava ser lar dos restos mortais dos Reis Magos, mas no século 12, o sacro imperador romano Frederick Barbarossa os levou para Colônia, Alemanha, como espólios de guerra. Eu contei esta história em meu romance "Baudolino", mas eu não espero mudar a opinião daqueles que não acreditam.

(O mais recente livro de Umberto Eco é "História da Feiúra". Ele também é autor dos best sellers internacionais "Baudolino", "O Nome da Rosa" e "O Pêndulo de Foucault", entre outros.)

Tradução: George El Khouri Andolfato

UOL Cursos Online

Todos os cursos